segunda-feira, 24 de abril de 2017

Interior de São Paulo já foi coberto pelo mar

Evidências de uma catástrofe hídrica
Um levantamento realizado por pesquisadores de sete universidades brasileiras e portuguesas apontou que há 260 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista] o interior de São Paulo era coberto por água. O chamado “mar de Irati” tinha um milhão de quilômetros quadrados e acabou secando após uma série de mudanças geológicas. Entretanto, fósseis de animais marinhos e vestígios de algas ainda podem ser encontrados em algumas regiões, como no município de Santa Rosa de Viterbo (SP), a 300 quilômetros da capital paulista, onde ficava uma das praias de águas limpas, claras, rasas e quentes, como descreve o estudo.

As primeiras descobertas ocorreram na década de 1970, durante os trabalhos de escavação em uma mina de calcário que, mais tarde, se tornou um sítio arqueológico. Agora, as informações foram reunidas em um inventário geológico, publicado na revista científica GeoHeritage. O documento é assinado por geocientistas da Universidade de São Paulo (USP), Universidade de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade Federal de São Carlos (UFScar), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Instituto Florestal e Instituto Geológico de São Paulo.

Segundo os pesquisadores, os elementos que comprovam a existência do mar de Irati estão embaixo da terra, a até 25 metros de profundidade: os estromatólitos são rochas que se formam no fundo de mares rasos a partir de micro-organismos solidificados, que se acumulam como um tapete de limo.

Em Santa Rosa, com a retirada do calcário pela mineração, foram descobertos estromatólitos gigantes, que só haviam sido encontrados na Namíbia. O engenheiro de minas Marco Antônio Cornetti explica que esse tipo de rocha geralmente é pequeno, mas no interior de São Paulo há alguns com até três metros.

“Uma infinidade de algas morreu e o calcário começa a sedimentar em cima delas. Ninguém sabe por que essas algas não sedimentavam de forma plana, elas formam uma estrutura. Por que elas assumiram essa forma, ninguém sabe o motivo”, diz.

Cornetti trabalhou na pedreira em 1972, quando os primeiros indícios de vida marinha foram descobertos, e também atuou ao lado dos pesquisadores entre 2012 e 2015, na elaboração do inventário atual. Ele conta que o grupo também achou coprólitos, fezes fossilizadas de peixes e tartarugas.

“Elas têm formas diferentes: uma mais cilíndrica e outra mais redonda. Isso vai mostrar a origem de um e de outro [animal]. Esses coprólitos e os restos de conchas estão nessa camada [de rocha], o que comprova ambiente marinho nesse local”, afirma.

Nas áreas de mineração, os geocientistas ainda identificaram fragmentos de ossos de um vertebrado que antecedeu os dinossauros, o Mesosaurus brasiliensis. O animal vivia no mar de Irati e era parecido com um lagarto com um metro de comprimento, segundo Cornetti. “Ele ficava em cima do estromatólito, morria e caía entre dois estromatólitos. A onda ficava balançando e, por isso, você não encontra o corpo do Mesosaurus completo, porque a água do mar ficava balançando e separava todos os pedacinhos”, explica.

O mar de Irati se estendia pelos estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e até partes do Uruguai, Paraguai e Argentina. Segundo os pesquisadores, movimentos geológicos fizeram quase toda água escoar para o oceano Atlântico.

“Na região de Uberlândia o solo foi levantando e foi expulsando o mar em direção à foz do Rio Paraná. Em Santa Rosa, ficou um mar fechado, com mais ou menos três mil hectares. Não entrou mais água, esse mar secou e na hora que foi secando, foi depositando calcário”, diz Cornetti.

O engenheiro explica que o Irati era um mar raso, com aproximadamente 200 metros de profundidade, e levou cerca de 20 milhões de anos para secar. Logo depois, a região virou um deserto e, lentamente, a vegetação foi se recompondo. As rochas existentes no local ajudaram a formar o maior reservatório de água do mundo: o Aquífero Guarani.


“Depois do mar, se formou um lago com lama argilosa. Aí, aparecem os derrames basálticos e a formação do que, todo mundo conhece, os aquíferos Guarani, Botucatu e Piraboia, que estão muito acima topograficamente dessa formação, são bem mais recentes”, diz.

Fonte: G1 notícias via criacionismo

Nota
do blog criacionismo: Os óculos conceituais com que a pessoa observa a natureza fazem variar e muito as conclusões a que ela chega. Sob o ponto de vista do modelo diluvianista/catastrofista fica bem fácil entender esse cenário: uma inundação de proporções gigantescas cobriu os continentes, arrastando e sepultando sob lama inúmeras formas de vida, misturando-as e, em alguns casos, desarticulando-as. Isso ajuda a explicar por que cerca da metade dos sedimentos continentais é de origem marinha. E ajuda a explicar, também, a tremenda abundância de fósseis em todos os continentes, já que, para que ocorra a fossilização, é preciso que os organismos sejam rapidamente sepultados debaixo de lama. Note que o texto acima afirma que as algas no Irati sedimentaram em forma de estruturas, não de forma plana. Não seria outra evidência de catástrofe? E a desarticulação do Mesosaurus não se deveria igualmente a isso? Segundo o pesquisador, o mar era raso e levou 200 milhões de anos para secar. Fácil afirmar, difícil explicar como... A notícia menciona ainda derrames basálticos e elevação de terreno, o que está em plena consonância com as previsões criacionistas. E o acúmulo de águas em aquíferos não seria uma referência às “fontes do abismo”, sobre as quais a Bíblia fala? [MB]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails