domingo, 26 de junho de 2016

A percepção da teoria do Design Inteligente cresce no Brasil e preocupa evolucionistas

A Percepção Sobre a Hipótese do Design Inteligente no Brasil (Minas Gerais)

The perception of the hypothesis of Intelligent Design in Brazil (Minas Gerais)

Heslley Machado Silva 1, Graça S. Carvalho 2, Paloma Rodrigues da Silva 3, Daiana Evilin Gibram 4

1 Centro Universitário de Formiga, Minas Gerais, Brasil. Universidade de Itaúna, Minas Gerais , Brasil

² Instituto de Investigação da Universidade do Minho, Portugal.

³ Universidade Estadual Paulista, São Paulo, Brasil.

4 Centro Universitário de Formiga, Minas Gerais, Brasil.

Resumo

Introdução: Este trabalho é um recorte de uma pesquisa mais realizada no Brasil, que fez um paralelo entre um relatório recentemente publicado no Reino Unido, intitulado Rescuing Darwin, que trata de como a população britânica percebe a questão da evolução biológica e temas relacionados.

Objetivo: O recorte apresenta e analisa os resultados referentes ao tema do design inteligente. Em ambos os países a maioria dos entrevistados acredita nessa hipótese [sic], com notável penetração no Brasil. A hipótese tem ampla aceitação nos dois gêneros, com leve superioridade no sexo feminino.

Resultados: Entre as principais religiões brasileiras houve grande aceitação entre os evangélicos, seguidos dos católicos e também os espíritas. Analisou-se também a influência do nível de escolaridade. Não há mudança significativa quando se aumenta o grau de escolaridade, sendo que em todos a aceitação da hipótese do design inteligente é alta.

Conclusão: A partir dessa percepção, urge discutir como o conhecimento científico é apresentado à população, o grau de compreensão dessa visão e como a população a vê diante da evolução darwinista, tão aceita cientificamente. Por fim, analisa-se como esse quadro é preocupante diante de ações que ocorrem no mundo e no Brasil, que visam alterar o ensino de evolução biológica, substituindo-o por uma abordagem dogmática, com preceitos religiosos que estão dissociados da metodologia científica. [???]

Palavras-chave: Educação. Evolução. Design Inteligente.

Autor correspondente:

Heslley Machado Silva
E-mail: heslley@uniformg.edu.br

Fonte: Desafiando a Nomenklatura Científica


NOTA CAUSTICANTE DO BLOGGER Desafiando a Nomenklatura Científica:

Heslley Machado Silva é um pesquisador com uma agenda, não é um cientista sério que segue as evidências aonde elas forem dar, e sequer tem conhecimento mínimo do que seja a teoria (que ele minimiza como hipótese) do Design Inteligente e sua política quanto ao seu ensino nas escolas e universidades públicas e privadas. A foto acima corrobora a conclusão de Heslley: a penetração da TDI no Brasil é notável. Não somente isso, é irreversível.

O manifesto lançado naquele evento em Campinas, SP, demonstra quão em descompasso com a verdade ele está em relação aos mais de 350 professores e pesquisadores, alguns em universidades brasileiras públicas e privadas de renome, e a nossa política de ensino da TDI, nada parecido com o falso alarme dado por Heslley de ser um quadro preocupante diante de ações que ocorrem no mundo e no Brasil, que visam alterar o ensino de evolução biológica, substituindo-o por uma abordagem dogmática, com preceitos religiosos que estão dissociados da metodologia científica:

Manifesto público da Sociedade Brasileira do Design Inteligente – TDI-Brasil – sobre o ensino da Teoria da Evolução e da Teoria do Design Inteligente nas escolas e universidades públicas e privadas

"A TDI-Brasil declara, como sua política educacional, não ser favorável, na atual conjuntura acadêmica, ao ensino da Teoria do Design Inteligente (TDI) nas escolas e universidades brasileiras públicas e privadas, como também nas confessionais.

Nossa posição se fundamenta na opinião atual da Academia, que ainda não acata em sua maioria a TDI e o seu ensino, posição essa que nós da TDI-Brasil, como acadêmicos, devemos acatar.

Outro fundamento de nossa posição contrária ao ensino da TDI nas escolas é a não existência, no quadro educacional atual, de professores capacitados para corretamente ensinar os postulados da TDI.

Entendemos, porém, que os alunos têm o direito constitucional de ser informados que há uma disputa já instalada na academia entre a teoria da evolução (TE) e a TDI quanto à melhor inferência científica sobre nossas origens. Inclusive há outras correntes acadêmicas, além da TDI, que hoje questionam a validade da TE oferecendo uma terceira via.

Quanto ao ensino da TE, a TDI-Brasil defende que este ensino seja feito, porém, de uma forma honesta e imparcial, tanto nos livros didáticos quanto na exposição dos professores em salas de aula. Defendemos que sejam eliminados exemplos fraudulentos ou equivocados atualmente presentes em livros didáticos, e que sejam expostas as deficiências graves que a TE apresenta, e que se agravam a cada dia frente às descobertas científicas mais recentes – o que hoje não ocorre.

Quanto ao criacionismo, na sua versão religiosa e filosófica, por causa de seus pressupostos filosóficos e teológicos, entendemos que deva ser ensinado e discutido, junto com as evidências científicas que porventura o corroborem, em aulas de Filosofia e Teologia, dando a estas disciplinas o seu devido valor no debate sobre as nossas origens."

Heslley, estamos de olho nos seus artigos que desvirtuam o corpus epistêmico da teoria do Design Inteligente, e sua motivação ideológica espúria patente em querer demonizar uma teoria científica associando-a ao criacionismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails