terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Terceiro núcleo é encontrado no interior da Terra

Enquanto não há nenhuma terra pré-histórica escondida no centro do nosso planeta, como o autor Jules Verne imaginava, o interior do planeta não é tão parecido com o que os cientistas imaginavam.
Mendir 5000 km debaixo dos nossos pés, o núcleo está fora do alcance de investigação direta.

Os geólogos descobriram que o núcleo interno da Terra – que se pensava ser um pedaço sólido de ferro – pode de fato ter o seu próprio núcleo ainda menor dentro dele.

Usando ondas sísmicas, que se repercutem em todo o planeta após os terremotos, os pesquisadores foram capazes de ganhar uma nova visão sobre o que está no centro do nosso mundo.

As descobertas podem significar que a nossa compreensão do interior da Terra, e sua história, terá de ser reescrita.

Eles descobriram um núcleo distinto interior que tem cerca de metade do diâmetro do que se acreditava ser o núcleo interior, que é aproximadamente do tamanho da lua.

O professor Xianodong Song, um geólogo da Universidade de Illinois, disse que a estrutura de dois núcleos internos poderia ajudar a revelar novos detalhes sobre como a Terra se formou.

Ele disse: ‘Mesmo que o núcleo interno seja pequeno – menor do que a lua -, ele tem algumas características muito interessantes.

“O fato de que nós temos duas regiões que são distintamente diferentes pode nos dizer algo sobre como o núcleo interno vem evoluindo. Por exemplo, ao longo da história da Terra, o núcleo interno pode ter tido uma mudança muito drástica em seu regime de deformação. Poderia ser a chave para a forma como o planeta evoluiu.”

Os geólogos têm estabelecido que a Terra é composta de três camadas principais – a crosta, a camada de magma quente conhecida como manto e o núcleo.

Eles têm sabido há algum tempo que o núcleo é feito de um núcleo externo líquido de ferro e níquel e um núcleo interior. Mas na última pesquisa, o professor Song e seus colegas da Universidade de Nanjing, na China, descobriram que até mesmo esse núcleo interno é mais complexo do que se acreditava anteriormente.

Enquanto os cristais de ferro nas camadas exteriores do núcleo interior estão alinhados em uma direção norte-sul, dentro do núcleo interno eles se apontam aproximadamente em leste-oeste.

Os pesquisadores usaram o “eco” das ondas sísmicas que saltam ao redor do planeta depois de um terremoto para construir uma imagem do interior da Terra.

Matrizes de sensores em locais ao redor do mundo, incluindo a Venezuela e o sudeste da China, permitiram aos cientistas medir atrasos no tempo que levava para que estes percorressem o planeta.

Eles descobriram que as ondas sísmicas que passaram através do centro do planeta mostraram interferência muito diferentes daquelas que viajavam através do resto do núcleo.

Eles também descobriram que os cristais de ferro no núcleo mais interno também podem ter estruturas cristalinas muito diferentes, o que significa que eles têm propriedades diferentes.

O professor Song disse que era provável que as mudanças tectônicas no início da história da Terra levaram a estas diferentes estruturas no núcleo.

Ele disse: “Isso pode nos dizer sobre como nosso planeta se formou, a sua história, e outros processos dinâmicos da Terra. Ela [a descoberta] molda a nossa compreensão do que está acontecendo nas profundezas da Terra.”

Fonte: DailyMail, BBC

Um comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails