quarta-feira, 18 de junho de 2014

De que forma o naturalismo impede o avanço da ciência?

Por vezes acontece as pessoas que acreditam em Deus serem acusadas de limitar a ciência, afirmando de maneira preguiçosa que Deus é a Explicação para um dado fenômeno, e como tal, não precisamos de mais nenhuma explicação. Embora alguns Cristãos possam ser culpados de tal pensamento, muitos Cristãos apercebem-se que a ciência é maneira através da qual nós podemos saber como foi que Deus criou o universo.

Dizer que a existência e o entendimento da ciência invalida a casualidade Divina, é como dizer que como entendemos de engenharia, não precisamos de Henry Ford. Ironicamente, os naturalistas metafísicos (aqueles que escolhem acreditar que o mundo físico é tudo o que existe, existiu e alguma vez vai existir) não se apercebem que a sua própria crítica pode ser usada contra eles. Julgo ser possível listar pelo menos 6 razões que nos fazem ver que a metafísica naturalista limita a ciência.

1. O naturalismo metafísico leva-nos a cometer a falácia do naturalismo-das-lacunas.

Existe um erro infrequente cometido pelos teístas conhecido como o Deus-das-lacunas. Este erro consiste em dizer que, como não se consegue explicar algum fenômeno, então Deus está por trás dele. Mas à medida que a ciência vai avançado e recolhendo mais dados, essas “lacunas” ou “falhas” vão sendo progressivamente fechadas com o nosso conhecimento; Deus vai, digamos assim, sendo “Afastado” pelas evidências.

O problema é que quando alguém afirma que o mundo natural é tudo o que existe, inevitavelmente ele faz o mesmo erro que ele mesmo acusa os teístas de fazer. O naturalista dirá que embora ele não consiga explicar um dado fenômeno, certamente que no futuro próximo uma explicação “natural” será encontrada, o que invalidará a
necessidade de se invocar o sobrenatural.

O naturalista irá alegremente aceitar uma explicação “científica” desde que ela não esteja fora do âmbito do naturalismo, mesmo que essa explicação tenha falhas e seja claramente refutada pelas evidências empíricas [por exemplo, a teoria da evolução]. Pode-se dizer assim que ele preencheu a lacuna do seu conhecimento com o naturalismo metafísico, levando-o a cometer a falácia do naturalismo-das-lacunas.

2. O naturalismo metafísico carece de alcance explicativo.

Como dito na introdução deste texto, imaginemos que alguém diz que como entende da operacionalidade da termodinâmica e da engenharia, ele não precisa de Henry Ford. O seu raciocínio tem falhas ao assumir que a descoberta dum mecanismo operacional invalida a necessidade dum agente por trás desse mecanismo. E é precisamente isto que os ateus e os evolucionistas fazem visto que se algum fenômeno natural logicamente precisa dum agente causador sobrenatural, eles ignoram e/ou rejeitam as evidências que podem servir de apoio a essa tese. Um artigo de fé do naturalismo metafísico é precisamente limitar a área de pesquisa quando se apura a casualidade, o que, obviamente, limita a ciência.

3. O naturalismo metafísico fecha as mentes.

Se uma pessoa começa assumindo a conclusão de que o mundo natural é tudo o que existe, ele irá interpretar tudo à luz desta conclusão. Isto tornar-se-á a sua pressuposição e desde logo, a sua mente estará fechada às evidências que lhe forem apresentadas. Talvez o exemplo mais conhecido desta forma de pensar seja David Hume, que sugeriu que se alguém presenciar um milagre, não acredite nele. Isto é o exemplo clássico duma mente fechada visto que ele literalmente propõe que se negue a veracidade do que se pode claramente observar com os seus olhos. Esta é a posição que o naturalismo metafísico exige que os seus aderentes tomem.

Pode-se dizer, portanto, e em contraste a isto, que o Cristão está aberto à ciência natural como também também à uma casualidade que transcende o mundo natural, enquanto que a crença cardinal do naturalista não permite que ele siga as evidências até onde quer que elas o levem.

4. O naturalismo metafísico não tem justificação.


Sempre que alguém sugere que o mundo natural é tudo o que existe, existiu e alguma vez vai existir, ele está a fazer uma afirmação positiva em favor da qual teremos que ter algum tipo de evidência. Como ressalvou o ateu Christopher Hitchens, aquilo que pode ser afirmado sem qualquer evidência em seu favor, pode ser rejeitado sem qualquer evidência contra.

Portanto, se alguém afirma que o mundo natural é tudo o que existe, ele tem que fornecer algum tipo de evidência em favor desta posição. O problema é que não existem evidências em favor do naturalismo metafísico, e desde logo, qualquer cientista que opere dentro do âmbito do naturalismo está a operar dentro de limitações ideológicas que não têm evidências em seu favor.

Quando temos como pressuposição um ponto de partida falso, obviamente que obteremos conclusões falsas e este é o erro que o naturalismo metafísico causa a que os cientistas façam.

5. O naturalismo metafísico não explica a inteligibilidade racional do universo.


Próprio fato de alguém poder fazer ciência assume que o universo é inteligível e aquilo que pode ser compreendido tem que ter um significado. (Uma coisa em sentido não pode ser compreendida.) A própria pressuposição de que o universo poderia ser racionalmente entendido veio da crença em Deus; os homens esperaram que a natureza tivesse leis porque eles acreditaram no Legislador Supremo.

Mas se Deus não existe, a inteligibilidade racional do universo dentro do naturalismo metafísico não se justifica. É bem provável que a nossa percepção de inteligibilidade seja consequência do desejo humano de buscar padrões onde não há nenhum. Logo, o naturalismo metafísico destrói a ciência ao atacar o fundamento do empreendimento científico: a inteligibilidade racional do universo.

6. O naturalismo metafísico não explica a correspondência entre a inteligência humana e o mundo natural.

Tal como o físico Lawrence Krauss ressalvou em mais do que uma ocasião, o cérebro humano não evoluiu para fazer ciência, nem para entender da mecânica quântica. Segundo o naturalismo metafísico, o cérebro humano evoluiu apenas com o propósito de sobreviver e de propagar o ADN. Dito de outra forma, e usando as palavras de Richard Dawkins, esse é o propósito único da nossa existência.

Mas se isto é assim, então porque é que alguém esperaria que o cérebro humano fosse capaz de alcançar a verdade? Se o naturalismo metafísico está certo, o cérebro humano foi afinado para sobreviver e não para saber a verdade. (Esse é o propósito do livro “Evolutionary Argument Against Naturalism” escrito por aquele que é provavelmente o maior filósofo da atualidade, Alvin Plantinga.)

Foi por isso que Darwin disse, “Comigo, a terrível dúvida sempre surge, nomeadamente, se as convicções da mente humana, que se desenvolveram a partir da mente de animais inferiores, têm algum valor ou se são fiáveis. Será que alguém confiaria nas convicções da mente dum macaco, se é que existem convicções em tal mente?”

Tal como um blogueiro disse, é bem possível que estejamos perdidos num mar de loucura, pensando que estabelecemos verdades quando ouvimos outros loucos a recitá-las. O naturalismo metafísico parece minar a mais importante crença do empreendimento científico: a capacidade humana de levar a cabo trabalho científico.

Fonte: Darwinismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails