segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Richard Dawkins rejeita o registo fóssil

Por volta de 1950, o registro fóssil não era amigo de Darwin. Hoje, passados 150 anos, o registro fóssil também já não é amigo de Richard Dawkins. Darwin disse: “Porque todas as coleções de restos fósseis não disponibilizam evidências claras da transição gradual e das mutações entre as formas de vida?” A pergunta era difícil de evitar – o elefante na sala –, mas também era perturbadora, visto que Darwin reconheceu que o registro fóssil poderia confirmar ou refutar sua teoria: “Se se puder demonstrar a existência de um órgão complexo que nunca se poderia formar através de modificações pequenas, graduais e sucessivas, minha teoria entraria em colapso absoluto.” Darwin reconheceu também o seguinte: “A singularidade das formas específicas [o registro fóssil] e o fato de elas não estarem misturadas em inúmeros elos de transição é uma dificuldade óbvia.”

Em seu livro The Panda’s Thumb, o paleontólogo evolucionista Stephen Jay Gould reflete sobre a frustração de Darwin e ressalva: “O registro fóssil causou mais preocupação do que alegria a Darwin.” Deparando-se com evidências tão pobres, e até evidências contrárias, Darwin evitou o problema alegando que “apenas uma pequena porção da superfície da Terra já foi geologicamente explorada.” A “explicação” dele manteve viva a esperança de que explorações futuras desenterrariam os sempre esquivos “inúmeros elos de transição”.

As coisas não mudaram muito durante os últimos 150 anos. “Precisamos de mais fósseis”, suplicou Dawkins, em seu livro de 2009, The Greatest Show on Earth. Ao voltar as costas ao registro fóssil, Dawkins avançou com o conceito das “evidências comparativas”: “Tal como eu sugeri no princípio deste capítulo, as evidências comparativas sempre foram mais convincentes do que o registro fóssil.”

Independentemente do que as “evidências comparativas” sejam (Dawkins não as definiu), ele está rejeitando o registro fóssil como evidência essencial em favor da teoria de Darwin. “Não precisamos dos fósseis para demonstrar que a evolução é um fato.” Segundo Dawkins, o registro fóssil deveria ser retirado da sua posição dentro do debate, até mesmo um dos mais notórios ícones evolutivos, o Archaeopteryx. Em seu livro The Greatest Show on Earth, Dawkins afirma: “Aguentar um simples fóssil famoso como o Archaeopteryx é dar espaço para um argumento falacioso.”

Quando Darwin estava desesperado por encontrar os “inúmeros elos de transição”, ele rapidamente se voltou para o [então] recentemente descoberto Archaeopteryx (imagem ao lado). Para Darwin, o Archaeopteryx emergiu como a evidência-chave que fazia a conexão entre os répteis e os pássaros: “Mesmo o espaçoso intervalo entre as aves e os répteis foi demonstrado recentemente [por Huxley] como estando parcialmente unido de uma forma inesperada, pela avestruz e pelo extinto Archaeopteryx.”

Durante a parte final do século 20, a rejeição do Archaeopteryx como um elo perdido entre os répteis e as aves começou a ganhar apoio entre os paleontólogos. Segundo Larry Martin (paleontólogo de vertebrados e curador do Museu de História Natural e do Biodiversity Research Center, da Universidade do Kansas), “o Archaeopteryx não é ancestral de qualquer grupo moderno de aves”.

O estatuto de “elo perdido” do Archaeopteryx é apenas uma ilusão, e, segundo Henry Gee (paleontólogo e biólogo evolutivo e editor- sénior da prestigiada revista Nature), uma história para crianças.

Abandonar o Archaeopteryx como fóssil transicional é, na verdade, apenas a ponta do iceberg do mais amplo problema que o registo fóssil constitui para a teoria da evolução. Em seu livro intitulado The Evolution of the Long-Necked Giraffe, o geneticista Wolf-Ekkehard Lönnig (Max-Planck Institute, na Alemanha), tal como Dawkins, ressalva de modo cândido o fato de que “a série gradual de intermediários, segundo Darwin os entendia, nunca existiu nem nunca vai existir”.

Tempos atrás, a evolução era uma teoria em crise; hoje a evolução está em crise e vazia de uma teoria. Sem as evidências do registro fóssil, segundo o próprio Darwin, “minha teoria entraria em colapso absoluto”.

Conclusão: a rejeição do registro fóssil por parte de um dos últimos proponentes hardcore do gradualismo evolutivo assinala o fim da era darwiniana, e serve para ressalvar ainda mais a natureza filosófica (e não científica) da teoria da evolução.

Uma coisa se torna cada vez mais aparente: os evolucionistas não têm qualquer compromisso com o gradualismo de Darwin, mas, sim, com o naturalismo. Para o evolucionista comum, qualquer mecanismo serve, desde que seja “natural” – isto é, que possa ser usado contra quem defende a criação Divina.





Fonte: Darwinismo

Leia mais sobre Richard Dawkins aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails