quarta-feira, 16 de outubro de 2013

O fórum cancelado e o preconceito contra criacionistas


 É com grande estranheza que leio os comentários nada éticos ou acadêmicos do professor Leandro Tessler que, pelo visto, deseja ser representante de um setor na Unicamp [comentários a propósito do 1º Fórum Unicamp de Filosofia e Ciências das Origens, que seria realizado nesta quinta-feira]. Recomendo que você leia os comentários dele antes de ler o que escrevo a seguir. A postura de Tessler me lembra a daqueles acadêmicos criticados por Michael Ruse, um eminente especialista em evolucionismo e darwinismo, em seu livro The Evolution-Creation Struggle. Apesar de ser um ferrenho opositor do criacionismo, esse autor deplora a postura acadêmica de monopólio teórico que nega ao outro a oportunidade de se manifestar, fazendo com que apenas Darwin fale, deixando de fora qualquer opinião ou proposta levantada pelo outro lado.

Ruse chega a dizer que existe uma tremenda semelhança entre certos defensores do evolucionismo e o fundamentalismo criacionista a que eles tanto se opõem. Ou seja, ambos se tornam radicais em seu discurso, tratando o outro com pouco ou nenhum respeito e evitando a todo custo que seus seguidores ouçam os argumentos que o outro lado teria a dizer. Isso revela insegurança e preconceito, não um debate racional e equilibrado sobre a questão. E Ruse, compensa repetir, é um respeitado acadêmico evolucionista.

O professor Leandro faz acusações do ponto de vista lógico que simplesmente quebram várias leis do raciocínio correto – pelo menos para quem já estudou filosofia – e beiram a falácias e paralogismos. Ele apela especialmente para o argumento por autoridade e a Petição de Princípio. Resume-se a dizer que o que ele ensina está provado e que o que o outro lado diz é ridículo. Mas não mostra onde está o ridículo das afirmações a que ele se opõe. Pressupõe-nas ridículas porque fogem ao seu senso comum ou ao que ele está acostumado a acreditar. 

Isso, fora o fato de que um acadêmico, seja de que área for, deveria tratar com cuidado e precisão o uso de fontes, mesmo se tratando de um blog não indexado. Afinal, sua autoridade acadêmica pode induzir os leitores ao erro. Neste texto, darei alguns exemplos de sua incongruência argumentativa.

Palavras de indignação do professor Leandro: “Por que a Unicamp empresta seu prestígio a um evento desse tipo, que estaria muito mais apropriadamente sediado em alguma igreja ou associação cristã? [...] Por isso causou-me surpresa que a administração central da Unicamp, uma universidade pública e prestigiada como uma das melhores do Brasil, esteja dando suporte institucional para um evento criacionista que ocorrerá dia 17/10 dentro da série de debates chamados de Fóruns Permanentes. Trata-se do 1º Fórum de Filosofia e Ciência das Origens (espero que seja também o último!).” Depois de questionar evento semelhante ocorrido na Universidade Mackenzie, ele conclui: “Universidades confessionais protestantes americanas de primeira linha como Harvard, Princeton ou Yale jamais permitiram que um evento desse tipo ocorresse em suas dependências” (grifo nosso).

A conclusão dele é que esses assuntos deveriam se limitar ao interior de igrejas ou instituições religiosas. Jamais deveriam adentrar os limites de uma universidade como a Unicamp. Será?

Minha resposta: o professor deveria se inteirar melhor disso antes de passar uma visão distorcida a seus alunos e aos leitores de seu blog. Será que “universidades de ponta” não se interessam por assuntos envolvendo Deus, religião e ciência? Ele chega a dar como exemplo uma suposta mancha na reputação da UnB porque sediou um Núcleo de Estudos de Fenômenos Paranormais e pelo curso de extensão em Astrologia. Veja, não sou astrólogo, paranormal nem simpatizante dessas correntes, mas devo mostrar que as coisas não são como o professor apresenta.

Que tal, então, esses casos? De 21 a 23 de outubro de 2001, Harvard (a mesma instituição que ele afirmou jamais se prestaria a esse papel) sediou um congresso intitulado “The Harvard Conference on Science and the Spiritual Quest”["A Conferência de Harvard sobre Ciência da busca espiritual"], realizado no campus de Cambridge, MA. Igualmente, a Universidade de Berkeley, na Califórnia, possui um programa acadêmico sobre “busca espiritual” (Spiritual Quest Program SSQ) e um “Center for Theology and the Natural Sciences”. Compensa dar uma olhada na página deles (http://www.ctns.org/ssq/) e ver como Berkeley discorda do professor da Unicamp e leva para o Campus coisas que ele sugere ficarem circunscritas aos limites de uma igreja ou instituição religiosa. William D. Phillips, ganhador do prêmio Nobel de Física, participou de vários eventos do SSQ e afirmou que a espiritualidade e a convicção religiosa mantida por cientistas deveriam ser assuntos mais bem explorados em universidades de renome.

Outro programa de Berkeley em parceria com a prestigiada fundação John Templeton foi o “Science and the Spiritual Quest II” (SSQII), realizado em 2003. E antes dele, em 1988, uma conferência realizada pelo departamento de Física da Universidade de Berkeley reuniu vários especialistas em cosmologia para que eles apresentassem as implicações da espiritualidade em seus trabalhos acadêmicos e a riqueza de se fazer ciência sem deixar de ser religioso. Muitos compareceram como palestrantes, incluindo Allan Sandage, religioso praticante e ganhador do prêmio Gruber de Astronomia.

Yale realizou entre 11 e 14 de maio de 2000 uma conferência intitulada “The God in Nature and Humanity: Connecting Science, Religion and the Natural World”["O Deus na Natureza e Humanidade: Ciência Conexão, Religião e o Mundo Natural"]. O objetivo segundo os coordenadores era encontrar links entre ciência, religião e natureza.

Em 14 e 15 de setembro de 2006, Yale realizou outra conferência envolvendo design inteligente, criacionismo e evolucionismo. O tema geral foi “The Religion and Science Debate: Why Does It Continue?”["A Religião e Ciência Debate: Por que continuar?"]. Outro congresso multidisciplinar realizado também em Yale, em 2000, diretamente ligado ao tema do design, foi o “Science and Evidence for Design in the Universe”. Alguns evolucionistas tentaram alegar que esse congresso não ocorreu sob os auspícios da universidade, mas apenas utilizou indevidamente seu nome. Isso não é verdade. Tanto que o próprio site da universidade fez a propaganda do evento (confira), e a Yale Law School Forum on Cultural and Academic Freedom era uma das coordenadoras.

Mas ainda que fosse como alguns dizem, torna-se curioso dizer que Yale nunca escreveu nenhum parecer oficial desmentindo ou processando os coordenadores pelo uso indevido de seu nome.

Ademais, vários outros congressos de diversos temas e áreas são realizados como esse: sediados por um braço da universidade e vinculados diretamente ao seu nome. Esse é um procedimento normal e quem trabalha em universidades públicas ou privadas sabe como funciona. Creio que esses exemplos são suficientes para mostrar que o dito no blog do professor Leandro simplesmente não procede. Curiosamente, nem Berkeley, Yale ou Harvard tiveram sua reputação manchada por sediar cursos, centros e conferências envolvendo Deus, religião e ciência. Por que a Unicamp ficaria?

O professor também dispara preconceitos contra os palestrantes convidados, ao afirmar: “Como mostrarei a seguir, nenhum dos palestrantes tem um perfil acadêmico compatível com essa universidade, exceto pelo professor Marcos Eberlin, do Instituto de Química da Unicamp, que participará da sessão de abertura.”

Minha resposta: são cinco os palestrantes convidados. Marcos Eberlin, que ele aceita como exceção, é professor da Unicamp e é um deles. Mas o professor Leandro não explica por que Eberlin (que tem o perfil acadêmico da instituição) estaria ali entre os palestrantes de um evento tão “anticientífico”. Outro detalhe: O que ele entende por “perfil acadêmico compatível com essa universidade”? Gostaria que esclarecesse melhor, pois o prof. Humphreys, como ele mesmo admite, tem doutorado em Física – área sobre a qual ele apresentaria sua palestra – e possui “patentes e publicações em periódicos de seletiva política editorial, especialmente na área de instrumentação”.

Leandro se limita a dizer que o professor Nahor é doutor em Geociências, mas não diz que foi pela USP e que ele foi professor na USP e na Unesp por 13 anos! Curioso, serve para a USP, mas não tem o perfil necessário para a Unicamp! Irônico!

Quanto a mim (Rodrigo Silva), ele apenas diz que sou doutor em Teologia e apresentador de programa de TV. Mas não afirma que tenho especialidade em arqueologia (tema de minha palestra), nem que estou vinculado ao MAE (Museu de Arqueologia e Etnologia) da USP, terminando um segundo doutorado em Arqueologia Clássica. Aliás, estou envolvido com professores da USP, Unesp e do Ipen, numa pesquisa de datação por luminescência (área de especialidade do dito professor), cujo artigo sobre um artefato “bíblico” foi aceito para apresentação num congresso internacional a ser realizado em Pernambuco, no fim deste ano.

Curioso que é só clicar no nome de cada autor que o currículo Lattes ou do CNPQ aparece. Mas ele usou as informações que lhe convinha. O Michelson (formado pela UFSC), de fato, é o único que não leciona, mas sua participação seria como jornalista e não como professor universitário. Seu tema também está correlacionado com o que ele trabalha.

Bem, se nenhum dos acadêmicos acima tem perfil para estar na Unicamp palestrando, quem teria? Ademais, ninguém estava se preparando para pregar um “sermão”. As apresentações eram de fundo exclusivamente acadêmico, como se pode ver pelos resumos.

Além disso, quando o professor questiona a “ausência” de artigos indexados defendendo o DI ou o criacionismo, ele parece ignorar o monopólio evolucionista de acadêmicos que, como ele, barram publicações que ofendem a boa reputação de Darwin. Mas isso não é argumento algum. Seria o mesmo de dizer que o protestantismo não possui teologia válida porque não encontramos em periódicos católicos artigos defendendo a doutrina de Lutero!

Veja que o próprio Francis Collins admitiu ter ficado por muitos anos calado em relação à sua fé em Deus, porque sabia que se divulgasse isso antes de terminar suas pesquisas ele seria, por preconceito, retirado do programa de mapeamento do Genoma Humano. Ou, pior ainda, nem teria entrado nele!

Contudo, há sim, exceções razoáveis ao generalizado preconceito, ou seja, artigos contrários ao evolucionismo publicados em revistas indexadas. Veja uma lista parcial deles em http://www.discovery.org/a/2640.

Continuando, o professor ainda destaca: “Debater com eles [os criacionistas e partidários do DI] é perda de tempo, pois não há evidência na Terra (ou no céu!) que os faça rever seu modelo e suas posições, como os cientistas costumam fazer.” Mas, depois, ele mesmo diz: “Infelizmente, o blog não é aberto para comentários, mas eu ia propor que fizéssemos um debate verdadeiro e mais equilibrado em algum templo (não numa univerisdade [sic]): 2 criacionistas e 2 cientistas abordariam evolução e as origens do universo, seguido de um debate.”

Mas é para debater ou não? Fiquei na dúvida do que o professor propõe. E por que na universidade não e na igreja sim? Qual a diferença? Seus alunos não iriam a uma igreja, seria isso? Seu interesse é ganhar adeptos? E mais: Que dicotomia mais preconceituosa é essa? “2 criacionistas e 2 cientistas”? Não seria mais correto – considerando nomes como o do professor e cientista Marcos Erbelin – dizer “2 cientistas criacionistas e 2 cientistas evolucionistas”? Caso contrário, professor Leandro, em que grupo eu deveria colocar o professor Marcos?

Outro detalhe: O que importa é o conteúdo ou o ambiente? Por que debater na igreja e não na universidade?

Concluindo... O professor Leandro escreve com uma arrogância tal que parece supor que ele (ou pelo menos os que concordam com ele) detém a chave do conhecimento acadêmico e o monopólio do saber universitário. Se for assim, gostaria de lembrar ao distinto professor que foi exatamente contra essa postura imperialista e autoritária que a universidade surgiu na Europa, reagindo contra o ditame das Universitas que eram pautadas pelo medievalismo monopolizador do programa Roma Locuta Finita Causa Est (Roma falou, está acabado!). Ou seja, somente o que a Igreja aceitava com válido podia ser ensinado e discutido nas classes, o resto era heresia.

Parece que estamos voltando aos tempos medievais em que antigos bispos, censores e até mesmo inquisidores da teologia são substituídos por neosacerdotes do ateísmo e do evolucionismo, como o professor Leandro. Ele é a voz da ciência; ganhou procuração para isso! Todas as conclusões devem concorrer para os ditames em que ele mesmo acredita. Quem discordar dele está fora do jogo. Como isso me lembra a máxima do passado “extra ecclesiam nulla salus” (fora da igreja não há salvação). E antes que me acusem de anacronismo, é bom argumentar logicamente por que seria um anacronismo e não apenas dizer que é!

Ademais, anoto o agravante de que a Unicamp é uma universidade pública e os recursos que a sustentam e que, inclusive, pagam o salário do professor de Física são justamente oriundos dos impostos de uma maioria teísta que ainda crê em coisas que ele considera banais. E nessa maioria não há apenas gente “leiga”. Há físicos, matemáticos, historiadores, filósofos, etc. que creem na criação ou no design. Se quiser, dou de memória uma lista enorme deles. Gente inclusive com mestrado e doutorado em reconhecidas universidades públicas.

Engraçado, pois já vi todo tipo de reivindicações de alunos em universidades públicas. Muitas legítimas, outras nem tanto. Mas nenhuma parece chocar tanto o professor e seus adeptos quanto o tema de Deus relacionado à ciência. Até a maconha está tendo seus adeptos e conseguindo seu espaço nas discussões da universidade pública, mas Deus ainda tem de ficar de fora.

Veja que contraste: entre 17 e 18 de maio de 2010, ocorreu na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) um simpósio internacional sobre a liberação do uso da Cannabis (nome científico da maconha). Bem, o simpósio tinha como título o uso “medicinal” regulamentado por uma agência brasileira que deveria ainda ser criada. Contudo, deixe-me tecer dois comentários sobre isso: primeiro, tenho certeza de que nem todos os especialistas concordariam com a proposta do evento ou com as conclusões técnicas que muitos participantes defendiam, mesmo assim, o evento foi realizado. Essa é a democracia do saber, pois, embora eu não diga com Nelson Rodrigues que toda a unanimidade é burra, posso, pelo menos, dizer que em muitos momentos a pluralidade de ideias (até mesmo divergentes) pode ser uma fonte de riqueza intelectual. Posições divergentes são sempre bem-vindas ao fórum acadêmico, principalmente se a instituição for pública, isto é, pertencente ao povo que paga seus impostos.

Segundo comentário: erra feio quem pensa que um simpósio como esse da Unifesp ficaria apenas no âmbito científico. A pauta de blogs semelhantes a esse do professor Leandro afirmava ser aquela uma iniciativa a favor dos movimentos antiproibicionistas que lutam pela legalização do consumo de drogas no Brasil. Aliás, como disse numa entrevista a neurocientista Cecília Hedin, que era na época diretora do Instituto de Ciências Biomédicas da URFJ: “É comum o cientista achar que não é seu papel participar desses debates, sem perceber que sua disciplina é, muitas vezes, utilizada para justificar políticas públicas. Muitos se julgam neutros, mas raramente um de nós de fato é.”

Veja, não estou emitindo juízo de valores sobre a questão da maconha, pois esse não é o assunto deste texto. Apenas faço essa comparação para mostrar a postura de contradição de professores intolerantes, como alguns da Unicamp. Maconha pode ser discutida, Deus não! Religião, como o professor Leandro defende, é coisa para ser confinada às igrejas, não à universidade. Ora, se fosse assim, Deus não deveria ser mencionado para nada! Silêncio total. Mas, contradizendo isso, o Criador é muito mencionado nas aulas de professores ateus. Ele é mencionado para ser desacreditado, desmentido, desautorizado. Duvido que o professor Leandro nunca tenha em sala de aula repelido com força o criacionismo diante de seus alunos ou desdenhado do relato do Gênesis. Mas, deixe-me ver se entendi: “Deus e o Universo” não constitui tema para um ambiente universitário. A menos que seja para construir toda uma tese provando para os alunos que tal coisa não existe.

Que estranho comportamento acadêmico. Só deixo que meus alunos tenham acesso ao que eu mesmo creio como sendo verdadeiro. O que os demais dizem eu me limito a invalidar sem provar porque é errado. Isso é retórica acadêmica e não método científico. É muito fácil falar mal dos “outros” sem deixar que eles mesmos apresentem suas razões. Se tudo o que meus alunos souberem dos “outros” se limitar ao que “eu digo dos outros” – e digo como bem entender –, posso levá-los a preconceitos e chauvinismos recheados de argumentação pseudocientífica.

Isso é o que alguns chamam de “advento do marxismo cultural” da ex-URSS, onde professores com cartilhas e dogmas supostamente “comprovados” se infiltram através de concursos em universidades públicas; afirmam que isso e isso é politicamente correto, que isso e isso é cientifico, e o resto é lixo! Então constroem a proposta do que consideram a sociedade perfeita, depois lavam o cérebro dos alunos com toda essa eloquência e, como resultado, criamos uma sociedade desajustada. Perfeitos ignorantes com diploma nas mãos; alunos não reflexivos que se limitam a repetir o que o professor diz, pensando não por si mesmos, mas tornando-se refletores do pensamento alheio.

Como os valores espirituais são coisa que pertence às igrejas, o ensino da ética também fica bastante limitado e o resultado não é nada animador. Um exemplo disso é que, no passado, quebra-quebra como o que vimos nas manifestações recentes seria reputado como “falta de cultura” e “falta de educação”. Agora nos surpreende o elevado número de universitários entre os arruaceiros. Educação é tudo? Estamos cumprindo mesmo nosso papel?

Ora, professor Leandro, ninguém pode rejeitar conscientemente o que não conhece. Se você quiser mesmo que seus alunos rejeitem as propostas não darwinistas da origem do Universo, deveria deixar que eles ouvissem os argumentos e decidissem por si mesmos, e não que repetissem como gravadores as coisas que o senhor mesmo diz em sala de aula – certamente repetindo sem questionar a mesma cartilha que um dia escutou.

Será que seus alunos saberiam dar um exemplo concreto, observável e científico de macroevolução darwinista? Veja, eu disse macroevolução! Por favor, não fique girando em torno de bactérias e amebas que se modificaram com o passar dos anos! Isso eu também aceito, mas não é bem o que o evolucionismo clássico diz, pois a bactéria, ainda que mudada, continua bactéria; a ameba modificada continua ameba. Refiro-me a mudanças de espécie em que o réptil realmente virou pássaro; e um anfíbio virou mamífero terrestre.

Uma parábola para terminar. Imagine que ETs chegassem à Terra daqui a dois mil anos e não encontrassem mais seres vivos no planeta. Eles viriam o avião e analisariam tudo o que ele contém: asas, motor, rádio, trem de pouco, etc. É uma máquina perfeita. Como foi feito? Como surgiu? Ninguém tem uma resposta definitiva, pois não estavam aqui em nosso tempo nem visitaram a fábrica da Embraer ainda em funcionamento.

Então, um grupo, partindo da lógica, deduz que alguém – provavelmente um ser humano inteligente – fez o avião. Mas outro grupo, mais politicamente engajado, prefere negar a existência de “inventores ou fabricantes do avião”, afirmando que ele é fruto do acaso e que não precisamos de fabricantes para justificar sua existência.

“Mas a lógica de sua engenharia supõe um engenheiro”, diz o primeiro grupo. “Ora, isso é pseudociência”, diz o segundo. “Já provamos que o avião é fruto de uma série de mudanças acidentais que geraram essas máquinas que hoje conhecemos.” Prova por prova, nenhum dos grupos têm. Mas creio que a lógica faz supor a primeira opção. Afinal de contas, creio que nem mesmo o professor Leandro aceitaria dizer que a existência do avião dispensa a existência de um fabricante. Ele é muito complexo para ser fruto do acaso!

Mostre-me “cientificamente” – não filosoficamente – a possibilidade de um avião alguma vez ser fruto do acaso cego e eu passarei seriamente a acreditar que o pássaro também pode ser. Até lá! Não chame de científico o que não foi cientificamente provado, nem árvore para si a monopolização do saber. A Idade Média, companheiro, já ficou para trás.

(Rodrigo Silva possui graduação em Teologia pelo Instituto Adventista de Ensino do Nordeste [1992], graduação em Filosofia pelo Centro Universitário Assunção [1999], mestrado em Teologia Histórica pelo Centro de Estudos Superiores da Companhia de Jesus [1996], doutorado em Teologia Bíblica [2001], estudos pós-doutorais com concentração em arqueologia bíblica pela Andrews University, EUA [2008], e atualmente está cursando doutorado em arqueologia clássica pela Universidade de São Paulo. É professor do Centro Universitário Adventista de São Paulo – Campus Engenheiro Coelho, SP [Unasp], curador do Museu Paulo Bork de Arqueologia do Oriente Médio e apresentador do documentário semanal Evidências, pela TV Novo Tempo)

Fonte: criacionismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails