sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Fóssil australiano contradiz linha temporal evolutiva

Um conjunto especial de fósseis de peixes australianos descarrilou a preciosa história evolucionista em torno da origem dos peixes. Os espantosos fósseis preservaram de modo detalhado as características corporais dos tecidos moles, incluindo os locais exactos onde os músculos se anexavam aos ancestrais ossos do peixe. Estas pistas permitiram que os paleontólogos reconstruíssem a anatomia do agora-extinto peixe.

Para sua grande surpresa (uma vez que contavam encontrar características muito mais “primitivas”) os cientistas descobriram um peixe blindado, totalmente musculado e perfeitamente construído. Devido a mais um dado que não se ajusta às suas expectativas, os evolucionistas vêem-se agora na obrigação de reescrever (outra vez) a história evolutiva em torno da evolução das mandíbulas. (1)

O peixe extinto tem o nome de “placodermo” e os cientistas Australianos descreveram a forma como, durante décadas, a teoria da evolução propôs o “modelo do tubarão” como explicação para a origem das mandíbulas  (modelo esse que assumia que a estrutura dos músculos dos placodermos era semelhante à dos tubarões modernos). O seu artigo foi publicado na Science (2).

Os crânios de tubarão estão construídos de lado-para-o-lado, e eles usam músculos orientados para os lados. Mas os crânios dos placodermos estão formados de cima-para-baixo e, naturalmente, os músculos estão construídos de uma forma que os permite fazer um controle adequado. A história mitológica evolutiva explica que o primeiro peixe a evoluir as mandíbulas (…) não tinha evoluído ainda a musculatura completa necessária para mover a cabeça e as mandíbulas duma forma poderosa e com coordenação eficiente. Estas novas descobertas demonstram que os placodermos tinham tudo o que era necessário para um funcionamento adequado e completo das mandíbulas.

Estes peixes cascudos “apresentam uma anatomia que difere de uma forma radical do modelo do tubarão,” afirmaram os editores do estudo (2).

Colocar em causa o modelo do tubarão é algo de muito importante, uma vez que os placodermos supostamente representam a primeira e “a mais primitiva versão da anatomia dum vertebrado com maxilas.“(2) Que evolucionista não estaria interessado em descobrir mais sobre a suposta “transição de uma forma sem maxilas para um vertebrado com maxilas?” O que se observa é que os placodermos possuíam um pescoço bem desenvolvido e uma musculatura do tronco que operara as suas mandíbulas da mesma forma que qualquer outro animal ainda vivo opera – exceptuando os tubarões.

Os músculos do peixe encontravam-se, a dada altura, mineralizados, preservando as suas formas. Os músculos destes peixes cascudos antigos possuíam a postura antagónica necessária para elevar as suas cabeças, abrir a sua maxila inferior, e juntar a inferior com a superior (fechar a boca) quando era necessário alimentar-se.

O ponto a reter é que estes supostos “peixes primitivos” – que alegadamente representam o advento da evolução da mandíbula – aparecem no registo fóssil sem qualquer evidência de fazerem parte de alguma sequência de animais pertencentes a uma imaginária linha evolutiva progressiva.

Esta descoberta forçou os autores do estudo a inventar uma nova explicação para o facto das expectativas evolutivas terem sido refutadas com as observações. Em vez dos músculos do tronco ou do estômago evoluírem muitos milhões de anos depois da primeira mandíbula, os mesmos alegadamente evoluiriam nestes peixes-com-mandíbulas “primitivos”. Mais tarde, segundo a teoria da evolução, os músculos desapareceram nos descendentes que se seguiram. só para re-evoluíram mais tarde.

Ao contrário das contorções e das constantes revisões que os evolucionistas se vêem forçados a fazer na teoria da evolução como forma de acomodar a ciência com a sua fé, o modelo Bíblico não tem a necessidade reescrever a história ou colocar de lado alguns factos. A Bíblia Sagrada é absolutamente clara que o Senhor – e não a natureza – criou o peixe.

PlacodermosPara além disso, ficamos a saber mediante a Palavra de Deus que o mundo sofreu um Dilúvio global que, inquestionavelmente, também terminou com a vida de algumas criaturas oceânicas, para além dos animais que respiravam pelas narinas que não se encontravam na Arca. Portanto, o Dilúvio é muito provavelmente responsável pela mineralização espantosa e pelo enterro rápido destes placodermos Australianos.

Outro corolário em favor do modelo Bíblico pode explicar o porquê deste peixe particular se encontrar nas camadas sedimentares mais baixas. Isto acontece não porque eles evoluíram primeiro, mas sim porque a sua armadura óssea pesada os atrasou no momento em que eles tentavam escapar das águas rápidas do Dilúvio (3).

De qualquer das formas, este achado claramente mostra que os placodermos, o alegado ancestral mais antigo dos peixes com mandíbulas, tinha tudo o que era necessário desde o princípio – coisa que parece sugerir que foram criados.

Referências:
1. This episode of evolutionary history already drags baggage, as fossils have so far failed to confirm either of two main competing theories of jaw evolution—the “serial theory” and a more convoluted “composite theory.”

2. Trinajstic, K. et al. Fossil Musculature of the Most Primitive Jawed Vertebrates. Science. 341 (6142): 160-164.

3. For example, world renowned vertebrate fossil authority Clack noted that an Australian fossil cache contained “…a spectacular number of fossil fishes in extensive bedding planes that probably represent mass mortality events. Most of the fishes are placoderms.” Clack, J. A. 2012. Gaining Ground, Second Edition: The Origin and Evolution of Tetrapods (Life of the Past). Bloomington, IN: Indiana University Press, 78.


Fonte: Institute Creation Research

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails