quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Ateus enfurecidos após IRS lhes conceder isenção fiscal como grupo religioso

A líder de um grupo ateu alegadamente encontra-se indignada com o fato do governo dos EUA lhes ter conferido estatuto de religião como forma de  obterem isenção de impostos. Pior ainda, ela está ainda mais furiosa com o fato ter ficado a saber que ela é considerada uma guia espiritual  (“pastora”) segundo a o código da “Internal Revenue Service”.

Nós não somos pastores,” afirmou Annie Laurie Gaylor, que lidera da “Freedom from Religion Foundation” ao The Blaze. Ela acrescentou ainda:

A organização não quer isenção de impostos se a mesma baseia-se em códigos legais que controlam os grupos religiosos. Nós teremos que dizer o óbvio ao governo: nós não somos uma igreja.

A maior parte das pessoas aceitaria de bom grado o fato de pagarem menos impostos ao governo. O Departamento de Justiça deu entrada a um resumo no tribunal alegando que a senhora Gaylor é elegível para a isenção, que lhe dá uma casa livre de impostos uma vez que ela lidera o grupo e  organizações ateístas podem receber alguns dos benefícios conferidos às igrejas.

Mas o grupo da senhora Gaylor deu entrada a um processo legal, alegando que a isenção de impostos do governo federal feita a grupos religiosos não se aplica a grupos ateus, e que a insistência do governo em fornecer esse benefício é análogo a uma casa premiada livre de impostos.

Em 2009, a senhora Gaylor e o marido, Dan Barker, foram inicialmente premiados com um subsídio de habitação do governo no valor de $15,000 por ano. Eles têm vindo a alegar que eles não merecem esse benefício uma vez que são ateus e orgulhosos por alegar não terem qualquer tipo de afiliação religiosa.

Segundo o Departamento da Justiça, o Budismo e o Taoísmo são afiliações que não acreditam em Deus mas são, mesmo assim, qualificadas como religiões e ilegíveis para recolher o benefício.

Fonte: Darwinismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails