terça-feira, 21 de maio de 2013

Seleção natural está tornando mulheres mais altas?

Em muitos lugares ao redor do mundo, casais estão vivendo mais e tendo menos filhos. A mudança na reprodução e longevidade humana pode estar afetando o modo como a seleção natural age sobre o tamanho do corpo feminino. Uma nova pesquisa mostra que, graças a esse novo estilo de vida das pessoas, as mulheres tendem a ser mais altas e magras. Isso porque mulheres com esse biotipo tendem a ter mais filhos. O fenômeno foi observado em comunidades rurais na Gâmbia, mas estudiosos acreditam que pode ser observado no resto do mundo. Pesquisadores da Universidade de Durhan (Inglaterra) analisaram dados de duas comunidades femininas na Gâmbia, coletados pelo Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido entre 1956 e 2010. Essas informações forneceram o peso, altura e índice de massa corporal (IMC) das habitantes das aldeias durante quatro gerações.

Durante esse período, a vida das mulheres mudou consideravelmente, com o declínio acentuado de taxas de mortalidade e natalidade. Pesquisadores acreditam que isso está relacionado com a melhoria da nutrição e cuidados médicos nas comunidades, que receberam uma nova clínica de saúde em 1974.

O peso e a altura das mulheres também mudou ao longo dos anos. A análise feita no estudo mostrou que a seleção natural para a reprodução inicialmente favorecia as mulheres baixas e mais gordas, mas com o tempo passou a beneficiar as mulheres mais altas e magras, que passaram a ter mais filhos que a média.

Os pesquisadores afirmam que não é totalmente claro por que a seleção natural mudou a média do tamanho do corpo das mulheres ao longo dos anos. Em parte, isso pode ter acontecido porque a seleção começou a atuar menos na mortalidade – anteriormente elevada na região – e mais na fertilidade ao longo do tempo. Mas outras mudanças ambientais podem ter desempenhado um papel importante também.

Como as taxas de mortalidade e natalidade estão se alterando por todo o planeta, a seleção pode ser observada em ação por outras regiões do mundo, de acordo com pesquisadores.

Fonte: Hypescience

Nota do blog criacionismo: Esse é um bom exemplo de “microevolução” (ou diversificação de baixo nível) em ação. Quando certa característica já presente na espécie se torna vantajosa, acaba predominando, sendo selecionada. Mas note que não há qualquer tipo de adição de informação genética aqui (o que ocorre, muitas vezes, é a perda de informação). Há apenas a seleção de uma informação já presente no patrimônio genético. A configuração do corpo feminino pode mudar ao longo do tempo, mas, por causa disso, as mulheres nunca deixarão de ser o que são para se tornar, digamos, girafas.[Michelson Borges]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails