quarta-feira, 13 de março de 2013

Os papas e a evolução

Como estamos em temporada papal, achei que seria uma boa ideia fazer um resuminho básico da relação entre a Santa Sé e a teoria da evolução – de jeito nenhum exaustivo, mas que pelo menos dá uma ideia geral das tendências históricas até aqui. E, conversa vai, conversa vem, relativamente pouca gente conhece esses fatos. Dá pra encontrar um bom relato sobre o tema no livro Pilares do Tempo (editora Rocco), do saudoso paleontólogo Stephen Jay Gould (1941-2002). Dividindo as coisas por século:

Século 19 – Não houve nenhum pronunciamento oficial da alta hierarquia católica quando Darwin inaugurou a biologia evolutiva moderna ao publicar A Origem das Espécies em 1859. O livro, é bom lembrar, nunca foi parar no famigerado “Index Librorum Prohibitorum”, o catálogo de livros vetados ao bom católico (hoje não mais existente).

Nenhum papa menciona diretamente o darwinismo ou a teoria evolutiva em suas encíclicas, as grandes cartas pastorais que são, na era moderna, o principal veículo do magistério (ensinamento) papal. Alguns teólogos mais inovadores que ensaiam como conciliar o pensamento cristão tradicional com as descobertas de Darwin e sucessores chegam a ser repreendidos pontualmente pela Igreja.

Século 20 – Os papas só se põem a mexer realmente no vespeiro a partir de Pio 12 (1876-1958; pontífice
Pio 12: Simplesmente um luxo
de 1939 até sua morte). Na encíclica “Humani Generis”, de 1950, vejamos o que Pio 12 diz: “A Igreja não proíbe que... pesquisas e discussões, por parte de pessoas com experiência em ambos os campos [ciência e teologia], aconteçam com relação à doutrina da evolução, enquanto ela inquira a respeito da origem do corpo humano a partir de matéria viva pré-existente.”

De temperamento conservador, o papa considera, portanto, a questão em aberto e alvo de discussão legítima, não sem uma pontinha de ceticismo. Na mesma encíclica, deixa claro o que, pra ele, é inegociável: a ideia de que, hominídeos à parte, a alma humana (em contraposição ao corpo) é criada diretamente por Deus; e a doutrina do pecado original: a situação “caída” do homem – o fato de estarmos afastados da graça de Deus desde o nascimento – só poderia ser explicada pela culpa original de Adão e Eva. É preciso, portanto, crer que descendemos do único casal original, e não de vários casais criados independentemente por Deus, doutrina apelidada de “poligenismo” e considerada herética.

O grande “salto para a frente” nas relações diplomáticas entre catolicismo e darwinismo, porém, foi mesmo o dado por João Paulo 2 (apesar do lado conservador do véio, é inegável sua abertura para dialogar com tradições externas à Igreja). O marco é um discurso do papa à Pontifícia Academia de Ciências, datado de 22 de outubro de 1996: “Em sua encíclica ‘Humani Generis’, meu predecessor Pio 12 já afirmava que não há conflito entre a evolução e a doutrina da fé a respeito do homem e de sua vocação, desde que não percamos de vista alguns pontos fixos [...] Hoje, meio século depois do aparecimento daquela encíclica, algumas novas descobertas nos levam a reconhecer que a evolução é mais do que uma hipótese. De fato, é notável que essa teoria tenha tido uma influência cada vez maior sobre o espírito dos pesquisadores, seguindo uma série de descobertas em diferentes disciplinas acadêmicas. A convergência dos resultados desses estudos independentes – que não foi nem planejada nem ativamente procurada – constitui, em si mesma, um argumento significativo em favor da teoria.”

Incidentalmente, vocês viram que o papa polonês distingue direitinho “hipótese” de “teoria”, certo? (Nada surpreendente para um sujeito com o treinamento filosófico dele, mas sempre é bom colocar os pingos nos is.) A ressalva, de novo, é a questão da alma – o único elemento de “criacionismo”, digamos, no pensamento dos papas. [E, infelizmente, um elemento pagão, não bíblico. Confira.]

Século 21 – Houve quem interpretasse algumas falas do então cardeal Joseph Ratzinger como uma possibilidade de aproximação entre a Igreja e o criacionismo, em especial em sua vertente disfarçada de “design inteligente” [sic]. Bento 16, porém, demonstra ter uma posição basicamente igual ao de seu predecessor (e, ao menos na linguagem que utiliza, parece até conhecer melhor as hipóteses sobre evolução humana, por exemplo). Por exemplo, veja: “O barro se tornou homem no momento em que um ser, pela primeira vez, tornou-se capaz de formar, ainda que de forma difusa, a ideia de ‘Deus’. O primeiro Tu, ainda que gaguejante, dito por lábios humanos a Deus marca o momento no qual o espírito surgiu no mundo. Aqui, o Rubicão da antropogênese [origem humana] foi cruzado. Pois não é o uso de armas ou o do fogo, nem novos métodos de crueldade ou atividade útil, que constituem o homem, mas sua capacidade de estar em relação imediata com Deus. Isso tem relação direta com a doutrina da criação especial do homem [...] e aí [...] está a razão pela qual o momento da antropogênese é impossível de ser determinado pela paleontologia: a antropogênese é o surgimento do espírito, que não pode ser escavado com uma pá. A teoria da evolução não invalida a fé, nem a corrobora. Mas, de fato, desafia a fé a se entender de forma mais profunda e, assim, a ajudar o homem a compreender a si mesmo e a se tornar cada vez mais o que ele é: o ser que deve dizer Tu a Deus pela eternidade.”

Fonte: Darwin e Deus via criacionismo

Nota do blog criacionismo: É interessante notar o distanciamento cada vez maior do catolicismo em relação ao criacionismo bíblico, visão defendida pelos próprios pais da ciência, como Galileu e Newton, por exemplo. Primeiramente, é bom lembrar que a teologia liberal católica favorece a ideia de que o relato da criação em Gênesis não passaria de lenda ou mito, contradizendo abertamente Jesus, Paulo e os demais autores bíblicos para os quais Adão e Eva eram personagens reais e eram factuais o relato da criação em seis dias e mesmo a história do dilúvio. Também não deve surpreender a defesa católica do evolucionismo teísta, uma vez que o criacionismo bíblico defende a observância do sábado do sétimo dia como memorial da criação histórica. Para sustentar a pretensa santidade do domingo (dia utilizado pelos antigos pagãos para adorar o deus Sol e introduzido na cristandade pelo imperador Constantino), o papado não poderia mesmo abraçar ou defender a visão criacionista das origens. (Os evangélicos que pregam o criacionismo, mas guardam o domingo, estão numa espécie de “vácuo” filosófico-teológico.) Com a eleição do novo papa, não devemos esperar grandes mudanças na concepção católica de evolução humana. Podemos, sim, assistir a uma maior polarização entre a defesa do sábado (selo de autoridade do Criador) e a pregação do domingo como dia sagrado (sinal da pretensa autoridade humana).[Michelson Borges]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails