terça-feira, 30 de outubro de 2012

Mero acaso, fortuita necessidade ou 100% Design Inteligente? III



Nota: Como evoluiu ou surgiu este sistema imunológico? Foi por processos graduais? Acho que os meninos e meninas de Darwin não sabem responder... [FN]

Veja mais vídeo que se relaciona a complexos irredutíveis aqui.

sábado, 27 de outubro de 2012

O silêncio da Grande Mídia sobre Michael Behe no Brasil

Nos dias 22-24 de outubro de 2012 foi realizado na Universidade Presbiteriana Mackenzie, o IV Simpósio Internacional Darwinismo Hoje que teve como palestrante principal o Dr. Michael Behe, professor de Bioquímica da Universidade Lehigh, Bethlehem, PA, Estados Unidos, um dos principais teóricos e exponentes da teoria da teoria do Design Inteligente.
Foto tirada no Auditório Ruy Barbosa, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, em 22/10/2012, com o Dr. Michael Behe no final de sua palestra.
O Dr. Behe é autor do livro A caixa preta de Darwin: o desafio da bioquímica à teoria da evolução (Rio de Janeiro, Zahar Editor, 1997), um livro que causou furor na Nomenklatura científica por demonstrar bioquimicamente a falência epistêmica da teoria da evolução preconizada por Darwin, e isso no contexto de justificação teórica. Mais de 300 mil exemplares vendidos só nos Estados Unidos. Aqui no Brasil também teve boas vendas.

A presença de um crítico e oponente de Darwin do nível de Behe no Brasil mereceria ser divulgado. Foi o que fez a Universidade Presbiteriana Mackenzie através de sua secretaria de Comunicação Pública que publicou/enviou comunicado à imprensa sobre o ilustre palestrante. Não vi nenhum jornalista da Grande Mídia, de jornais como a Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e nem das grandes revistas como a VEJA e ÉPOCA, neste evento.

Bem, se esses meios de informação não puderam deslocar seus grandes jornalistas para cobrir um evento desses com a presença de um polêmico e controverso autor como Michael Behe, você esperaria, pelo menos para responder ao comunicado feito à imprensa, que uma pequena nota desse destaque à presença desse palestrante crítico de Darwin. 
Uma busca no Google sobre Michael Behe no Brasil, deu as seguintes respostas:

Folha de São Paulo

O Estadão de São Paulo
 Nihil, Nada de nota! Quando a questão é Darwin, a Grande Mídia silencia os críticos e oponentes, assim como a Nomenklatura científica persegue e destrói carreiras acadêmicas ou até a graduação de alunos anti-evolucionistas.

Fonte: Desafiando a Nomenkatura Cientifica 


Veja a baixo as duas palestras ministradas por Dr. Michael Behe, no IV Simpósio Internacional Darwinismo Hoje na Mackenzie em SP.
 
 A caixa preta de Darwin, Design Inteligente na base da vida - Dr. Michael Behe


O limite da evolução - Michael Behe



Veja agora quem foram outros principais palestrantes deste evento:

O Prof. Ms. Eduardo Rodrigues da Cruz (PUC-SP) é professor da PUC/SP desde 1979 junto ao Depto. de teologia e Ciências da religião. Com vários livros, capítulos de livros e artigos em periódicos publicados tem também recebido vários auxílios da Fundação John Templeton. É diretor do Centro cardeal Armsde estudos Interdisciplinares (CECREI) da PUC/SP. 

Já o Prof. Dr. Aldo Mellender de Araújo (UFRGS), é professor titular do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul,atuando na área de história e epistemologia das idéias sobre evolução biológica. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Ecológica, atuando principalmente nos seguintes temas: seleção sexual, seleção de parentesco, evolução biológica. Possui vários artigos e capítulos de livros publicados. Ambos cientistas são defensores do evolucionismo darwnista.
Na esquerda da foto: Prof. Ms. Eduardo Rodrigues da Cruz (PUC-SP) e na direita da foto: Prof. Dr. Aldo Mellender de Araújo (UFRGS)

O Dr. Marcos Eberlin é professor titular da Universidade Estadual de Campinas, é membro da Acadêmia Brasileira de Ciências (2002) e comentador da Ordem Nacional do Mérito Científico (2005). É membro da Academia Brasileira de Ciências (2002). É presidente (2009) da Sociedade Internacional de espectrometria de Massas (IMSF) e vice-presidente da Sociedade Brasileira (BrMASS). Já publicou cerca de 500 artigos científicos (2012) com mais 6500 citações em áreas diversas da química e Bioquímica, e Ciências dos Alimentos, farmacêutica e dos Materiais.
Ao lado do químico Dr. Marcos Eberlin

O doutorando Enézio E. de Almeida filho, mestre em História da Ciência (PUC/SP) e coordenador do Núcleo Brasileiro de Desing Inteliegente (NBDI), sem deixar de mencionar que é autor do famoso Blog Desafiando a Nomenklatura Científica (http://pos-darwinista.blogspot.com.br/).
Ao lado de Enézio E. Almeida Filho

O Dr. Adauto J. B. Lourenço, B. Sc., MSc., é formado em Física pela Bob Jones University, USA. Mestrado em Física Nuclear pela Clemson University, USA. Pesquisador responsável em Sistemas de Imagem de Estruturas Atômicas (Oak Ridge National Laboratory), é membro da American Physics Society, EUA e pesquisador em Trocas de Energia em Nível Atômico (Max Planck Institut für Stromunsgsforchung, Alemanha)
Ao lado do físico, Dr. Adauto Loureço, autor do livro: Como Tudo Começou.


Nota deste blog: Deixo aqui registrado os meus agradecimentos ao amigo, Clério Moura (Secretário do NUBEPO - Núcleo Baiano de Estudo e Pesquisa das Origens), pela agradável companhia nesta viagem à São Paulo. Ele teve um papel importante nas negociações e escolha de cientistas para compor o quadro de palestrantes no I Simpósio Baiano sobre as Origens que a NUBEPO realizará na cidade de Vitória da Conquista-BA nos dias 15 e 16 de novembro de 2013. Nos próximos dias estaremos postando aqui mais informações sobre este evento. Aguardem!
Firmo Neto e Clério Moura - parte da diretoria da NUBEPO (Núcleo Baiano de Estudo e Pesquisa das Origens) no auditório Ruy Barbosa, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Estamos presente neste evento

Nota: Tudo pronto e organizado para embarcarmos nessa viagem! Nesta Sexta-Feira (19/10) parte do NUBEPO (Núcleo Baiano de Estudo e Pesquisa das origens) e o blog Ciência e Fé estará na capital paulista com o objetivo de assistir, estudar e pesquisar mais sobre um dos maiores questionamentos da humanidade: De onde viemos? Evoluímos? Ou Fomos Planejados?

Este é um dos maiores eventos na área do Criacionismo, Desing Inteligente e Evolucionismo já promovido por uma instituição de ensino no Brasil, onde apresentará vários conferencistas de renome mundial.

Entre eles, o maior expoente mundial do Design Inteligente, Dr. Michael Behe, bioquímico norte-americano, que estará falando sobre o DI e seus argumentos científicos. Palestra histórica e imperdível. As teorias de Behe está contra-revolucionando o mundo!

Veja quem são os outros palestrantes deste simpósio aqui.

Portanto, para quem não puder ir, estaremos fazendo uma cobertura completa deste simpósio e consequentemente, publicando em nosso blog Ciência e Fé. Aguardem e orem também por este simpósio! [FN]

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Até os cientistas se vêem 'forçados' a ver propósito na natureza...

Profissionais cientistas físicos Mostra Tendências teleológico: Finalidade raciocínio baseado em padrão Cognitiva.

Explicações teleológicas responsáveis por objetos e eventos por referência a uma conseqüência funcional ou finalidade. Embora sejam populares na religião, eles são impopulares na ciência: cientistas físicos em particular explicitamente rejeitá-los, ao explicar fenômenos naturais.

No entanto, pesquisas anteriores fornece razões para suspeitar que este formulário explicativo pode representar uma preferência padrão explicativo. Como um teste forte desta hipótese, exploramos se os cientistas físicos endossar explicações teleológicas de fenômenos naturais, quando seus recursos de processamento de informação são limitadas.

No Estudo 1, os cientistas físicos a partir de topo do ranking de universidades americanas julgado explicações como verdadeira ou falsa, ou em velocidade ou sem restrição de tempo. Como alunos de graduação e pareados por idade participantes da comunidade, os cientistas demonstraram maior aceitação da injustificadas explicações teleológicas sob apesar de manter a velocidade alta precisão em itens de controle. Aval dos cientistas geral de explicação teleológica imprecisas foi menor do que os grupos de comparação, no entanto.

 No Estudo 2, exploramos mais este e descobriu que as tendências teleológicas de cientistas profissionais não diferem dos estudiosos de humanidades. Assim, embora a educação estendida parece produzir uma redução global imprecisa teleológica explicação especialização, como um cientista não pode, por si só, adicionalmente melhorar cientificamente imprecisos propósito baseados em teorias sobre o mundo natural.

Uma religião consistente padrão viés cognitivo em direção explicação teleológica tenazmente persiste e pode ter consequências sutil, mas profunda para o progresso científico. (Banco de dados PsycINFO Record (c) 2012 APA, todos os direitos reservados).

Por Kelemen, Deborah; Rottman, Josué; Seston, Rebecca
(Journal of Experimental Psychology: General, 15 de outubro de 2012, sem paginação especificado.)

Fonte: Desafiando a Nomenklatura Científica

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Curiosidade:Escola novaiorquina formou oito ganhadores do Nobel de ciência

Robert Lefkowitz
 Com suas portas verdes e corredores marrons, a Bronx High School of Science se parece com muitas outras escolas de Nova York. Mas as aparências enganam.

Essa escola secundária é uma verdadeira fábrica de ganhadores do prêmio Nobel de ciência. Nenhuma outra escola nos Estados Unidos - e provavelmente em todo o mundo - conseguiu feito igual.

Desde 1972, oito alunos da instituição receberam um Nobel de física ou química. Na entrada principal, perto de uma vitrine onde estão expostos os troféus, há um pôster com fotografias dos vencedores. A única ainda faltando é a do último ganhador, Robert F. Lefkowitz, que acaba de ser agraciado com um Nobel de química.

Lefkowitz foi aluno da escola na década de 1950. [continue lendo aqui]

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

A maior de todas as profissões e sua atual realidade


REALIDADE EM FOCO
Clique na imagem para ampliá-la!


 Nota: Mas é por estes e outros motivos que parabenizamos a todos os educadores deste país pelo seu dia! [FN]

Criacionismo e Evolucionismo (Dr.Marcos Eberlin)

 
Nota: Dr. Marcos Eberlin é um dos maiores cientista e químico na atualidade no país. Conheça-o mais aqui.

domingo, 14 de outubro de 2012

Estudo revela mecanismo necessário para manter ereção

Um estudo desenvolvido na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, desvendou os processos químicos que levam o homem a manter uma ereção – até agora, só eram conhecidos os fatores que faziam com que o pênis ficasse ereto, mas não os necessários para mantê-lo dessa forma. Para os autores da pesquisa, publicada nesta semana no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), a descoberta abre portas para novas terapias capazes de ajudar pacientes que sofrem de disfunção erétil.

De acordo com os pesquisadores, a liberação de óxido nítrico, um neurotransmissor produzido no tecido nervoso, provoca a ereção, pois relaxa os músculos, permitindo que o sangue chegue ao pênis. “No entanto, sabíamos que esse era apenas um estímulo inicial. Por isso, queríamos descobrir o que permite que a ereção se mantenha”, afirma o coordenador do estudo, Arthur Burnett.

Ao estudarem camundongos, Burnett e sua equipe descobriram que o sistema nervoso, depois de liberar com estímulos físicos e do cérebro ondas de óxido nítrico, produz uma cascata de substâncias químicas que são geradas com a ereção, fazendo com que a liberação do neurotransmissor continue por mais tempo, dentro de um modelo cíclico.

Embora o estudo tenha sido feito com animais, Burnett afirma que a biologia básica da ereção é a mesma entre roedores e seres humanos. “Agora, vinte anos depois de descobrirmos a importância do óxido nítrico na ereção, sabemos que esse neurotransmissor inicia um sistema cíclico, que continua a produzir ondas do neurotransmissor”, diz o pesquisador. “Foi uma viagem de vinte anos para completar a nossa compreensão desse processo. Agora, pode ser possível desenvolver terapias para melhorar ou facilitar o processo”, diz Solomon Snyder, que participou da pesquisa.

Fonte: Veja

Nota do blog criacionismo: Já é difícil explicar naturalisticamente a origem do sexo, a perfeita interação óvulo-espermatozoide, o processo de gestação e outros milagres de complexidade relacionados com a sexualidade e a reprodução, agora essa nova pesquisa adiciona “pitadas” de design inteligente ao assunto (aliás, quanto mais se estuda a vida, mais se percebe que a ideia do acaso cego é absurda). Vamos à pergunta de sempre: O que “surgiu” primeiro, o pênis ou o neurotransmissor que causa a ereção? Para que serviria tanto um quanto o outro, antes que todo o sistema estivesse pronto, interconectado e funcional? E mais: para que serviria esse neurotransmissor (e o pênis), se o indivíduo fosse incapaz de manter a ereção graças à tal “cascata de substâncias químicas”? Note que a ereção e a manutenção dela não dependem de apenas uma substância química. A verdade é que cada célula, cada tecido, cada órgão e cada sistema dos seres vivos revelam as digitais, a assinatura de Quem os criou. Só não vê quem decidiu tapar os olhos.[Michelson Borges]

sábado, 13 de outubro de 2012

GRANDES NOMES CRISTÃOS XLI

Allan sandage (1926 -)
 Considerado como um dos precursores da astronomia moderna, descobridor dos quasares e ganhador do prêmio Crafoord, equivalente ao prêmio Nobel para a astronomia moderna.

"Acho muito improvável que essa ordem seja proveniente do caos. Deve haver algum princípio organizador. Para mim Deus é um mistério, mas é a explicação para o milagre da existência - por que existe alguma coisa em vez de nada." New York Times, 12 de mar. de 1991, p. B9.

Nota: Conheça mais outros Grandes Nomes Cristãos aqui! [FN]

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Cientistas encontram fóssil de aranha com presa

Cientistas da Universidade do Estado de Oregon, nos Estados Unidos, descobriram em Mianmar, no sul da Ásia, o primeiro fóssil de uma aranha atacando sua presa. Os animais foram conservados por 100 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista] em um pedaço de âmbar, que caiu de uma árvore no momento do ataque e acabou capturando os dois. A descoberta foi publicada nesta segunda-feira (8) no periódico Historical Biology. A jovem aranha pertencia à espécie Geratonephila burmanica, e a vítima era uma vespa Cascoscelio incassus. Ambas espécies já estão extintas hoje. Além dos dois animais, o pedaço de âmbar continha ainda o corpo de uma aranha do sexo masculino na mesma teia, o que representa um comportamento atípico no passado desses aracnídeos. Atualmente, a maioria das aranhas tem vidas solitárias e até canibais. [O fato de o corpo de o macho estar na mesma teia não significa que ele habitasse ali. Às vezes, a inventividade dos pesquisadores me surpreende.]

“A vespa macho de repente se viu presa em uma teia de aranha. Esse foi o pior pesadelo de sua vida, e nunca terminou. Ela estava prestes a ser atacada, quando a resina de árvore caiu e capturou os dois”, disse George Poinar, que participou da pesquisa.

Segundo os pesquisadores, as aranhas são invertebrados que vivem há cerca de 200 milhões de anos [idem]. A evidência fóssil mais antiga, porém, é de 130 milhões de anos. Um ataque real entre uma aranha e sua presa na teia nunca havia sido documentado. Segundo Poinar, essa espécie de vespa pertence a um grupo que é conhecido como parasita de ovos de insetos. Assim, segundo os cientistas, o ataque da aranha pode ser considerado vingança [mais criatividade].

Fonte: Época via criacionismo

Nota do blog criacionismo: Se a aranha existe há 200 milhões de anos, por que mudou tão pouco em 100 milhões de anos? Basta ver, pelo fóssil, que, a despeito de extinta, a aranha é praticamente idêntica a suas descendentes atuais. O mesmo vale para a vespa. Mais interessante ainda são os vários fósseis de animais sepultados por lama em plena atividade de dar à luz ou de engolir a presa, o que sugere sepultamento rápido em um evento catastrófico e hídrico.[MB]

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Não há evidência a favor da evolução a partir de células procarióticas para eucarióticas

Segundo o pesquisador, Alan Linton: “Através de 150 anos da ciência da bacteriologia, não há nenhuma evidência de que uma espécie de bactéria mudou em outra... Uma vez que não existe nenhuma evidência para as mudanças de espécies entre as formas mais simples de vida unicelular, não é surpreendente que não haja nenhuma evidência a favor da evolução a partir de células procarióticas [i.e., bacteriana] para células eucarióticas [i.e., planta e animal], sem falar em todo o vasto conjunto de organismos multicelulares mais superiores.”

― Alan H. Linton, professor emérito de Bacteriologia, Universidade de Bristol.
Fonte: Desafiando a Nomenklatura Científica

Nanotecnologia revoluciona a prevenção e o tratamento de doenças

A nanotecnologia utiliza estruturas microscópicas de última geração para retirar ou transportar no corpo substâncias específicas de prevenção ou combate à doenças. Entenda como funcionam estes agentes da ciência que estão revolucionando a medicina.


Veja também aqui um vídeo da Globo News sobre este curioso assunto.

Cientista que aceitou desafio de Darwin virá ao Brasil


 Michael J. Behe, Ph.D. Professor de Bioquímica Departamento de Ciências Biológicas Lehigh University
Com a tese da complexidade irredutível defendida em seu livro A Caixa Preta de Darwin: o desafio da bioquímica à teoria da evolução, Behe aceitou o desafio de Darwin:

 “Se pudesse ser demonstrada a existência de qualquer órgão complexo que não poderia ter sido formado por numerosas, sucessivas e ligeiras modificações, minha teoria desmoronaria por completo.”[1] 

Behe define assim seu conceito de complexidade irredutível: 

“Com irredutivelmente complexo quero dizer um sistema único composto de várias partes compatíveis, que interagem entre si e que contribuem para sua função básica, caso em que a remoção de uma das partes faria com que o sistema deixasse de funcionar de forma eficiente. Um sistema irredutivelmente complexo não pode ser produzido diretamente [...] mediante modificações leves, sucessivas de um sistema precursor de um sistema irredutivelmente complexo ao qual falte uma parte é, por definição, não funcional. Um sistema biológico irredutivelmente complexo, se por acaso existir tal coisa, seria um fortíssimo desafio à evolução darwiniana.”[2]

Para Behe, a complexidade irredutível é um indicador seguro de design. Um sistema bioquímico irredutivelmente complexo que Behe considera é o flagelo bacteriano. O flagelo é um motor rotor movido por um fluxo de ácidos com uma cauda tipo chicote (ou filamento) que gira entre 20.000 a 100.000 vezes por minuto e cujo movimento rotatório permite que a bactéria navegue através de seu ambiente aquoso.

Behe demonstra que essa maquinaria intrincada, incluindo um rotor (o elemento que imprime a rotação), motor molecular, um estator (o elemento estacionário), juntas de vedação, buchas e um eixo-motor exige a interação coordenada de pelo menos quarenta proteínas complexas (que formam o núcleo irredutível do flagelo bacteriano) e que a ausência de qualquer uma delas resultaria na perda completa da função do motor. Ele argumenta que o mecanismo darwinista enfrenta graves obstáculos em tentar explicar esses sistemas irredutivelmente complexos.

No livro No Free Lunch,[3] William Dembski demonstra como a noção de complexidade irredutível de Behe se constitui numa instância particular de complexidade especificada.

Assim que um componente essencial de um organismo exibe complexidade especificada, qualquer design atribuível àquele elemento passa para o organismo como um todo. Para atribuir design a um organismo, ninguém precisa demonstrar que cada aspecto do organismo tem design intencional.

O desafio da complexidade irredutível para a evolução darwiniana é real, e é falso afirmar que a tese de Behe foi refutada: “Não existem relatos darwinianos detalhados para a evolução de qualquer sistema bioquímico ou celular fundamentais, somente uma variedade de ‘wishful speculations’ [especulações]. É notável que o darwinismo seja aceito como uma explicação satisfatória para um assunto tão vasto – a evolução – com tão pouco exame rigoroso de quão bem suas teses funcionam em iluminar instâncias específicas de adaptação ou diversidade biológicas.”[4]

Nota do blog Desafiando a Nomenklatura Científica: “O Professor Dr. Michael Behe é o palestrante principal do 4º Simpósio Internacional Darwinismo Hoje, a ser realizado na Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, de 22 a 24 de outubro de 2012. Inscrições aqui.” [Enézio Filho]

Nota do blog criacionismo: Em meu livro Por Que Creio, publiquei uma entrevista exclusiva com o Dr. Michael Behe (confira).[Michelson Borges]

Nota: O blog Ciência e Fé vai estar presente neste evento que está sendo considerado um dos maiores eventos sobre Desing Inteligente, Criacionismo e Evolucionismo do país. Iremos fazer uma cobertura completa do programa, entrevistando os principais palestrantes com direito a fotos e vídeos. Aguardem! [Firmo Neto]

Referências:
1. BEHE, Michael. A Caixa Preta de Darwin: o desafio da bioquímica à teoria da evolução. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997, p. 24, citando Darwin no Origem das Espécies.
2. Ibid, p. 48.
3. DEMBSKI, William. No Free Lunch. Lanham, MD: Roman & Littlefield Publishers, Inc., 2002, Cap. 5: “The Emergence of Irreducibly Complex Systems”, p. 239-310.
4. SHAPIRO, James. “In the Details... What?”, in National Review, 16 set. 1996, p. 62-65.

domingo, 7 de outubro de 2012

Cafeína virou moda

A sociedade atual anda em um ritmo frenético - informação instantânea, carros velozes, computadores rápidos e fast foods. Faz-se de tudo para se manter atualizado e acompanhar a velocidade do progresso. Muitas pessoas têm buscado energia extra ingerindo bebidas cafeinadas como o café, chás, bebidas de cola e energéticos. No Brasil, o cafezinho ou pingado pela manhã não pode faltar para a maioria dos brasileiros. Outros já preferem os cafés mais requintados, como os da rede Starbucks, recém-chegada ao Brasil, e que conta com mais de 16 mil lojas pelo mundo. Mas, atenção, a cafeína tem mais efeitos negativos do que você imagina...´[Continue lendo aqui]

sábado, 6 de outubro de 2012

É razoável acreditar num Deus?

É razoável acreditar em Deus? A pergunta pode parecer simples, mas ela é fundamental para ambos os lados, o da crença e o da descrença. Afinal, se Deus existe – vamos colocar isso apenas como uma hipótese – descobrir quem ele é, como ele é e o que quer de nós é a resposta que buscamos sobre a razão de nossa existência. Assista o vídeo e tire suas conclusões!

Fonte: Evidências

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A saída para uma sociedade mais justa é a educação. Mas qual?

Que tipo de educação seria mais apropriada para se oferecer ao povo a fim de evitarmos uma população medíocre e líderes corruptos?
Você acha que educação é abrir escolas? Acha que é contratar mais professores? Será distribuir material escolar gratuitamente? Que tipo de educação ajuda e que tipo não ajuda para que a população aprenda de verdade coisas importantes para a existência e para o bom funcionamento da comunidade?

O que você faria se fosse eleito Prefeito de uma cidade? Trabalharia mais e usaria mais recursos para a educação, segurança, saúde? O que priorizaria?

Pense no seguinte: Você acha que o povo pode adoecer menos se for melhor educado quanto à prevenção de doenças, noções de higiene, dieta saudável, importância dos exercícios físicos para a saúde, e coisas assim? Se forem melhor educados quanto a tais coisas, não poderão adoecer menos? E se adoecerem menos não precisarão muito menos de instituições de saúde, como hospitais, clínicas, ambulatórios? Então, a prioridade de um governo não deveria ser construir instituições de saúde, mas educar sobre princípios de saúde. E se pode fazer isto de muitas maneiras numa comunidade sem muita despesa.

Gastar muito dinheiro originado nos impostos que nós pagamos, com doação de "camisinhas" sem educar o povo é suficiente para a saúde deste povo? Exigir por lei que as propagandas de bebidas alcoólicas apresentem frases como "beba com moderação" ou "se beber, não dirija", resolve? Ou estas são atitudes superficiais?

Na revista Vida e Saúde de Julho 2012, pág. 36, há uma propaganda de página inteira fantástica! Há uma foto de um carro todo arrebentado por causa de uma batida de frente. Em cima da foto está a frase: "A primeira batida foi com vodka, gelo e moderação." E mais abaixo está a frase: "A segunda não." Este é um dos vários tipos de propaganda para a prevenção de acidentes que um governo pode fazer. Dizer "beba com moderação" é insuficiente, superficial e acho que nem dá voto nas eleições!

O mesmo ocorre com a distribuição de camisinhas ou frases como "use camisinha". Isto é, até certo ponto, deseducação. Por quê? Porque o indivíduo que pensa pouco, lê quase nada e vive mais pelos seus impulsos e desejos, acredita que usando camisinha está tudo certo. Mas usar camisinha é educar a pessoa quanto à sexualidade, prevenção de gravidez indesejada, passos para um matrimônio estável, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, formação de uma família? O tipo de educação que realmente funciona, não precisa gastar muito dinheiro do povo e nem só oferecer superficialidade. Mas o que o povo quer? Camisinha de graça ou educação sexual?

Nossas idéias acerca da educação têm sido demasiadamente acanhadas. Há a necessidade de um objetivo mais amplo e mais elevado. A verdadeira educação significa mais do que avançar em certo curso de estudos. É muito mais do que a preparação para a vida presente. Visa o ser todo, e todo o período da existência possível ao homem. É o desenvolvimento harmônico das faculdades físicas, intelectuais e espirituais.

Se você fosse eleito Prefeito de uma cidade e investisse em educação social, ou seja, como se comportar em sociedade, coisas simples como explicar por que é importante jogar o lixo no lixo, como prevenir o consumo de drogas, como respeitar o pedestre ao você estar dirigindo, e como respeitar o motorista ao você estar andando na cidade, como estacionar seu carro de maneira que respeite as leis de trânsito e não ocupe lugar que daria para dois carros, não diminuiria talvez a violência? A educação não é, portanto, prioritária?

Claro, tudo isto envolveria também a participação dos pais no lar para educar melhor seus filhos. Mas o governo poderia, com o apoio de instituições particulares, promover informações para os pais, cursos rápidos, workshops, palestras, folhetos, livretos, que os ajudariam a educar melhor seus filhos. E também deveria envolver, no meu modo de ver, educar os pais a educarem seus filhos desde pequenos a saber conseguir autocontrole emocional.

Se você fosse eleito Prefeito de uma cidade e desejasse ser honesto, não seria mais importante investir na educação profunda da comunidade? Um povo melhor educado é mais saudável, menos violento e com maior chance desta comunidade evitar a eleição de líderes corruptos ou a manutenção deles no poder.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Filósofo ateu agradece aos proponentes do Design Inteligente

Em setembro, a Oxford University Press lança oficialmente uma versão de um novo livro da autoria do filósofo derenome Thomas Nagel, da universidade de Nova York. É uma bomba.

Já disponível na versão  Kindle, o livro de Nagel tem o título provocante de Mind and cosmo: why the Materialist Neo-Darwinian Conception of Nature Is Almost Certainly False (Mente e cosmos: por que é a concepção materialista neodarwnista da natureza é quase de certeza falsa).

 Você leu bem: o sub-título do livro declara que "a concepção materialista neodarwinista da natureza é quase de certeza falsa". Nagel é um ateu que não está a favor do argumento do desing Inteligente. Mas ele considera de uma forma clara que a evidência a favor da moderna teoria darwinista deixa muito a desejar.

Para além disso, ele demonstra apreciar profundamente o fato dos "iconoclastas" do movimento do Desing Inteligente levantarem um desafio significativo à atual ortodoxia científica. No capítulo 1, Nagel cita de forma favorável, em particular o trabalho de três membros do Discovery Institute: [Continuar a ler aqui]

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Estudo aponta que fraude em pesquisas científicas aumentou

Um estudo de pesquisadores da Faculdade de Medicina Albert Einstein, nos Estados Unidos, sugere que a proporção de artigos que foram "despublicados" por motivo de fraude aumentou em dez vezes de 1975 até os dias de hoje. A pesquisa, publicada na revista americana PNAS, analisou documentos de ciências biomédicas na base PubMed e observou que aproximadamente metade dos mais de 2 mil artigos sofreram "retratação" por envolver fraude - invenção de dados e manipulação de experimentos. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

A equipe de pesquisadores, liderada por Arturo Casadevall concluiu que apenas um quarto dos artigos estudados foram "retratados" devido a erros simples, como plágio ou dupla publicação. Segundo os autores da pesquisa, a correlação entre artigos fraudulentos e revistas de alto impacto sugere que os louros de publicar em tais revistas são um grande incentivo a atitudes antiéticas.

Neste ano, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), principal órgão federal de apoio à pesquisa no país, criou a Comissão da Integridade na Atividade de Pesquisa, responsável por receber denúncias e conduzir investigações sobre casos de má conduta, que já analisou sete casos de plágio, sendo que três ainda estão em andamento.


Fonte: Terra.com

Nota: E o que comentar de fraudes evolucionistas que também foram publicadas em jornais e revistas científicas e até hoje, é perpetuada nos diversos livros didáticos com intuito de fundamentar uma teoria que não houve comprovação? Saiba mais de algumas fraudes famosas evolucionista clicando aqui.

Famosas fraudes evolucionistas

Queremos demonstrar através deste texto, de que maneira através da história, os defensores da evolução vêm forjando suas fraudes, com intuito de criar evidências que sustentem a Teoria da Evolução das Espécies, proposta por Charles Darwin, e de que maneira vergonhosa tais fraudes, bastante conhecidas, perpetuam-se em livros didáticos, com intuito de fundamentar uma teoria que não foi comprovada.

Vamos começar com a famosa teoria da recapitulação embrionária proposta por Ernst Haeckel em 1866, que tinha o objetivo de “comprovar” que nas primeiras semanas, o feto humano assemelhar-se-ia às várias fases do desenvolvimento evolucionário, tendo uma vez as brânquias como um peixe, outra vez um rabo como de macaco, etc.
Haeckel publica seu famoso desenho, que ilustraria a suposta semelhança entre o feto humano e o feto dos demais animais como: peixe, salamandra, tartaruga, galinha, porco e coelho, como vemos na figura acima.

O fato é que, sabemos hoje, Haeckel deliberadamente fraudou os desenhos, como vemos na figura abaixo que mostra o comparativo entre o desenho de Haeckel e o feto real fotografado.

Tal fraude, apesar de bastante conhecida, ainda é publicada em livros de biologia em todo o mundo e no Brasil não é diferente. Então pergunto, de que maneira podemos dar crédito a uma teoria que precisa ser respaldada em mentiras para se manter de pé?

Vamos a mais uma conhecida fraude, o Homem de Piltdown, que foi alardeado como um ancestral, ou elo entre homens e macacos com a reivindicação de que esse “hominídeo” seria um intermediário de 500.000 anos de idade. O Jornal New York Times publica o seguinte artigo: “Teoria de Darwin prova-se verdadeira.”

Depois de praticamente 40 anos exposto no museu britânico, e 90 teses de doutorado dos eruditos ateus, em 1953, a fraude veio à tona. Para resumir, em 1912, uma gangue de fraudulentos, querendo ganhar notoriedade e explorando a crendice de uma sociedade apóstata, que queria acreditar na evolução de qualquer jeito, inventou um homem macaco chamado Piltdown. Os “cientistas” juntaram um pedaço de crânio humano com a mandíbula de um macaco. Os dentes foram lixados e tudo tratado com substâncias químicas para parecer objeto fossilizado, e aí temos uma fraude quase perfeita, que por muito tempo passou despercebida.

Vamos agora a mais um famoso hominídeo, o Homem de Nebraska. Em 1922 a evidência fóssil foi descoberta, logo foi usado para apoiar a evolução em 1925, onde seria feita a reivindicação de que o homem de Nebraska seria um Elo entre homem e macaco de 1 milhão de anos.
O que aconteceu, na verdade, foi o seguinte: de um dente, montaram a mandíbula; da mandíbula, montaram o crânio; do crânio, montaram o esqueleto; do esqueleto, fizeram pele, cabelo e até a sua namorada ou esposa (agachada no desenho). Fizeram a famosa exposição sobre a evolução em Dayton, Tennessee, chamada de Scopes Trial, foi nela que o Homem de Nebraska foi apresentado como prova incontestável da evolução. Quando William Jennings Bryan protestou contra os argumentos apresentados e pela insuficiência, riram-se dele ridicularizando-o. Em 1927 descobriram a fraude: o dente era de um porco selvagem da America do Sul chamado Peccary.

E para encerrarmos a primeira parte de nossa matéria sobre as fraudes evolucionistas, vamos falar sobre o Ramapithecus, que foi alardeado também como um dos mais primitivos ancestrais do homem, datado como um intermediário de 14 milhões de anos entre macacos e humanos.

Em 1930 foi encontrado um maxilar dividido em duas partes, que posteriormente seria emendado propositalmente na forma de parábola, forma que caracteriza a estrutura do maxilar humano, como vemos na figura. Pela maneira que o maxilar foi encaixado, imediatamente via-se um ancestral entre o homem e macaco, uma vez que, o maxilar de um macaco tem a forma de “U” e não de parábola como mostra a figura, com isso, acreditava-se que o ramapithecus realmente seria um ancestral, um elo perdido entre os homens e os macacos. A notícia foi tão bombástica que a revista Time publicou: “Ramapithecus é estruturado para ser um antepassado ideal de hominídeo. Se ele não for, nós não temos qualquer outra coisa que é."

O interessante é que, desde 1970, foi descoberto um babuíno que vive na Etiópia, com mesma estrutura dental, características morfológicas semelhantes achadas no ramapithecus, e só posteriormente em 1977, pouco depois da publicação da revista Time citada, a montagem errada do maxilar foi descoberta, o que tornou o ramapithecus 100% macaco, excluindo-o, de uma vez por todas, da linhagem humana.

Vimos nesses quatro exemplos, como muitos cientistas evolucionistas, têm usado de má-fé para endossar a sua tese. E é lamentável, que muitas dessas fraudes, ainda sejam publicadas em livros didáticos, colocadas como evidências da evolução, prejudicando assim, a boa ciência, aquela que busca a verdade. Ademais, convido a todos a fazerem sempre uma análise crítica dessas evidências, e da motivação que há por trás das mesmas.

Fonte: Prof. Ronaldo Xavier

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O algoritmo das formigas

A Terra parece ser um sítio totalmente controlado pelas formigas, uma vez que elas parecem cobrir o globo inteiro. O sucesso de qualquer colónia de formigas depende das capacidades inerentes de muitas das suas operárias. Uma das capacidades das formigas recolhedoras depende de um algoritmo que governa a frequência com que elas saem da colónia, e que tem um paralelo com um outro algoritmo gestor de dados de internet.

 As formigas recolhedores fazem buscas  por sementes e cada uma das formigas transporta uma semente de cada vez para a sua colónia. Se demasiadas formigas se encontram em busca de sementes, os recursos são desperdiçados, e a colónia poderá receber um excesso de provisões que poderiam gerar um bloqueio no tráfego (e problemas no armazenamento do excesso de alimentos). Isto pode ser um desastre.

 Por outro lado, a colónia passará fome se não haver sementes suficientes.  Como é que as formigas controlam esta tarefa crítica?  Os pesquisadores estavam curiosos por  descobrir a forma como as formigas levavam a cabo esta tarefa sem qualquer tipo de administração centralizada.

 A resposta é que as formigas levam consigo todo o seu entendimento. Ao testarem com as formigas recolhedoras, os biólogos determinaram que, quando as formigas regressam  à colónia mais lentamente, então mais formigas sabem que têm que sair da colónia e ir recolher. Ao mesmo tempo, quando as formigas regressam em grande número, enchendo rapidamente as “dispensas”, menos formigas saem para buscar alimento.

 Biólogos e engenheiros de Stanford fizeram uma parceria e descobriram que um algoritmo frequentemente usado para regular o tráfego da internet assemelha-se com o que as formigas usam para regular o tráfego de recolha.  Os dados foram publicados no jornal onlone PLoS Computational Biology.

 Eles observaram que o algoritmo presente no cérebro das formigas usa quatro variáveis. Uma descreve a taxa das formigas que saiam, outra descreve a quantidade com que a taxa aumenta à medida que cada formiga regressa, e outra descreve a forma como a taxa diminui cada vez que cada formiga sai. O artigo uniu estes parâmetros usando duas fórmulas::

1 -  an = max(an-1-qDn-1+cAn-d,a), a0 = 0
2 -  Dn~Poisson (an)

Quem diria que as formigas eram tão inteligentes?

 Para além disto, as formigas recolhedoras sabem muito mais. Por exemplo, elas sabem qual a amplitude térmica ideal para elas irem em busca de alimento. Elas recolhem-se para o subsolo durante os períodos mais quentes dos desertos da zona ocidental dos EUA (onde muitas delas vivem).

 Em dias de Sol, as formigas recolhedoras normalmente param de buscar alimento por volta das 11 a.m. e regressam quando as temperaturas baixam para os  118-125°F [47º - 51º Celsius]. Isto significa que as formigas possuem termómetros internos que comunicam com os seus centros de decisão.

Claramente, as formigas não aprenderam isto numa escola, portanto é perfeitamente lógico e cientifico inferir que este conhecimento vem duma Fonte exterior a elas mesmas.

Fonte:
Darwnismo

 Nota do blog Darwnismo: Não é difícil saber Quem é o Programador que codificou as formigas de modo a que elas possam executar algoritmos necessários para a sua sobrevivência, no entanto seria interessante saber se os militantes ateus realmente acreditam que um sistema que faz cálculos matemáticos pode ser o efeito de forças não-inteligentes. Se sim, que tipo de evidências eles fornecem que suporte esta posição religiosa não-científica?

Enquanto os militantes ateus pensam nisso, fica aqui um versículo especialmente para eles: "Vai ter com a formiga, ó preguiçoso: olha para os seus caminhos, e sê sábio." Provérbios 6:6

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails