sexta-feira, 30 de março de 2012

Corante à base de insetos cria polêmica nos EUA

A intenção, diz a Starbucks, era das melhores: diminuir o uso de ingredientes artificiais. Mas a decisão de trocar o corante químico da bebida Frappuccino sabor morango por extrato de cochonilha, extraído de insetos, acabou em polêmica para a empresa nos Estados Unidos. A rede de cafeterias passou a adotar o corante natural em suas bebidas neste ano. Mas o método de extração da cor rosa, resultado da trituração de milhares de cochonilhas [veja como isso funciona clicando aqui], não agradou o grupo de consumidores veganos. Os ativistas boicotam qualquer produto de origem animal. O “suco de inseto”, como tem sido chamado, está sendo apontado como não vegano em fóruns de discussão e comunidades de adeptos da dieta, como o ThisDishIsVegetarian.com. Os grupos chegaram a propor um boicote à cafeteria, apelidada de “Starbugs” (trocadilho com bug, “inseto” em inglês). As informações são da ABC News.

A rede chegou a se defender em um comunicado à imprensa. Segundo o texto, “ainda que o Frappuccino de Morango não seja vegano”, o produto faz parte de “um esforço por refeições mais naturais” e que a companhia “se esforça para abarcar todos os tipos de opções alimentares”.

Com o aumento da controvérsia, a empresa admitiu, por fim, ser impossível garantir a venda de algum produto 100% vegetal. "”Muitos dos produtos da Starbucks podem ser combinados para criar bebidas livres de derivados de animais; no entanto, não temos capacidade de dar garantias, diante do potencial de contaminação cruzada com outros produtos em nossos locais de funcionamento”, escreveu em comunicado.

Ainda que tenha gerado reações negativas, o uso de extrato de cochonilha não é incomum. O corante é aprovado pelos órgãos de controle de saúde em todo o mundo, como o americano FDA (Food and Drug Administration), e utilizado em iogurtes, sorvetes, recheios de bolachas e cosméticos. A cor vermelha é extraída da fêmea do inseto, originário do México e da América do Sul. Para cada quilo do pigmento, são trituradas 150 mil cochonilhas.

Fonte: Info

Nota: Muitos consumidores ainda não sabem que os produtos que contém este tipo de corante nem sempre vem registrado - em seus rótulos - com o nome cochonilha. Para se ter uma ideia, existe diversos 'sinônimos' registrados nas embalagens com este mesmo corante, nomes como: "Vermelho 4″, “Vermelho 3″, “Carmim”, “Cochineal”, “Corante natural carmim de Cochonilha”, “Corante C.I”, “Corante ou Colorizante E120″. Para saber mais sobre corantes de cochonilha, leia aqui  a nossa matéria especial que publicamos sobre este assunto. [FN]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails