segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

O negligenciado repouso semanal

Ordem e regularidade são leis da natureza. Tanto no universo químico como no biológico percebemos ciclos bem definidos. Talvez o mais conhecido de todos seja o ciclo menstrual de 28 dias. Outro ciclo interessante é o capilar, caracterizado por 18 meses de crescimento seguidos de 18 meses de parada. Em homens, os fios de cabelo se desprendem dos folículos na fase de parada do crescimento, enquanto na mulher os fios ficam presos aos folículos, permitindo o crescimento de cabelos mais longos. O coração bate uma vez por segundo e nós inspiramos, em média, uma vez a cada quatro batidas do coração. As contrações intestinais ocorrem a cada três minutos. A temperatura corporal, a pressão arterial e a secreção de enzimas e hormônios, como o cortisol, flutuam ao longo do dia de maneira programada e regular. Esse relógio biológico de 24 horas que comanda as funções vitais está localizado no cérebro, em uma região chamada hipotálamo.

Normalmente, às 3 horas da manhã, a produção de hormônios e enzimas relacionados com força muscular, bom humor, digestão e produção de urina é grandemente reduzida. Se você costuma acordar às 7 horas da manhã, seu cérebro começa a produzir um hormônio chamado ACTH por volta das 5 horas, que estimula a secreção de adrenalina pelas glândulas suprarrenais. A pequena quantidade de adrenalina produzida é capaz de despertar a glândula tireoide, ovários, testículos, estômago, pâncreas, fígado e outros órgãos, que atingem seu pico de ação às 9 da manhã. Às 10h, estamos bem alerta; entre 14h e 15h, temos melhor coordenação motora; às 17h, o corpo atinge ótima eficiência cardiovascular e força muscular. Após o pôr do sol, a diminuição da luminosidade é percebida pelos olhos e o cérebro começa a produzir melatonina, um hormônio relacionado à indução e qualidade do sono. Ao mesmo tempo, o metabolismo geral diminui e os intestinos e músculos entram em repouso. Esse ciclo de 24 horas, ou ritmo circadiano, se repete indefinidamente.

Manter esse relógio biológico sincronizado é fundamental para preservar a saúde e a qualidade de vida. E é exatamente aqui que entra a importância do descanso, especialmente do sono e do repouso semanal. Um rotina irregular pode, a longo prazo, desregular as funções biológicas e colocar o corpo sob estresse. Os efeitos podem ser tão desagradáveis quanto um jet lag após uma viagem de avião cruzando vários fusos horários.

Repouso semanal

Observamos um dia de 24 horas baseado no movimento de rotação da Terra em seu eixo. O mês é baseado no ciclo lunar e o ano, no movimento de translação do sol. Será que existe também um ciclo semanal? Hoje em dia, não é incomum conhecer pessoas que trabalham sete dias por semana. Entretanto, evidências científicas sugerem que essa prática pode causar consequências a curto e longo prazo. Assim como o corpo tem um ritmo diário ou circadiano, um ritmo semanal ou septadiano foi recentemente identificado.

Pesquisas médicas têm demonstrado ritmos semanais conectados com várias funções fisiológicas, como ritmo cardíaco, hormônios naturais no leite materno, edema (inchaço) após cirurgias e rejeição de órgãos transplantados. Para entender a sua importância, vamos considerar os dois últimos exemplos.

Pessoas recém-operadas tendem a experimentar aumento do edema no sétimo e décimo quarto dias após a cirurgia. De maneira semelhante, um transplante renal é mais provável de ser rejeitado no sétimo ou décimo quarto dia após a cirurgia. Além disso, a produção de fibrinogênio, um componente do sistema de coagulação e que está relacionado com infartos, também obedece a um ritmo semanal.

O entendimento dos ritmos septadianos é relativamente recente e levou muitos especialistas a recomendar o descanso semanal como um meio de preservar a saúde. O Dr. Bernell Baldwin, doutor em neurociências pela Universidade George Washington, nos Estados Unidos, afirma que "o ritmo semanal é um fator inerente ao funcionamento do corpo humano". Aliás, sua importância pode ser observada na história. Ele salienta que, na França, durante a Revolução Francesa, uma semana de dez dias foi experimentada com resultados desastrosos. As instituições de saúde mental lotaram rapidamente e a tentativa foi abolida.

Na experiência dos franceses, há uma lição para todos nós. Assim como dormir pouco faz mal, uma rotina de trabalho ininterrupta vai, mais cedo ou mais tarde, cobrar o seu preço. A saúde é fruto das nossas escolhas e não do acaso. Se você busca qualidade de vida e longevidade, procure readequar a sua agenda e reservar um dia na semana para descanso completo. Nesse dia, faça coisas diferentes do rotineiro. Em lugar de limpar a casa, fazer compras ou ler os e-mails atrasados, faça um passeio no parque com a família. Passe um dia no campo em meio à natureza, desfrutando de ar puro, sol e silêncio. Envolva-se com atividades voluntárias, faça o bem aos seus semelhantes e tenha momentos a sós com Deus.

Para concluir, quero dizer que a prática dos conselhos acima teve grande impacto na minha vida pessoal. Aprendi que, neste caso, "perder" horas de trabalho e estudo é ganhar. Se você também busca saúde, qualidade de vida e produtividade duradoura, encontrar o equilíbrio entre atividade e repouso deve ser sua prioridade.

Luiz Fernando Sella

Médico (formado pela UFSC, em 2006), participou como médico visitante da Escola de Medicina da Universidade de Miami, em 2006 e 2007. Atuou no Programa de Saúde da Família, em Santa Catarina, com enfoque em medicina preventiva e estilo de vida. Atualmente, é médico da Clínica Adventista Vida Natural, em Ibiúna, SP.

Fonte: Outra Leitura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails