terça-feira, 31 de maio de 2011

Cientistas tentam imitar design inteligente do cérebro

Construir um cérebro artificial, copiado do verdadeiro, para entender como essa extraordinária máquina funciona e deixa de funcionar. Esse é o desafio do Projeto Cérebro Humano, centrado na Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, mas incluindo pesquisadores de várias partes da Europa. O projeto está agora disputando um financiamento da União Europeia de um bilhão de euros. “Sessenta mil artigos científicos sobre o cérebro são publicados anualmente”, afirma Henry Markram. Em vez de deixar esses artigos dormindo nas bibliotecas, o Projeto Cérebro Humano pretende integrá-los para construir uma máquina única no mundo. Markram e seus colegas já estão trabalhando desde 2005 em um projeto de cérebro artificial, chamado Cérebro Azul (Blue Brain), o mais próximo tecnicamente possível do cérebro biológico. Nesse caso, o trabalho foi realizado com técnicas de engenharia reversa: em vez de desenhar um objeto antes de ser construído, pega-se um objeto existente para depois preparar um plano.

O primeiro passo foi dado com as proteínas, essas moléculas grandes que formam as células, e em seguida com os neurônios, através dos quais passam as informações, e as células gliais que os alimentam e modulam as transmissões, feixes de íons que passam de uma célula a outra através de longos filamentos. Tudo isso é reconstruído virtualmente a partir de dados coletados da matéria viva.

Dispostas em forma de estrela em torno de um microscópio infravermelho, uma dúzia de caixinhas prolongadas por uma pipeta de plástico parecem se alimentar da mesma fonte de luz verde. Cada unidade contém doze neurônios de rato, cuja atividade a máquina decifra precisamente - a atividade é então modelada no computador. Essa é a essência do projeto. Desde 2005, essas experiências têm-se revelado uma verdadeira mina de informações sobre o funcionamento básico das células cerebrais.

Através delas, o Cérebro Azul já foi capaz de simular uma coluna neocortical de ratos, unidade de base do cérebro, composta de 10 mil neurônios, cada um capaz de criar entre si até 30 milhões de conexões. Mas o cérebro humano, o objetivo final do Projeto Cérebro Humano, conta com pelo menos 100 milhões de neurônios. E, hoje, é necessária a potência total de um computador portátil para simular o comportamento de um único neurônio. Isso quer dizer que precisamos melhorar a potência dos computadores. Estima-se que um cérebro humano virtual exigiria uma máquina mil vezes mais potente do que o maior supercomputador existente.

O Projeto Cérebro Humano vai, portanto, trabalhar lado a lado com os fabricantes de hardware para tentar encontrar soluções em termos de potência de cálculo, consumo de energia e dissipação de calor. E pensar que o nosso cérebro é capaz de fazer mais e melhor do que todas essas máquinas, (quase) sem esquentar a cabeça! [...]

Os pesquisadores do Projeto Cérebro Humano pretendem transformar a máquina deles em uma ferramenta de última geração para a compreensão do cérebro, simulando situações reais, administrando nela medicamentos ou novas moléculas virtuais, mas também alimentando-a com todos os conhecimentos atuais e futuros. Para Markram, trata-se de uma questão “de interesse da humanidade”. [...]

O Projeto Cérebro Humano também será útil para a robótica (os robôs "alimentarão" o cérebro artificial com sensações), para as próteses de interfaces do sistema nervoso e, claro, para a informática, que tem muito a aprender com a extraordinária capacidade do cérebro humano. [...]

(Inovação Tecnológica)

Nota: “Engenharia reversa” é outro nome para cópia de design inteligente. Agora observe seu computador... Seria ele fruto de ajuntamentos fortuitos de componentes eletrônicos? (Vamos dar uma chance ao acaso e imaginar que esses componentes já estavam lá, uma vez que na experiência do Cérebro Azul foram usados neurônios de rato; se tivéssemos que conceber a origem casual dos neurônios – ou dos circuitos de um computador – nosso exercício de imaginação iria beirar o sobrenatural, e não queremos deixar a porta aberta para Deus, não é mesmo, amigos naturalistas?) Bem, basta você voltar aos trechos que grifei em bold para perceber que o que os cientistas estão fazendo é empregar muito dinheiro e planejamento/inteligência para “apenas” copiar algo (o cérebro) que teria, ele sim, evoluído a partir do nada! Durma-se com uma incoerência dessas.[Michelson Borges]

domingo, 29 de maio de 2011

quinta-feira, 26 de maio de 2011

GRANDES NOMES CRISTÃOS - XXIII

Albert Einstein (1879-1955), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1921

"A todo cientista minucioso deve ser natural algum tipo de sentimento religioso, pois não consegue supor que as dependências extremamente sutis por ele vislumbradas tenham sido pensadas pela primeira vez por ele. No universo incompreensível revela-se uma razão ilimitada. A opinião corrente de que sou ateu baseia-se num grande engano. Quem julga deduzi-la de minhas teorias científicas, mal as compreendeu. Entendeu-me de forma equivocada e presta-me péssimo serviço..."

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Depoimento da professora Amanda Gurgel



Professora Amanda Gurgel silencia Deputados em audiência pública. Depoimento Resumindo o quadro da Educação no Brasil. Educadora fala sobre condições precárias de trabalho no RN/BRASIL.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Projeto Ano Internacional da Química em Guanambi

O Instituto Federal Baiano Campus Guanambi promoverá, em 2011, as comemorações do Ano Internacional da Química (AIQ-2011), relacionando a Química ao bem-estar, saúde, conforto e lazer. A ideia é uma comemoração local, que aproxime crianças, jovens e adultos através de atividades educativas e de divulgação da Química.

O Ano Internacional da Química foi uma iniciativa da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada), com o objetivo de celebrar as grandes conquistas da Química e sua enorme contribuição para o bem-estar da humanidade.

A meta é apresentar, de maneira mais interessante, curiosa e em uma linguagem mais simples, como a Química é importante, a sua aplicação no dia a dia, na dinâmica nos seres vivos, no planeta e nos astros celestes, destacando os inúmeros benefícios para a qualidade de vida e seu papel na energia, saúde, comunicação, agricultura e alimentação, suportes básicos da vida moderna.

O IFE propõe-se realizar três atividades voltadas para a comunidade escolar e em geral:

* Química Itinerante - Realização de atividades experimentais e teórica-experimentais visando despertar os alunos e aumentar a capacidade de aprendizagem da matéria, tendo como público alvo os estudantes de 6 escolas da rede estadual de ensino médio;

* Workshop de Química - Atividade a ser desenvolvida no mês de agosto, na Praça Gercino Coelho;

* Simpósio do Ensino de Química (SiEnQ) - Atividade a ser desenvolvida em outubro no campus do IFE.

O projeto está sendo coordenado pelos professores de química do IFE: Daniel Rodrigues Magalhães (Pós-doctor em Química Analítica), Wendel Menezes Ferreira (Mestre em Química Analítica), Jane Geralda (Mestre em Qualidade de Água), Daniel Rodrigues Vieira (Mestre em Química Analítica), Cinara Cafieeiro (Doutora em Ecomonia Doméstica) e Francineide Pereira de Jesus (Mestre em Educação).

sexta-feira, 20 de maio de 2011

DNA tem mais dados que todos os HDs do mundo

A morte do vinil e o surgimento dos HDs pessoais multiplicaram a quantidade de informação gravada no mundo, mas tudo que já foi produzido pela humanidade ainda apanha feio de uma única célula humana. Bem feio: há cerca de cem vezes mais informação codificada no DNA humano do que em todos os livros, CDs, computadores, negativos de fotos e todo tipo de lugar onde se armazenam dados, digitais ou analógicos. A reportagem é de Giuliana Miranda, Ricardo Mioto e Luiz Gustavo Cristino, e foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, no dia 11 de fevereiro deste ano.

Isso não significa que não exista muita coisa arquivada por aí. Em números absolutos, podíamos armazenar, em 2007, ano analisado agora pelos cientistas, 295 exabytes. Isso equivale a cerca de 295 bilhões de gigabytes (um HD doméstico tem uns 300 gigabytes). É o suficiente para encher 404 bilhões de CDs comuns que, empilhados, cobririam um pouco mais do que a distância da Terra à Lua.

Os números são de uma pesquisa americana publicada na revista Science, que analisou os dados produzidos e armazenados pela humanidade entre 1986 e 2007. Ela mostra que os meios analógicos dominaram a lista até 2002, quando foram superados pelos digitais. Em 2007, essa já era a forma de armazenamento de 97% da informação.

Os dados guardados em papel, que em 1986 já representavam apenas 0,33% do total, em 2007 passaram a representar 0,007% – qualquer vídeo de dez minutos no YouTube tem mais informação (“é mais pesado”, como se diz na internet) do que uma enciclopédia inteira. “É o primeiro trabalho a quantificar como os seres humanos lidam com a informação”, diz Martin Hilbert, da Universidade da Carolina do Sul, que liderou o estudo.

Em 1986, a quantidade de informação por pessoa poderia ser guardada em um CD-ROM de 730 MB, e ainda sobraria espaço. Em 1993, o número aumentou para quatro desses CDs. No ano 2000, eram 12 por pessoa. A mudança mais perceptível foi em 2007: 61 CDs por pessoa.

Os pesquisadores chegaram a esses números utilizando informações de várias origens. No que se refere aos dados armazenados digitalmente, usaram as informações industriais relativas à produção global histórica de dispositivos de memória. Dados analógicos foram obtidos a partir de relatórios sobre a quantidade de livros, revistas e jornais existentes no mundo, utilizando pesquisas anteriores sobre o tema como referência.

Nesse ritmo, a quantidade de informação armazenada pela humanidade só ultrapassará a que está “gravada” no DNA humano por volta do ano de 2039. [...]

(Darwinismo)

GRANDES NOMES CRISTÃOS - XXII

André Siegfried (1875-1959), educador e cientista político

"Nossa visão espiritual e não apenas puramente racional do homem..., nós a devemos à tradição judaica, que teve no Evangelho um desdobramento tão grandioso. Os profetas de Israel, aqueles brilhantes e devotos líderes do seu povo, plantaram no nosso espírito a sede de justiça que caracteriza socialmente o Ocidente."

terça-feira, 17 de maio de 2011

Igrejas e sindicatos defendem descanso dominical

Em 20 de junho será lançada em Bruxelas a Aliança Europeia para o domingo. Pela primeira vez, sindicatos e igrejas da Europa estão na mesma linha. É o que garante a Comissão dos Bispos da União Europeia (Comece), que adverte que as razões da aliança são tanto religiosas como sócio-políticas. A proteção do domingo, cujo desaparecimento, na prática, como um dia festivo “poria em cheque um benefício social milenar” conduz à denúncia de uma nova escravidão: enquanto muitos podem usar esse dia para desfrutar de sua família e amigos, cada vez são mais aqueles que têm que trabalhar em grandes centros comerciais e de entretenimento. Além da Igreja Católica, várias instituições evangélicas aderiram à iniciativa. E da Espanha aderiu a Irmandade Obreira de Ação Católica (em espanhol, HOAC).

(InfoCatólica)

Nota do blog Minuto Profético: "Desde o ano passado, o movimento pela guarda do domingo tem se intensificado na União Europeia, pretendendo mesmo até buscar assinaturas para levar ao Parlamento Europeu. Como pode ser visto, a Santa Sé nunca desistiu de suas pretensões de governar todas as nações e todas as consciências individuais, alcançando novamente a supremacia mundial. Sua grande marca é o domingo, e é por aí que todos deverão se curvar. Vale lembrar que isso representa um erro duplo: o verdadeiro dia de guarda na Bíblia é o sábado (sétimo dia), e nenhum dia de guarda deveria ser imposto por lei civil, uma vez que isso fere o princípio de separação entre Igreja e Estado."

Ateu de Oxford chama Dawkins de covarde

Gente, o Dawkins, o papa do neoateísmo chique e perfumado, tem se recusado a debater com pessoas de pensamento diferenciado, mas eu nunca esperava que ele fosse ser chamado de covarde por se recusar a debater com pessoas assim. Sabe quem chamou Dawkins de covarde? Os criacionistas? Não! A turma perversa do Design Inteligente? Nem está quente! Os agnósticos? Ficou meio quente! Não se assuste. Galera de meninos e meninas de Darwin, vocês são varonis e vão poder suportar este duro golpe: nenhuma pessoa dos grupos acima mencionados chamou o Dawkins de covarde. Quem chamou foi Daniel Came, um filósofo de Oxford e, pasme, ateu como Dawkins: “[...] por se recusar a debater com William Lane Craig, que já debateu com muitos ‘neoateus.”

O prof. Dawkins afirma que o prof. Craig não é uma figura digna de sua atenção, e tem sido citado como tendo afirmado que tal debate iria “parecer legal” no currículo vitae do seu oponente, mas não no dele.

“O prof. Craig é um pesquisador e professor de Filosofia no Talbot School of Theology, na Califórnia, e autor de 30 livros e centenas de artigos sobre o cristianismo. Ele debateu com pensadores importantes incluindo Daniel Dennett, A. C. Grayling, Christopher Hitchens, Lewis Wolpert e Sam Harris.”

Em uma carta ao prof. Dawkins, o Dr. Came afirmou: “A ausência de um debate com o maior apologeta do teísmo cristão é uma omissão evidente em seu CV, e, é claro, passível de ser interpretado como covardia de sua parte. Eu reparo, por contraste, que você se sente bem em discutir assuntos teológicos com apresentadores de televisão e rádio e outros intelectuais pesos-pesados…”

(Tim Ross, “Richard Dawkins accused of cowardice for refusing to debate existence of God”, The Telegraph, 14 de maio de 2011)

Nota do blog Desafiando a Nomenklatura Científica: “Traduzindo em miúdos: depois de ser chamado de covarde por um ateu, Dawkins, o queridinho dos neoateus, da grande mídia e da Companhia das Letras ($) não vai mais poder se desculpar de que os outros com quem ele se recusa a debater são pessoas academicamente desqualificadas. Dawkins só tem duas opções: enfiar a viola no saco e continuar com a pecha de covarde, ou aceitar e debater o prof. Dr. Craig.”

A posição de Dawkins em 2003: “The question of who would ‘win’ such a debate is not at issue. Winning is not what these people realistically aspire to. The coup they seek is simply the recognition of being allowed to share a platform with a real scientist in the first place. This will suggest to innocent bystanders that there must be material here that is genuinely worth debating, on something like equal terms” (Richard Dawkins, “Creating such a fuss about nothing”, Times 2, 28 janeiro de 2003).

sexta-feira, 13 de maio de 2011

GRANDES NOMES CRISTÃOS - XXI

Herbert George Wells (1866-1946), historiador e escritor

"Como historiador preciso admitir que este pobre pregador da Galiléia inevitavelmente é o centro da história."

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Fóssil de formiga gigante é encontrado nos EUA

Quase 50 milhões de anos atrás [segundo a cronologia evolucionista], formigas do tamanho de beija-flores percorriam a área onde hoje se encontra o estado do Wyoming. Uma nova descoberta de fósseis revela que esses insetos gigantes podem ter atravessado uma ponte de terra do Ártico entre a Europa e a América do Norte durante um período particularmente quente na história da Terra. Com cerca de cinco centímetros de comprimento, o modelo é uma “formiga monstruosamente grande”, avalia Bruce Archibald, paleontólogo da Universidade Simon Fraser, da província da Colúmbia Britânica, no Canadá. A descoberta foi relatada [no] dia 3 de maio, na revista Procedimentos da Sociedade Real B. Apesar de fósseis de pedaços soltos de formigas gigantes com asas já terem sido encontrados antes nos Estados Unidos, este é o primeiro espécime conhecido de corpo inteiro.

O fóssil da formiga vem de um local bem conhecido em Wyoming, chamado de Formação do Rio Verde. Porém, o objeto estava guardado em uma gaveta do Museu de Natureza e Ciência de Denver, relata Archibald. Quando um curador mostrou-lhe o fóssil, diz Archibald, ele sabia que estava olhando para algo emocionante.

As formigas são insetos resistentes – algumas podem até mesmo se transformar em uma espécie de jangadas para sobreviver a inundações. Mas, após um olhar moderno para as formigas-monstro, Archibald e seus colegas chegaram à conclusão de que as Titanomyra lubei precisavam muito provavelmente de um clima ameno para viver, semelhante ao das formigas gigantes (que não são tão gigantes assim) modernas. [...]

Alguns fósseis preservam pedaços de órgãos, incluindo os ferrões, genitália e estômagos.

(Hypescience)

Nota: Deixando de lado as inúmeras especulações sobre habitat e hábitos imaginadas a partir unicamente dos fósseis, é bom lembrar que complexidade desde a origem, gigantismo pré-diluviano e fossilização em massa no passado são elementos previstos pelo modelo criacionista.[Michelson Borges]

sexta-feira, 6 de maio de 2011

STF Aprova novos bolos de casamento

Clique na imagem para ampliá-lo.

GRANDES NOMES CRISTÃOS - XX

George Washington Carver (1864-1943), botânico, agrônomo

"Quando eu trabalhava em projetos que atendiam a uma real necessidade humana, forças trabalhavam através de mim que me surpreendiam. Frequentemente eu adormecia com um problema aparentemente insolúvel. Ao acordar, a resposta estava lá. Por que, então, devemos nós crentes em Cristo nos surpreender com aquilo que Deus pode fazer com um homem de boa vontade em um laboratório?"



DNA é descrito matematicamente por brasileiros

Cientistas brasileiros descobriram que as sequências das moléculas de DNA podem ser reproduzidas através de estruturas matemáticas. A descrição matemática da estrutura genética deverá ampliar consideravelmente a capacidade de compreensão do funcionamento dos sistemas biológicos - e, eventualmente, as possibilidades de sua manipulação. Na física e na química, o uso de equações matemáticas para explicar, quantificar e prever a possibilidade de ocorrência de transformações naturais ou provocadas se tornou rotineiro. Na biologia, porém, esse recurso é bem mais recente e ainda muito restrito. Vários pesquisadores das áreas de teoria e codificação da informação, principalmente nos EUA e da Europa, vinham tentando reproduzir as sequências de DNA através de estruturas matemáticas. A primazia do feito, contudo, coube a um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade de São Paulo (USP). [Continue lendo aqui]

Palestra jovem

Clique na imagem para ampliar.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Sexo entre jovens

“Pastor, sexo antes do casamento é pecado?”. Se você é um clérigo ou um líder, esta é uma das perguntas que você mais ouve quando está no meio de jovens. Obviamente, a grande maioria responde: “sim, é pecado”. E eu, o que penso sobre o tema? Bem...

Eu penso que a igreja trata a questão como se ela não existisse, quase com desdém. O “problema” só se materializa quando aquele casalzinho que senta lá no canto, acompanhado ou não da família, nos procura no gabinete pastoral para informar-nos que, em 9 meses, teremos mais um membro para ser batizado na família de Deus! Aleluia!...

A verdade é que a igreja, normalmente, faz vista grossa para essa questão. O casal está ali, juntinho, namorando e, se não der bobeira, se transar com camisinha, se fizer tudo direitinho, não vai ser muito incomodado pela ortodoxia doutrinária vigente. Aqui, ali, terá de ouvir coisas do tipo: “fornicação é pecado”; “quem transar antes de casar perde a benção de Deus”; “masturbação entristece o Espírito”; e por aí vai... Ora, isso tudo, com um pouco de cinismo e cara de pau, dá para ir levando. Dá?...

Agora, quando a “bomba” explode, e o bebê está a caminho, aí a coisa muda de figura, pois todo mundo fica furioso, sobretudo a “fariseada”. Engravidou, tem que casar! Será?... O casalzinho, coitado, será exposto aos extremos, execrado, em alguns casos, ficará afastado temporariamente da Ceia, ou, em outros, submetido a uma “disciplina” maluca qualquer. Quase certamente, sofrerá muito mais do que seria preciso, contudo se tornará um “exemplo” para todos!

Ora, em tais situações, as conseqüências, obviamente, virão em curtíssimo prazo, pois, sem apoio da comunidade, sem orientação e, em muitas situações, sem a ajuda da própria família, o jovem casal, sem qualquer preparo para a vida conjugal, estará separado em 1 ou 2 anos no máximo. Estou, neste momento, com um caso deste na igreja, herdado de outra “comunidade”...

Quer falar sério sobre o tema? Quer tratar a situação com coragem? Então vamos às Escrituras. Qual o padrão bíblico para casamento? Vou simplificar: deixar pai e mãe, ou seja, possuir capacidade de romper os vínculos emocionais e financeiros com a família; voto público, que é assumir para a sociedade, seja pela via do casamento civil ou do religioso, que os dois passam a constituir uma família, com todas as implicações vigentes; e, finalmente, manter relação sexual.

Nos dias de Isaque e Rebeca a coisa era assim, muito simples. O garoto começava a se coçar demais, olhava as cabras de forma estranha, e aí o Pai, macaco-velho, dizia: “este menino está precisando casar”. Arrumava-se uma noiva, da parentela mesmo ou da vizinhança, desde que fosse da mesma fé, o pai doava ao filho um pedaço de terra, meia dúzia de cabras, uma vaca leiteira e pronto! O sujeito entrava na cabana com sua “gazela” e estava tudo consumado. Que benção!

E como é hoje? O menino e a menina chegam aos 15, 16, 17 anos e começam a namorar. Estão terminando o ensino médio e ainda terão pela frente o vestibular e 4 ou 5 anos de faculdade. Vencida esta etapa precisarão trabalhar, conseguir um bom emprego. Em seguida, vão comprar um carro legal, depois o apartamento financiado e, só então, poderão pensar em se casar. E olha que eu estou falando de jovens cristãos sérios, que começaram a namorar com o propósito de, um dia, se casarem. Mas, convenhamos, eles são à exceção da exceção da exceção!

Ora, eu sei, por experiência, que a grande maioria da meninada quer é curtir a vida, “ficar” bem muito ao invés de namorar, que dá muito mais trabalho, transar o tanto que puder, pois muitas relações darão mais experiência – trágico equívoco – e, só quando se estiver chegando na casa dos 30 é que começarão a desacelerar o “motor” para pensar em constituir algo sério, ou seja, casar.

Agora, uma questão: pensando no primeiro exemplo, o do jovem casal cristão sério, que começou a namorar cedinho, o que eles farão para segurar os hormônios nesta sociedade erotizada na qual vivemos, onde propaganda de pneu tem mulher pelada? Me responda mesmo: dos 15 até chegarem aos 30 anos, quando estarão em condições, dentro dos padrões estabelecidos em nossa cultura, para se casar, como eles lidarão com estas questões? Vão jejuar e orar? Ora meu mano, faça-me o favor... Você fez isso?

Aí vem a igreja, e seus ilustres representantes, naquela santidade medieval, e diz para o casalzinho: “olha, vocês devem se guardar um para o outro. Sexo antes do casamento é pecado, viu?”. E fica a meninada com a pulha na cabeça: transar ou não transar, eis a questão! E ainda tem umas almas sebosas que dizem: “quem estiver abrasado, então que se case”. Ótima solução! Quero eu lhe dizer que o sujeito não está abrasado não, ele está em chamas já há muito tempo! Isso é que é fogo!

Na verdade, em determinadas circunstâncias, só existem dois caminhos: como pastor, sei o que estou afirmando: ou o cara deixa a namorada “em paz” e vai para a internet ver sacanagem de todo tipo e, como o pecado só se aprofunda, pois “um abismo chama outro abismo”, mas cedo ou mais tarde ele estará com prostitutas em sua cama, ou vai transar com a “irmãzinha” e ficarão os dois num complexo de culpa sem fim, pois recairá sobre eles toda a ortodoxia protestante dogmática e fundamentalista pregada e inoculada em suas mentes durante anos. Estou exagerando?!

“Alegre-se, jovem, na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude! Siga por onde seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas essas coisas Deus o trará a julgamento”. Ec. 11:9.

Estou eu aqui aconselhando os casais de namorados a transar? Não coloquem palavras em minha boca! Sou defensor de uma teologia liberal e por isso não levo em consideração os preceitos de santidade das Escrituras? Vocês não me conhecem para afirmar isto. Então, o que estou querendo dizer, afinal? Duas coisas: discernirmos o tempo em que vivemos, com todas as suas idiossincrasias, e investirmos na formação de uma geração que tenha uma consciência compatível com o Espírito do Evangelho. O mais, queira me desculpar, é tapar o sol com a peneira, é tratar da conseqüência, e não da causa, é jogar o “lixo” para debaixo do tapete.

O texto de Eclesiastes nos dá uma dica do que podemos fazer! Ensinar os jovens! Podemos dizer-lhes “façam suas escolhas, tracem seus caminhos, sigam suas rotas, construam seus mapas, aproveitem a vida! Mas saibam: tudo na existência humana tem conseqüência, pois há um princípio bíblico que afirma que aquilo que o homem semear, isto também ceifará”. Fato é que Deus criou o sexo e o casamento com um propósito e, só imersos em Sua vontade, nos realizaremos em nossa sexualidade e conjugalidade.

Olha moçada, namorar com 10, 20, 30 pessoas diluirá sua alma, banalizará em seu coração o significado de relacionamento, tornará o sexo coisa trivial e não aquilo para o qual ele foi concebido. Você perderá todas as referências sobre lealdade, amizade, cumplicidade e, dificilmente, será capaz de construir uma família sadia, um casamento bem sucedido, uma relação para toda a vida, pois a frase “que seja eterno enquanto dure”, fica linda do ponto de vista da poesia, mas, existencialmente falando, é um desastre sem precedentes.

Sei que este é um tema que ninguém quer tratar, ou escrever, pois é “nitroglicerina” pura! Almocei hoje com um amigo que me disse: “tu vais mexer nisso?”. Eis aí um de nossos problemas: evitar lidar com o que está diante de nossos olhos! A igreja, no que diz respeito a estas questões sexuais, e olha que eu estou só levantando a ponta do iceberg, prefere coar o mosquito e engolir o tiranossauro rex, é viver no “faz de conta”.

Se eu tenho a solução? Ora, isso é um problema que cada um deve lidar, pois cada um construirá na terra seu caminho com Deus e isso conforme sua própria consciência. Fico impressionado como crente gosta de fórmulas feitas para resolver suas questiúnculas. Agora, quanto a mim, perdoem-me a sinceridade, prefiro engolir o mosquito e, de preferência, com Coca-Cola.

Autor: Pastor Carlos Moreira

Fonte: Fato Pensado

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Livros escolares criticam a Criação e elogiam Darwin

O Ministério da Educação (MEC) aprovou livros didáticos para o ensino fundamental que contêm parcialidade ideológica. As obras criticam o criacionismo e elogiam a teoria da evolução de Charles Darwin. A aprovação vai contra a exigência do próprio ministério de que as obras escolares não tenham doutrinação ideológica. Um dos livros, História e Vida Evolucionária, enumera diversos problemas do criacionismo, como a impossibilidade de se provar cientificamente que Deus exista e que Ele seja o Designer por trás da complexidade observada na natureza. A obra cita ainda os supostos “erros” encontrados na Bíblia. Por fim, o livro diz que “um aspecto pode ser levantado como positivo”, citando cientistas que criam em Deus e na Bíblia e fundaram o método científico.

Em relação a Darwin, o mesmo livro cita a ampla aceitação das ideias do naturalista inglês e sugere que, pelo fato de ele ter tanta popularidade, suas ideias devem mesmo ser as corretas em todos os sentidos. As fraudes, falácias e distorções praticadas em nome da teoria da evolução são citadas ao lado de uma série de dados positivos.

Já o livro Evolução em Documentos afirma que a predominância da cosmovisão naturalista e do darwinismo é resultado do contexto histórico em que a teoria de Darwin se desenvolveu e de pressupostos filosóficos que nada têm que ver com o naturalismo metodológico em si, e que o sucesso da teoria também depende de sua ampla divulgação como “verdade científica” pela mídia e nos círculos acadêmicos.

Em dois livros aprovados pelo MEC, os autores criticam o criacionismo, sem contrabalançar com argumentos criacionistas que têm amparo em dados científicos. Na apresentação do darwinismo, dois livros não citam as inconsistências epistêmicas do modelo e ignoram as discussões filosóficas sobre o assunto.

“Em anos recentes, há que se destacar, por outro lado, a onda de denúncias de falsas evidências evolutivas apresentadas com alarde na mídia e desmentidas, depois, com discrição.”

Uma das poucas críticas feitas a Darwin diz que ele demonstrou que existe, sim, diversificação de baixo nível (“microevolução”), mas que isso jamais poderia explicar a tese nunca empiricamente demonstrada de que uma célula poderia se transformar numa baleia.

(Tá bom, eu admito que o texto acima é a paródia de uma notícia igualmente vergonhosa. Confira aqui. – MB)

Fonte: Criacionismo

domingo, 1 de maio de 2011

Estudantes de biologia rejeitam a teoria de Darwin

O Times Education Supplement (TES) tem hoje um artigo interessante acerca de um estudo sobre estudante de biologia da universidade de Glasgow, que rejeitam a teoria de Darwin. O artigo afirma que o estudo “pode sugerir uma consciência crescente do movimento do desing inteligente entre os alunos do secundário.”

É um artigo objetivo, com o ex-Diretor de Educação da BBC Alastair Noble a dar a sua visão sobre a investigação:

Alastair Noble, diretor do Centro para Desing Inteligente, disse que se a mensagem da pesquisa foi a de que os alunos devem ter mais oportunidade de avaliar as evidências científicas para as várias posições em torno de origens, ninguém irá discordar disso. Ele disse que a definição do estudo para o desing Inteligente foi imprecisa e demasiado simplista, embora ele não se tenha surpreendido com os altos níveis de consciência em relação ao desing inteligente –ao contrário da evolução, ele é intuitivo e é também “uma posição não-dogmática, não-religiosa que tenta explicara sofisticação que encontramos em sistemas vivos e naturais em temos de mente,assim, como em termos de matéria e energia.”(Anika Smith)

Fonte: Desing Inteligente

Três novos cursos bíblicos on-line gratuitos

A Novo Tempo lança três novos cursos bíblicos on-line gratuitos: Descobertas Bíblicas, Desvendando a Profecia e Princípios.

O curso Descobertas Bíblicas é indicado para quem busca um conhecimento básico da Palavra de Deus. De fácil compreensão, ele apresenta os principais temas da Bíblia em 26 lições, que formam a base de conhecimento para quem deseja avançar na pesquisa bíblica.

Desvendando a Profecia é um curso bíblico sobre o Apocalipse com 17 lições. Elaborado por teólogos como, Luís Gonçalves, Rodrigo Silva, Rafael Rossi, Cirilo Gonçalves, Michelson Borges, Roberto Motta, José Carlos Ramos e Welington Barbosa, o estudo vai facilitar sua compreensão das profecias bíblicas. Conheça e entenda o contexto profético em que vivemos.

O estudo Princípios oferece respostas às perguntas mais intrigantes em 23 temas atuais. Com uma linguagem atrativa, assuntos de importância fundamental para a vida e para o futuro são apresentados de forma didática.Tema após tema, mostra ao aluno uma realidade que sempre esteve ao seu redor, mas era desconhecida. O conhecimento desde o “princípio”, à luz de “princípios” que são eternos agora, ao alcance de todos.

Os novo cursos (e outros temas) estão disponíveis no site bibliaonline.net. Acesse e divulgue.

Brasil é 3º país onde mais se crê em Deus, aponta pesquisa

O Brasil foi o terceiro país em que mais se acredita em “Deus ou em um ser supremo” em uma pesquisa conduzida em 23 países.

A pesquisa, feita pelo empresa de pesquisa de mercado Ipsos para a agência de notícias Reuters, ouviu 18.829 adultos e concluiu que 51% dos entrevistados “definitivamente acreditam em uma ‘entidade divina’ comparados com os 18% que não acreditam e 17% que não tem certeza”.

Brasil está entre as nações que mais acreditam em Deus

O país onde mais se acredita na existência de Deus ou de um ser supremo é a Indonésia, com 93% dos entrevistados. A Turquia vem em segundo, com 91% dos entrevistados e o Brasil é o terceiro, com 84% dos pesquisados.

Entre todos os pesquisados, 51% também acreditam em algum tipo de vida após a morte, enquanto que apenas 23% acreditam que as pessoas param de existir depois da morte e 26% “simplesmente não sabem”.

Entre os 51% que acreditam em algum tipo de vida após a morte, 23% acreditam na vida após a morte, mas “não especificamente em um paraíso ou inferno”, 19% acreditam “que a pessoa vai para o paraíso ou inferno”, outros 7% acreditam que “basicamente na reencarnação” e 2% acreditam “no paraíso, mas não no inferno”.

Nesse mesmo quesito, o México vem em primeiro lugar, com 40% dos entrevistados afirmando que acreditam em uma vida após a morte, mas não em paraíso ou inferno. Em segundo está a Rússia, com 34%. O Brasil fica novamente em terceiro nesta questão, com 32% dos entrevistados.

Mas o Brasil está em segundo entre os países onde as pessoas acreditam “basicamente na reencarnação”, com 12% dos entrevistados. Apenas a Hungria está à frente dos brasileiros, com 13% dos entrevistados. Em terceiro, está o México, com 11%.

Entre os que acreditam que a pessoa vai para o paraíso ou para o inferno depois da morte, o Brasil está em quinto lugar, com 28%. Em primeiro, está a Indonésia, com 62%, seguida pela África do Sul, 52%, Turquia, 52% e Estados Unidos, 41%.

As discussões entre evolucionistas e criacionistas também foram abordadas pela pesquisa do instituto Ipsos.

Entre os entrevistados no mundo todo, 28% se definiram como criacionistas, acreditam que os seres humanos foram criados por uma força espiritual como o Deus em que acreditam e não acreditam que a origem do homem viesse da evolução de outras espécies como os macacos.

Nesta categoria, o Brasil está em quinto lugar, com 47% dos entrevistados, à frente dos Estados Unidos (40%). Em primeiro lugar está a Arábia Saudita, com 75%, seguida pela Turquia, com 60%, Indonésia em terceiro (57%) e África do Sul em quarto lugar, com 56%.

Por outro lado, 41% dos entrevistados no mundo todo se consideram evolucionistas, acreditam que os seres humanos são fruto de um lento processo de evolução a partir de espécies menos evoluídas como macacos.

Entre os evolucionistas, a Suécia está em primeiro lugar, com 68% dos entrevistados. A Alemanha vem em segundo, com 65%, seguida pela China, com 64%, e a Bélgica em quarto lugar, com 61% dos pesquisados.

Entre os 18.829 adultos pesquisados no mundo todo, um total de 18% afirmam que não acreditam em “Deus, deuses, ser ou seres supremos”.

No topo da lista dos descrentes está a França, com 39% dos entrevistados. A Suécia vem em segundo lugar, com 37% e a Bélgica em terceiro, com 36%. No Brasil, apenas 3% dos entrevistados declararam que não acreditam em Deus, ou deuses ou seres supremos.

A pesquisa também concluiu que 17% dos entrevistados em todo o mundo “às vezes acreditam, mas às vezes não acreditam em Deus, deuses, ser ou seres supremos”.

Entre estes, o Japão está em primeiro lugar, com 34%, seguido pela China, com 32% e a Coréia do Sul, também com 32%. Nesta categoria, o Brasil tem 4% dos entrevistados.

Fonte: BBC Brasil

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails