quarta-feira, 16 de março de 2011

Humanos chegarão a 9 bilhões em 2050 sem alimento

A indústria de alimentos está em crise no início de 2011. Os preços dos alimentos sobem acima do pico que atingiram em 2008 – época em que milhares de pessoas caíram na pobreza. Na época, exportadores foram proibidos de vender grãos no exterior. Desta vez também houve proibições de exportação, pânico e controles de preços de emergência, assim como em 2008. Temores de que a seca possa arruinar a safra de trigo da China - a maior do mundo - estão enviando ondas de choque através dos mercados mundiais. O descontentamento com a alta dos preços tem desempenhado um papel importante nas revoltas populares em todo o Oriente Médio. Há grandes diferenças entre os dois períodos, mas o fato de a agricultura ter vivenciado dois picos nas altas dos preços sugere que alguma coisa realmente séria está balançando a cadeia alimentar do mundo. Por anos os programas mais populares em países de língua inglesa foram sobre culinária. O historiador norte-americano, Livy, diz que o Império Romano começou a decair quando os cozinheiros adquiriram títulos de celebridades.

No encontro dos oito países industrializados, em 2009, os líderes colocaram o assunto da comida ao lado da crise financeira mundial, em sua lista de prioridades. Prometeram encontrar US$ 20 bilhões para disponibilizar a agricultura ao longo de três anos. Este ano, o atual presidente do G20, o francês Nicolas Sarkozy, pretende fazer dos alimentos sua principal prioridade.

No mês passado o Fórum Econômico Mundial – um encontro de empresários e políticos, em Davos, com 17 empresas mundiais – descreveu como “uma nova visão para a agricultura”, prometendo fazer mais pelos pequenos agricultores. Um forte sinal do crescente alarme no setor privado.

A era de comida barata chegou ao fim. Uma combinação de fatores - crescente demanda na Índia e China; uma mudança na dieta alimentar dos cereais para a carne e vegetais; um aumento do uso do milho como combustível; e desenvolvimentos fora da agricultura, como a queda do dólar - têm levado a um período próximo de 1970, quando o preço real dos alimentos caiu ano após ano.

Tudo apareceu como um choque. Na década de 90, a maioria dos problemas agrícolas pareciam resolvidos. As produções cresceram, as pestes foram controladas e os adubos recuperaram as terras cansadas. As áreas que para as quais a ciência da vida voltou suas pesquisas não são mais as plantas, mas coisas como HIV e Aids.

O fim da era da comida barata coincidiu com a crescente preocupação com as perspectivas de alimentar o mundo. A população mundial deve chegar a sete bilhões em 2011. Os preços aumentam em meio a milhões de pessoas mergulhadas na pobreza, que gastam mais da metade da sua renda em alimentos. O número de pessoas abaixo do nível de pobreza, que vinha caindo desde os anos 90, voltou a crescer acentuadamente em 2007. Isso parece sugerir que o mundo ainda não pode alimentar sua população atual. Menos ainda os 9 bilhões esperados para 2050.

Como o mundo enfrentará os próximos quatro anos ainda é uma dúvida. Como o alimento é importante, a agricultura, mais do que qualquer outra forma de atividade econômica, espera atingir uma série de concorrentes e metas que possam mudar com o tempo e o lugar. O mundo olha para os agricultores para que façam mais do que simplesmente produzir alimentos. A agricultura é a questão central na redução da fome e antecipa o caminho para muitas pessoas saírem da pobreza. O alimento é, provavelmente, a maior influencia na saúde das pessoas, embora em formas radicalmente diferentes em países pobres e ricos, onde o grande problema é a obesidade.

(Opinião e Notícia)

Nota: Além dos terremotos ocorrendo em vários lugares (Mt 24:7), a Bíblia afirma que a fome (entre outras mazelas “naturais” e sociais) também é um dos sinais de que a volta de Jesus está próxima (ibidem).[Michelson Borges]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails