quinta-feira, 31 de março de 2011

Descoberta pode ajudar a reescrever história cristã

Uma antiga coleção de 70 livros pequenos, cada um com 5 a 15 páginas de chumbo, pode desvendar alguns segredos dos primórdios do cristianismo. Para os estudiosos de religião e de história, trata-se de um tesouro sem preço. Ziad Al-Saad, diretor do Departamento de Antiguidades da Jordânia chegou a dizer que pode ser a “descoberta mais importante da história da arqueologia”. Embora ainda estejam divididos quanto à sua autenticidade, especialistas acreditam que se trata da maior descoberta da arqueologia bíblica desde que foram encontrados os Rolos do Mar Morto, em 1947. Os livros foram descobertos há cinco anos em uma caverna (foto) em uma região remota da atual Jordânia. Acredita-se que pertenciam a cristãos que fugiram após a queda de Jerusalém no ano 70 d.C. Documentos importantes do mesmo período já foram encontrados no mesmo local. [Leia mais]

Fonte: Criacionismo.com

quarta-feira, 30 de março de 2011

Mãe missionária torce para Maria ganhar

Coração de mãe não se engana. E ai de quem evocar o Youtube ou as páginas da internet para macular a imagem de Maria. Médica cardiologista e missionária da Igreja do Evangelho Quadrangular, Alicia Inês Jurado não dá bola para o que dizem e o que mostram da filha. “Ela vai à praia da mesma maneira que saiu na revista, não tem nada demais naquelas fotos dela. Eu é que não posso tirar a roupa por aí porque sou religiosa. Sou missionária evangélica, mas ela não”, explica. Alicia não sabe, não quer saber e (quase) tem raiva de quem sabe sobre acusações de que Maria foi garota de programa ou fazia strip-tease em sites pagos de pornografia. O que a argentina naturalizada brasileira sabe, e tem convicção, é da vitória da filha. “Está escrito. Um ‘vaso de Deus’, que é como é chamada uma pessoa abençoada com o dom de receber mensagens do Senhor, me revelou que ela receberia o prêmio”, afirma.

Alicia diz que, por enquanto, não pode contar detalhes da revelação divina, mas promete: “Quando acabar o programa eu vou divulgar exatamente como foi. O Senhor revela aos profetas as coisas antes de acontecerem. Em 13 de janeiro de 2010, um paciente me disse o que ia acontecer. Não posso falar mais. Isso me foi revelado pela minha fé”, explica a mãe de Maria.

Como mãe, Alicia quer o melhor para a filha. E, a exemplo do pai de Wesley, ela também não está lá muito satisfeita com o rumo que o namoro está tomando. Particularmente depois das frases do provável “futuro sogro” de Maria, que, em entrevista ao site de Veja, confessou seu desapontamento com a vida pregressa da “sister”. “A formação dele é diferente da minha, talvez por isso ele não entenda a profissão da Maria. Eu sempre entendi e respeitei, é assim que nossa família procede. A dele não sei”, afirma, pondo uma pedra sobre o assunto.

Alicia só reconhece um trabalho de Maria: o ensaio sensual da filha para a Revista Vip, publicado em 2008. “Foi nu artístico”, esclarece, admitindo que, depois do BBB, Maria deve voltar a posar. “Se a Playboy oferecer um milhão para ela posar e ela quiser aceitar, eu vou apoiar. Quem sou eu para ser contra? É a profissão dela e eu respeito”, avisa.

(Veja)

Nota: Missionários que não conhecem a Bíblia e a religião que dizem defender (no caso, o cristianismo) dão péssimo testemunho da fé e denigrem a mensagem cristã. Com a visão de mundo que essa mãe possui, não admira que a filha tenha enveredado por caminhos tortuosos. Evidentemente que ela tem que aceitar as decisões da filha maior, mas jamais deveria apoiá-la nisso, visto que o caminho da licenciosidade sempre traz tristes consequências para as pessoas. Como missionária cristã, Alicia deveria saber disso. Em lugar dela, eu diria (para Maria) que amo minha filha incondicionalmente, não aprovaria a conduta dela e oraria todos os dias para que ela se arrependesse da vida vazia, materialista e pervertida que escolheu. Uma mãe de verdade (e nem precisa ser missionária) faria isso.[Michelson Borges]

terça-feira, 29 de março de 2011

Um novo começo. Testemunho do cantor Marquinhos Maraial.


Emocionante história do cantor e compositor, dando o seu testemunho de que fama, dinheiro, posição previlegiada, amigos ricos e famosos, nada disso nos tras a felicidade, um video muito emocionante, que mostra que quando Deus entra em nossa vida tudo se transforma, a alegria toma conta de todo o nosso ser e de nossos queridos.Vale a pena seguir esse Deus maravilhoso.

Marquinho Maraial compôs para a Banda Calipso, uma das bandas mais populares do carnaval, Luan Santana e Ivete Sangalo (Química do Amor) e de muitos outros cantores como Daniel (Jogado na Rua), Araketu (Carta Branca), Bruno e Marrone (Me Namora), Kelly Key (Xamego e Xaveco), Magnificos (paixão virou checlete, Amor amo você.., ), Calcinha preta ( tudo denovo, Coração vagabundo, Xeque mate..,), Caviar Com Rapadura( Viver por você, Amoremio, Isso é Amor..,), Aviões do forró (Quem que beber, Comendo Agua, Fazer valer..,), Limão com Mel (ainda é tempo, veneno..,)...

Médicos alertam para uso do Facebook e depressão entre jovens

O alerta de um grupo de médicos influentes dos EUA adicionou o termo "depressão Facebook" aos possíveis danos relacionados às redes sociais, em referência a uma condição que pode afetar adolescentes obcecados pelo site.

As novas diretrizes para redes sociais da American Academy of Pediatrics, associação norte-americana de pediatria, foram publicadas nesta segunda-feira no periódico "Pediatrics".

Alguns pesquisadores discordam da decisão. Para eles, o problema pode ser uma extensão da depressão que algumas crianças sentem em outras circunstâncias, ou uma condição distinta ligada ao uso do site. [Leia a reportagem completa aqui.]

NT Repórter

O mundo muda constantemente, e o novo programa da TV NOVO TEMPO apresenta essas mudanças em reportagens especiais! Fique por dentro de assuntos que transformam o mundo, e aprenda mais. Visite www.novotempo.com/ntreporter

Dez estratégias para ler artigos acadêmicos

1. Artigo científico não é para ser memorizado;

2. A leitura de artigos científicos não deve ser de capa a capa; tenha liberdade de ler a parte que mais lhe interessa;

3. Faça marcações em palavras, frase ou parágrafos que sejam interessantes para seu uso (numa revisão bibliográfica ou simplesmente para alguma consulta mais adiante);

4. Escreva no próprio artigo alguma ideia ou o que for preciso. Não tenha medo de escrever no seu artigo. Anotações em artigos, livros e revistas, fazem parte do processo de leitura (aprendizagem);

5. Arquive os artigos já lidos em lugar de fácil acesso;

6. Inicie sua leitura pelo Título e, em seguida, vá para o Resumo; depois, escolha que direção tomar;

7. Quando o resumo transmite informação suficiente sobre algo de que você já tem conhecimento, você poderá até pular a Introdução e ir direto para as Conclusões;

8. Tente ler sempre o original (impresso ou no computador); às vezes, fotocópias podem mascarar alguma linha em gráfico ou algum detalhe em fotografias ou radiografias;

9. Não hesite em marcar todas as palavras ou frases que você não entenda; marque TODAS (com um marca texto) e depois da leitura utilize um dicionário técnico para tentar entender as palavras desconhecidas;

10. Haverá 'coisas' no artigo que você não entenderá (uma palavra, uma expressão, um método) mesmo depois de buscar seu significado em dicionário, faça um grande favor a você mesmo: releia o artigo, seção por seção, e então você verá, como será mais fácil desta vez.

*




Autor: Italo de Souza Aquino
Editora: Saraiva
Páginas: 112
Quanto: R$ 23,92 (preço promocional)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha




Fonte: Desafiando a Nomenklatura Científica

Dinossauro é encontrado em campo petrolífero

Os campos petrolíferos do Canadá forneceram mais do que óleo cru neste mês. O fóssil de um anquilossauro, herbívoro que se distingue pela carapaça nas costas, foi achado em Alberta. Um trabalhador da empresa de exploração Suncor Energy viu o dinossauro na última quarta-feira e avisou os responsáveis. Por uma sorte do acaso, o homem havia visitado a ala sobre os animais pré-históricos do museu Royal Tyrrell algumas semanas antes. A descoberta surpreendeu porque se estima que a região era coberta totalmente pela água milhões de anos atrás [segundo a cronologia evolucionista]. “Nunca vimos um dinossauro nessa localidade”, conta o curador do Museu Royal Tyrrell, Donald Henderson. “A área era um oceano, e a maior parte dos achados são de invertebrados como moluscos e ammonites.” O anquilossauro deveria ter cerca de cinco metros de comprimento e outros dois de largura. Ao contrário de outros fósseis, não estava incrustado em sedimentos rochosos e apresenta boas condições. O último fóssil de grandes proporções já registrado em Alberta foi de um peixe-réptil gigante, o ichthyossauro, localizado dez anos atrás perto de Fort McMurray.

(Folha.com)

Nota: Um anquilossauro herbívoro sepultado em petróleo juntamente com moluscos como amonitas e em boas condições. Vamos esperar para ver qual será a explicação darwinista para esse “fóssil anômalo”.[Michelson Borges]

segunda-feira, 28 de março de 2011

Quem criou o Criador?


Entrevista com John Lennox, professor de matemática da Universidade de Oxford.

Nota: Clique aqui e conheça a teoria matemática de René Descarte sobre a "Prova da existência de Deus".

“Charles Darwin estava errado”

O americano Samuel Bowles, 71 anos, é dono de um currículo invejável. Ph.D em economia pela Universidade Harvard, onde também foi professor durante quase uma década, atualmente ele dirige o Programa de Ciências Comportamentais do Instituto Santa Fé, na capital do Novo México, e leciona na Universidade de Siena, na Itália. Autor de diversos livros, Bowles foi conselheiro econômico em Cuba, na Grécia, do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela e dos ex-candidatos à presidência dos Estados Unidos Robert F. Kennedy e Jesse Jackson. Seus estudos sobre a evolução genética e cultural dos humanos têm repercutido em publicações de prestígio, como as revistas Nature e Science, porque põem em dúvida nada menos do que a teoria da evolução, de Charles Darwin, e a ideia de que os homens são inteiramente egoístas. “O comportamento humano é muito mais complexo do que a teoria da evolução supõe”, diz Bowles. “A seleção natural pode, sim, produzir espécies altruístas e cooperativas.” [Leia a entrevista aqui]

sexta-feira, 25 de março de 2011

Estudo aponta agrotóxico em leite materno em Mato Grosso

Fonte: Pelicano

O leite materno de mulheres de Lucas do Rio Verde, cidade de 45 mil habitantes na região central de Mato Grosso, está contaminado por agrotóxicos, segundo uma pesquisa da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso), informa a reportagem de Natália Cancian e Marília Rocha publicada na Folha (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

Foram coletadas amostras de leite de 62 mulheres, 3 delas da zona rural, entre fevereiro e junho de 2010. O município é um dos principais produtores de grãos do Estado.

A presença de agrotóxicos foi detectada em todas. Em algumas delas havia até seis tipos diferentes do produto.

Essas substâncias podem pôr em risco a saúde das crianças, diz o toxicologista Félix Reyes, da Unicamp. "Bebês em período de lactação são mais suscetíveis, pois sua defesa não está completamente desenvolvida."

Ele ressalta, porém, que os efeitos dependem dos níveis ingeridos. A ingestão diária de leite não foi avaliada, então não é possível saber se a quantidade encontrada está acima do permitido por lei.

Fonte: Folha online

"Japão III"

Fonte: Aroeira

GRANDES NOMES CRISTÃOS - XV

James Clerk Maxwell (1831-1879), físico e matemático

"Juntamente com a Assembléia de Westminster e todos que a precederam eu creio que 'o fim principal do homem é glorificar a Deus e apreciá-lo para sempre.'"

O que mostra o melhor exemplo de “evolução”?

Desde a época de Darwin, os biólogos reconhecem a evolução da vida. Porém, nos últimos 25 anos, alguns pesquisadores argumentam que certos organismos são melhores em evoluir do que outros pelas diferenças de seus genomas. As espécies com menos probabilidade de evoluir, em contraste, são rígidas demais para tirar vantagem das novas mutações ou para encontrar novas soluções para a sobrevivência. Muitos biólogos concordam que a capacidade de evoluir faz sentido na teoria. No entanto, encontrar evidências no mundo natural tem se mostrado difícil. Parte do problema é que a seleção natural pode levar um longo tempo para agir numa espécie. Também é difícil para os pesquisadores identificarem as mutações por trás da evolução. Mas na edição mais recente da Science, uma equipe de pesquisadores relata um exemplo detalhado sobre a capacidade evolutiva em ação, que ocorreu bem diante de seus olhos num laboratório. “Acho um trabalho brilhante”, diz um dos pesquisadores líderes sobre a capacidade evolutiva, Massimo Pigliucci, professor do Lehman College no Bronx, Nova York.

O novo estudo surgiu a partir do experimento contínuo mais duradouro sobre a evolução, iniciado em 1988 quando Richard E. Lenski, hoje na Universidade do Estado de Michigan, colocou em 12 frascos cópias idênticas de Escherichia coli. Ele e seus colegas cultivaram a bactéria com uma dieta escassa de glicose desde então. Ao longo das 52 mil gerações, a bactéria se adaptou ao ambiente peculiar. A cada 500 gerações, Lenski e seus colegas congelam algumas das bactérias, que podem ser aquecidas para serem comparadas a seus descendentes evoluídos [melhor seria dizer “adaptado”].

Lenski e seus colegas selecionaram uma das 12 linhagens para um estudo mais próximo. “Queríamos rastrear a ordem nas quais as mutações apareciam e tirar um sentido disso”, conta. Os cientistas observaram que, após 500 gerações, dois tipos de E. coli eram dominantes no frasco, cada uma com um conjunto distinto de mutações. No entanto, após mil gerações, apenas um tipo permaneceu. Lenski e seus colegas o batizaram de “ganhadores”.

Eles quiseram demonstrar o curso dessa vitória sobre os perdedores e aqueceram ambos os tipos da 500ª geração, e fizeram com que competissem entre si. Os cientistas esperavam que o resultado fosse uma conclusão inevitável: os vencedores já estariam mostrando sua superioridade. Ainda assim, o experimento foi feito em nome da exatidão. “Queríamos colocar os pingos nos is”, explica Lenski.

Para surpresa dos pesquisadores, eles estavam errados. Na 500ª geração, os supostos perdedores eram muito superiores, crescendo 6,5% mais rápido do que os que seriam vencedores. Nesse ritmo, eles levariam os supostos vencedores à extinção em 350 gerações. [...]

(Folha.com)

Nota: Antes de mais nada, é bom destacar o fato de que a pesquisa acima lida apenas com a diversificação de baixo nível (“microevolução”), já que, depois de milhares de gerações, as bactérias continuam sendo bactérias. Como sempre, falta esclarecer ao leitor o que os cientistas e os jornalistas querem dizer quando empregam o termo “evolução”. Além disso, a admissão inicial de que “encontrar evidências [de evolução] no mundo natural tem se mostrado difícil” é bem-vinda.[Michelson Borges]

Criacionistas realizam encontro em abril em Brasília

A Sociedade Criacionista Brasileira (SCB) promove, nos próximos dias 1º e 2 de abril, mais uma edição do seminário “A Filosofia das Origens”, desta vez na capital federal, Brasília. O local será o auditório Ulysses Guimarães, da Universidade Paulista (Unip). Estão confirmadas as presenças de especialistas como o médico Carlos Gama Michel, a engenheira eletricista Daniela Simonini Teixeira, o físico Eduardo Lütz, o geólogo Marcos Natal de Souza Costa, o farmacêutico Marcus Vinicius da Silva Coimbra, a bióloga Queila de Souza Garcia, e o químico Tarcísio Vieira. A grade de palestras pode ser vista aqui. Para os que se interessam em saber mais sobre o conflito entre criacionismo e evolucionismo, na edição de dezembro de 2010 da Revista Adventista foi publicado um artigo intitulado “Criacionismo e Evolucionismo”, de autoria do geólogo Nahor Neves Souza Jr., doutor em Engenharia pela USP, diretor da filial brasileira do Geoscience Research Institute e professor no Centro Universitário Adventista (Unasp), campus Engenheiro Coelho, SP. No artigo, o geólogo define o criacionismo bíblico, faz a diferenciação exata em relação ao evolucionismo e ainda relaciona, com informações provenientes de pesquisas, as recentes catástrofes (como terremotos e tsunamis) com o dilúvio registrado no livro de Gênesis. Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

(Felipe Lemos, ASN)

Quando Ele vier, encontrará fé na Terra?

Uma pesquisa baseada em dados do censo e projeções de nove países ricos constatou que a religião poderá ser extinta nessas nações. Analisando censos colhidos desde o século 19, o estudo identificou uma tendência de aumento no número de pessoas que afirma não ter religião na Austrália, Áustria, Canadá, República Checa, Finlândia, Irlanda, Holanda, Nova Zelândia e Suíça. Através de um modelo de progressão matemática, o estudo, divulgado em um encontro da American Physical Society, na cidade americana de Dallas, indica que o número de pessoas com religião vai praticamente deixar de existir nesses países. “Em muitas democracias seculares modernas, há uma crescente tendência de pessoas que se identificam como não tendo uma religião; na Holanda, o índice foi de 40%, e o mais elevado foi o registrado na República Checa, que chegou a 60%”, afirmou Richard Wiener, da Research Corporation for Science Advancement, do departamento de física da Universidade do Arizona.

O estudo projetou que na Holanda, por exemplo, até 2050, 70% dos holandeses não estarão seguindo religião alguma.

A pesquisa seguiu um modelo de dinâmica não linear que tenta levar em conta fatores sociais que influenciam uma pessoa a fazer parte de um grupo não religioso. A equipe constatou que esses parâmetros eram semelhantes nos vários países pesquisados, resultando na indicação de que a religião neles está a caminho da extinção.

“É um resultado bastante sugestivo”, disse Wiener. “É interessante que um modelo tão simples analise esses dados... e possa sugerir uma tendência.” “É óbvio que cada indivíduo é bem mais complicado, mas talvez isso se ajuste naturalmente”, disse ele.

(Estadão)

Nota: Até na descrença os seres humanos cumprem a profecia bíblica: “Quando vier o Filho do homem, porventura achará fé na Terra?” (Lc18:8). [Michelson Borges]

Mecanismo molecular da fecundação

Um mecanismo molecular que ajuda o espermatozoide humano a detectar e chegar até os óvulos está descrito em dois artigos publicados nesta quinta-feira (17/3) no site da revista Nature. De acordo com a publicação científica, as pesquisas destacam o papel de um inusitado canal de íons e poderá ajudar no desenvolvimento de novas classes de anticoncepcionais não hormonais. Os estudos independentes foram conduzidos pelo grupo de Yuriy Kirichok, na Universidade da Califórnia em San Francisco, Estados Unidos, e por Benjamin Kaupp, do Center of Advanced European Studies and Research, e colegas. Células do cúmulos (que envolvem os óvulos) liberam progesterona, que induz o influxo de íons de Ca2+ (cálcio) nos espermatozoides. A progesterona é um hormônio esteroide produzido, a partir da puberdade, pelo corpo lúteo (que também libera estrógeno) e pela placenta durante a gravidez. O influxo de íons de Ca2+ leva a um aumento na atividade dos espermatozoides e estimula o movimento da célula reprodutiva masculina em direção ao óvulo.

Os novos estudos ajudam a esclarecer os mecanismos desse processo. Os dois grupos demonstraram que a progesterona ativa um canal de cálcio sensitivo ao pH chamado CatSper, o que causa um rápido influxo de íons de cálcio nos espermatozoides.

Como outros hormônios esteroides, a progesterona atua normalmente por meio de um receptor intracelular, mas as novas pesquisas destacam que, nos espermatozoides, o hormônio feminino pode sinalizar por meio de um mecanismo não genômico.

Se a ativação do CatSper é o único efeito da progesterona na sinalização de Ca2+ é algo que futuras pesquisas poderão esclarecer.

Fonte: Agência Fapesp

Nota: Sempre me chama atenção o fato de não serem mencionadas “explicações” darwinistas para certos processos, quando o assunto envolve complexidade em níveis extremos (o mesmo ocorre com o sensacional artigo “Por que a mãe não rejeita o feto”, que eu comentei aqui). Afinal, como explicar que um mecanismo como o descrito acima tenha “evoluído” (surgido) no corpo da mulher a fim de orientar os espermatozoides que são produzidos no corpo masculino? Como explicar essa evolução simultânea de gametas tão interdependentes e perfeitamente compatíveis desde sempre? Se você optar pelo design inteligente, estará argumentando com base no pensamento lógico de que um projeto elaborado pressupõe um projetista. Se optar pelo acaso cego, terá que, forçosamente, admitir que é mais crente do que os criacionistas.[Michelson Borges]

quarta-feira, 23 de março de 2011

É racional crer na criação recente em seis dias?

Antes de responder à questão de saber se é razoável ou racional acreditar em uma criação recente em seis dias, é importante definir os seus elementos fundamentais: “razoável” e “criação recente em seis dias.” Enquanto a ciência tem sido associada à “razão” e, portanto, espera-se que seja razoável, o criacionismo tem sido associado por muitos à “fé” e, portanto, parece ser incompatível com qualquer coisa “razoável”.

Mas a fé bíblica, nesse caso a fé na criação, é “razoável”, no sentido de que não é mítica e/ou irracional, pelo contrário, apresenta histórica (a Bíblia também é um documento histórico), natural e sensível evidências para suas alegações. Embora seja verdade que a Bíblia não é um documento científico moderno da criação, ainda assim se espera que aceitemos pela fé o seu registro (Hebreus 11:3, 6). Contudo, não se espera que exerçamos fé cega ou simplista.2 Pelo contrário, a Bíblia oferece estrutura e argumentos para que a fé seja convincente acerca da veracidade cosmológica e histórica de eventos e elementos apresentados biblicamente. Leonard Brand e David Jarnes resumem as evidências judaico-cristãs para a razoabilidade das Escrituras, ao enumerar:
(1) o cumprimento histórico das profecias bíblicas/previsões;
(2) o apoio arqueológico para as históricas localizações bíblicas, pessoas ou acontecimentos;
(3) os regulamentos mosaicos de saúde que diferem radicalmente dos do Egito, apontando para uma revelação sobrenatural. As três fontes bíblicas de evidências são experimentáveis e assim reforçam nossa visão da Bíblia como sendo razoável. Fato comprovado também em relatos das Escrituras que não são experimentáveis – característica que se deve não ao caráter pré-científico da Bíblia, mas às limitações da ciência. [Continue lendo aqui.]

terça-feira, 22 de março de 2011

Especial Sinais do Fim

Uma reflexão sobre os últimos acontecimentos do mundo. Conflitos no oriente, tsunamis, terremotos, enchentes...O que está acontecendo com nosso planeta?

Carne bovina pode ficar com gosto de carne de porco, dizem especialistas

Carne bovina poderá ter gosto de carne de porco

Trata-se de uma mudança no sabor que já é detectada pelos consumidores e que “está associada com a transformação registradas nos sistemas de engorda”, indicaram especialistas do Inta (Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária) da Argentina.

O pesquisador Enrique Pavan explicou que houve um aumento no número de bovinos engordados a base de alimentos industrializados, como alguns derivados de sementes oleaginosas, “o que às vezes pode afetar o sabor da carne”.

Segundo o especialista, esse tipo de dieta a base de concentrados com uma alta composição de ácidos graxos (um tipo de gordura) contrasta com a dos gramados naturais, que por anos foi fonte de alimentação dos gados na Argentina, país que se ganhou boa fama pela qualidade e o sabor de suas carnes.

Em declarações divulgadas pelo governo argentino, Pavan explicou que quando esse tipo se suplemento é excessivo ou é dado aos animais por um tempo prolongado, “gera uma mudança na proporção dos ácidos graxos que poderia modificar o sabor da carne”.

Segundo o Inta, como consequência da introdução e extensão desse tipo de práticas alimentícias nos bovinos, a composição de ácidos graxos de bovinos e suínos ficou parecida.

Pavan explicou como acontece o processo que deixa o gosto de uma carne parecida com o de outra.

- Na medida em que a proporção de óleos de cereais ou oleaginosas aumenta na dieta dos bovinos, a composição de ácidos graxos da carne bovina se assemelhará cada vez mais à do porco e, em consequência, seu sabor também será mais parecido.

Cientistas argentinos disseram que as mudanças na dieta do gado bovino, que cada vez engorda mais em curral e menos com gramados naturais, podem afetar o sabor da carne e deixá-la com gosto de porco.

Fonte: Cntn

Os biólogos evolucionistas estão realmente preparados para a Síntese Evolutiva Ampliada?

Daniel Brooks vem vivendo com a controvérsia desde 1982, quando suas ideias apareceram em um trabalho acadêmico, e depois em 1986 quando ele foi co-autor de um livro junto com Ed Wiley, intitulado Evolution as Entropy [Evolução como entropia]. Ao mesmo tempo em que promovia a ideia de que a diversificação evolucionária era para ser entendida como inevitável porque isso representa um aumento na entropia, ele também argumentou que a teoria proposta era uma alternativa ao neodarwinismo (amplamente conhecido como a Nova Síntese). Em um comentário na revista Science, Lewin (1982) explicou que:

“Reações à proposta t^em sido variadas e frequentemente bem fortes. Alguns consideram a teoria como sendo um insight brilhante que irá avançar a biologia evolucionária imensuravelmente. Outros a rejeitam veementemente como sendo um ataque infundado ao neodarwinismo. Curiosamente, mesmo assim outros a consideram como sendo nada mas o próprio neodarwinismo traduzido em forma incompreensível. Outros ainda, sustentam que o uso de Brooks e Wiley da termodinâmica do não equilíbrio é insustentável neste contexto.” [Continue lendo aqui.]

domingo, 20 de março de 2011

Educar filhos dos pobres dificulta a vida dos ricos, afirma ex-ministro da educação

O ex-ministro da educação Cristovam Buarque concedeu entrevista ao jornal Conexão Novo Tempo e falou sobre a precariedade da educação brasileira. De acordo com Buarque, o Brasil, que hoje ocupa o 88º lugar no ranking mundial da educação , de acordo com a Unesco, continua mal nessa área devido a fatores culturais. “Damos mais valor ao tamanho da casa, a conta bancária, a potência de nossos carros do que ao conhecimento. Ao contrário do que acontece em outros países, no Brasil, a pessoa não é considerada rica por ser culta”, explica.

Para Buarque o Brasil é um país praticamente dividido em castas e educar igualmente filhos de pobres e ricos pode dificultar a vida dos mais favorecidos. Porém, conforme o senador, a ausência de oportunidade para todos prejudica o país. “Não educar igualmente a todos joga fora grandes cérebros. Os cérebros daqueles gênios que não puderam aprender. Estou falando de 14 milhões de brasileiros”, completa.

Ouça a entrevista completa com o senador e ex-ministro da educação Cristovam Buarqueu aqui.

A espiritualidade nas grandes universidades

Não estranhe essas teses de egressos ou professores de Harvard ou Oxford. A ideia que temos de Harvard (ranqueada como a melhor universidade do mundo), MIT e Oxford é que são instituições com pesquisadores racionalistas, cientificistas e iluministas. A verdade não é bem assim. Harvard foi fundada por puritanos, sim puritanos da Nova Inglaterra, religiosos ortodoxos, o mesmo para MIT e Oxford, esta última por anglicanos e católicos. São instituições abertas para o espiritual. Harvard tem a faculdade de teologia; é a faculdade mais antiga dessa universidade e não há ninguém que torça o nariz para ela, nem se cogita tirar da Harvard Divinity School o nome Harvard. Oxford, da mesma forma, tem sua faculdade de teologia e também como ocorre em Harvard sempre tem uma meia dúzia de asshole que torce o nariz para essa faculdade. O MIT é talvez o melhor para evidenciar esse caso, é o laboratório tecnológico mais importante do mundo e, no entanto, tem uma igreja, capela, ou seja, eles levam a sério a espiritualidade lá http://arrumario.blogspot.com/2009/03/capela-mit-eero-saarinen.html (observe ao centro da capela na abertura do alto as cascatas de espelhos que tentam revelar que existe algo mais). E mais que isso, o MIT tem uma capelã, uma teóloga alemã, e o serviço dela é muito admirado. Bom talvez você pergunte o que esse pessoal está fazendo ali? Bem, estão fazendo ciência com a mente aberta.

(Rogerio Marques, no blog do jornalista Luis Nassif)

Fonte: Criacionsimo

sexta-feira, 18 de março de 2011

GRANDES NOMES CRISTÃOS - XIV

Louis Pasteur (1822-1895), microbiólogo e químico

"Quanto mais eu estudo a natureza mais fico impressionado com a obra do Criador. Nas menores de suas criaturas Deus colocou propriedades extraordinárias..."

"Proclamo Jesus como filho de Deus em nome da ciência. Meu espírito científico, que dá grande valor à relação entre causa e efeito, compromete-me a reconhecer que, se ele não o fosse, eu não mais saberia quem ele é. Mas ele é o filho de Deus. Suas palavras são divinas, sua vida é divina, e foi dito com razão que existem equações morais assim como existem equações matemáticas."

Chamada: Sinais do Fim - Especial Novo Tempo

A cada dia aumenta o número de enchentes, terremotos, revoltas, tsunamis e milhares de mortes, o que traz muita dor e sofrimento para a humanidade. Estaria o mundo caminhando para o fim? Tenha a resposta para este questionamento, assista ao especial da TV Novo Tempo: "Sinais do Fim".

Você tem várias meios para assistir este programa, acessando o site http://novotempo.com/tv , no canal 17 da SKY ou em sua cidade, se tiver o canal aberto da Tv Novo Tempo.

O cérebro prefere música clássica

Dizer “esta música é muito boa” ou “nossa! Que música horrível” é muito comum. Todos têm seus gostos particulares e rejeitam artistas e bandas que fogem das preferências pessoais. Mas, uma pesquisa publicada no periódico científico BMC Research Notes revela que talvez haja um padrão. Segundo o artigo, as pessoas tendem a gostar das músicas que soam “complexas” aos ouvidos, mas que são “decifráveis e armazenadas” pelo cérebro, como as composições eruditas.

O autor do estudo, Nicholas Hudson, biólogo da Australian Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization, disse que o cérebro comprime a informação musical como um software de computador faz com um arquivo de áudio: ele identifica padrões e remove dados desnecessários ou redundantes. A música clássica, por exemplo, pode parecer complexa para quem ouve, mas o cérebro consegue encontrar padrões para o trabalho de compressão. Pouca coisa é descartada. Hudson usou programas de compressão de músicas para imitar como o cérebro age e usou músicas que já haviam sido analisadas em um estudo de 2009 que mediu como 26 voluntários curtiam músicas de diferentes gêneros musicais como clássico, jazz, pop, folk, eletrônica, rock, punk, techno e tango.

Entre as músicas que o biólogo escolheu, “I should be so Lucky” da Kylie Minogue foi comprimida a 69,5% de seu tamanho original; “White Wedding” do Billy Idol foi diminuída a 68,5%; e a Terceira Sinfonia do Beethoven foi reduzida a 40,6% do seu tamanho inicial. O cérebro, como o software encontraram mais padrões na música do compositor alemão. Com as outras músicas, ele teve pouco trabalho de compressão, pois o resto foi “jogado fora”. Fazendo uma comparação, as músicas mais “comprimíveis” foram aquelas escolhidas como as mais agradáveis no estudo de 2009.

Mas, porque nosso cérebro gosta mais das músicas que o fazem trabalhar mais para comprimi-las? “É da nossa natureza sentir mais satisfação ao atingir uma meta quando a tarefa é mais difícil. As coisas fáceis trazem um prazer superficial. As músicas mais simples, com poucos padrões de compressão, rapidamente ficam irritantes e deixam de ser estimulantes”, disse Hudson. Esta é uma explicação para aquela sensação de enjoar rapidamente de uma música. O teste também incluía barulhos aleatórios que só puderam ser comprimidos a 86%. O resultado foi que estes sons causaram indiferença e tédio nas pessoas.

Já foi dito que música clássica ajuda a memória, ajuda o foco nos estudos e pode até deixar as pessoas mais inteligentes. Este é mais um estudo que comprova a qualidade da música clássica, mas, como diz o ditado: gosto não se discute.

Fonte: hypescience

quinta-feira, 17 de março de 2011

"Japão II"

Fonte: Aroeira

Participe! Campanha de Vídeos Amigos da Esperança‏

A campanha

A Campanha de Vídeos Amigos da Esperança

A campanha consiste em incentivar adolescentes, jovens e adultos na criação de vídeos com temas relacionados à amizade cristã. Os vídeos selecionados serão exibidos na TV Novo Tempo e receberão brindes, de acordo com o regulamento disponível neste site. Ainda no site estão disponíveis vídeos modelos, making off e conteúdo de referência para ideias.

Na internet

Todos nós gostamos de assistir bons filmes e vídeos interessantes. Eles têm o poder de reunir a turma nos finais de semana, nas férias, e até interromper um trabalho, quando enviados, pela web, por um amigo. A internet facilita este contato virtual, que pode se tornar real se relacionado ao programa “Amigos da Esperança”, que consiste em presentear a um amigo com o livro “Ainda Existe Esperança”, além de convidá-lo para ir à igreja e à nossa casa no dia 16 de abril.

Amigos da Esperança

Em 2008, no “Impacto Esperança”, fomos às ruas distribuir livros e revistas sobre a volta de Jesus; em 2009, abrimos as nossas casas nos “Lares de Esperança”. Em 2010, os dois projetos foram consolidados, numa campanha inédita que mostrou a importância da guarda do sábado, o “Dia de Esperança”. Agora, em 2011, a proposta da Igreja Adventista na América do Sul é fazer da amizade uma ponte para a evangelização. O plano é sermos “Amigos da Esperança”.

Sinais do fim – todos de uma vez

Quando são mencionados os sinais da volta de Jesus, algumas pessoas respondem mais ou menos assim: “Terremotos, fome e violência sempre existiram.” É verdade, muitas dessas mazelas sempre existiram, desde que Adão e Eva foram expulsos do paraíso após desobedecerem a Deus. Ao que tudo indica, terremotos são efeitos secundários do dilúvio, que causou a fragmentação da crosta terrestre em grandes placas mais ou menos instáveis. O que muitos não estão se dando conta é da intensidade e ocorrência simultânea de todos os sinais numa mesma época. É como as dores do parto que vão se tornando mais intensas e sentidas a intervalos cada vez menores à medida que vai chegando o momento de dar à luz. Jesus breve voltará para dar fim à história de pecado e para enxugar dos olhos toda a lágrima (Ap 21:4).

A Revista do Ancião (CPB) de abril-junho de 2011 traz um esboço de sermão interessante preparado por Frank Breaden, da Austrália. O título é “Dez Grandes Sinais da Volta de Jesus”. [Confira a lista clicando aqui.]

Lancheira saudável: Um apelo aos pais, professores e educadores

Quando minha primeira filha nasceu eu já era vegetariana. Precisei viver o que acreditava para proporcionar aos meus filhos a melhor alimentação. Meu objetivo, ao buscar uma alimentação saudável em casa, foi promover bons hábitos alimentares para toda a vida, buscando mais saúde e domínio próprio (como parte do processo educativo para este mundo e para o que aguardamos).


"Os pais devem educar o apetite dos filhos, não lhes permitindo também comerem coisas que prejudiquem a saúde. Mas, no esforço de regularizar-lhes a alimentação, devemos ser cuidadosos em não exigir dos filhos que comam coisas desagradáveis ao paladar, nem mais do que necessitam. As crianças têm direitos, têm preferências, e quando estas sejam razoáveis, devem ser respeitadas...". (Ellen White, Conselhos sobre Regime Alimentar, p. 230)

Nunca coloquei carne no prato de meus filhos porque creio que o Criador fez o ser humano vegetariano. Para mim o vegetarianismo traz mais saúde e longevidade (clique aqui e veja a matéria sobre os moradores de Loma Linda) e uma mente mais lúcida e sensível à voz de Deus. Busco também evitar os doces, prefiro sempre os alimentos frescos e caseiros, e as frituras são raridades em minha casa. Nunca ofereci refrigerantes aos meus filhos. Aliás, não se trata apenas de uma opinião pessoal. Os estudos científicos têm mostrado os benefícios da dieta vegetariana, dos alimentos naturais e frescos. Sempre ofereço alimentos agradáveis aos olhos e ao paladar. Nada de comida insossa e sem graça por aqui. [Continue lendo esta matéria aqui.]

quarta-feira, 16 de março de 2011

O Bom de Bíblia Universitário já está começando!

Para participar você deve se inscrever clicando AQUI e informar sua inscrição ao diretor jovem de sua igreja. Atenção! Por favor, não esqueça de informar sua inscrição ao diretor jovem de sua igreja até domingo, dia 20 de março. Para saber mais sobre este concurso, leia as instruções dando um clique aqui.

Boa Sorte!

Fonte: Missão Bahia do Sudoeste

Humanos chegarão a 9 bilhões em 2050 sem alimento

A indústria de alimentos está em crise no início de 2011. Os preços dos alimentos sobem acima do pico que atingiram em 2008 – época em que milhares de pessoas caíram na pobreza. Na época, exportadores foram proibidos de vender grãos no exterior. Desta vez também houve proibições de exportação, pânico e controles de preços de emergência, assim como em 2008. Temores de que a seca possa arruinar a safra de trigo da China - a maior do mundo - estão enviando ondas de choque através dos mercados mundiais. O descontentamento com a alta dos preços tem desempenhado um papel importante nas revoltas populares em todo o Oriente Médio. Há grandes diferenças entre os dois períodos, mas o fato de a agricultura ter vivenciado dois picos nas altas dos preços sugere que alguma coisa realmente séria está balançando a cadeia alimentar do mundo. Por anos os programas mais populares em países de língua inglesa foram sobre culinária. O historiador norte-americano, Livy, diz que o Império Romano começou a decair quando os cozinheiros adquiriram títulos de celebridades.

No encontro dos oito países industrializados, em 2009, os líderes colocaram o assunto da comida ao lado da crise financeira mundial, em sua lista de prioridades. Prometeram encontrar US$ 20 bilhões para disponibilizar a agricultura ao longo de três anos. Este ano, o atual presidente do G20, o francês Nicolas Sarkozy, pretende fazer dos alimentos sua principal prioridade.

No mês passado o Fórum Econômico Mundial – um encontro de empresários e políticos, em Davos, com 17 empresas mundiais – descreveu como “uma nova visão para a agricultura”, prometendo fazer mais pelos pequenos agricultores. Um forte sinal do crescente alarme no setor privado.

A era de comida barata chegou ao fim. Uma combinação de fatores - crescente demanda na Índia e China; uma mudança na dieta alimentar dos cereais para a carne e vegetais; um aumento do uso do milho como combustível; e desenvolvimentos fora da agricultura, como a queda do dólar - têm levado a um período próximo de 1970, quando o preço real dos alimentos caiu ano após ano.

Tudo apareceu como um choque. Na década de 90, a maioria dos problemas agrícolas pareciam resolvidos. As produções cresceram, as pestes foram controladas e os adubos recuperaram as terras cansadas. As áreas que para as quais a ciência da vida voltou suas pesquisas não são mais as plantas, mas coisas como HIV e Aids.

O fim da era da comida barata coincidiu com a crescente preocupação com as perspectivas de alimentar o mundo. A população mundial deve chegar a sete bilhões em 2011. Os preços aumentam em meio a milhões de pessoas mergulhadas na pobreza, que gastam mais da metade da sua renda em alimentos. O número de pessoas abaixo do nível de pobreza, que vinha caindo desde os anos 90, voltou a crescer acentuadamente em 2007. Isso parece sugerir que o mundo ainda não pode alimentar sua população atual. Menos ainda os 9 bilhões esperados para 2050.

Como o mundo enfrentará os próximos quatro anos ainda é uma dúvida. Como o alimento é importante, a agricultura, mais do que qualquer outra forma de atividade econômica, espera atingir uma série de concorrentes e metas que possam mudar com o tempo e o lugar. O mundo olha para os agricultores para que façam mais do que simplesmente produzir alimentos. A agricultura é a questão central na redução da fome e antecipa o caminho para muitas pessoas saírem da pobreza. O alimento é, provavelmente, a maior influencia na saúde das pessoas, embora em formas radicalmente diferentes em países pobres e ricos, onde o grande problema é a obesidade.

(Opinião e Notícia)

Nota: Além dos terremotos ocorrendo em vários lugares (Mt 24:7), a Bíblia afirma que a fome (entre outras mazelas “naturais” e sociais) também é um dos sinais de que a volta de Jesus está próxima (ibidem).[Michelson Borges]

terça-feira, 15 de março de 2011

"Japão"

Fonte: Pelicano

O domingo sempre foi dia de descanso. FALSO

A adoção do domingo como dia de repouso (obrigatório em países como a França) tem um fundamento bíblico. De acordo com o Livro Sagrado, "Deus concluiu no sétimo dia a obra que fizera e no sétimo dia descansou" (Gênesis 2, 2) [considerar o domingo - primeiro dia da semana - como sendo o sétimo é erro banal, mas prossiga na leitua desta matéria publicada na revista História Viva]. A própria etimologia da palavra evidencia esse sentido: “domingo” deriva do latim dies dominicus, ou "dia do Senhor". Os primeiros cristãos tanto respeitavam o descanso que o judaísmo reserva ao sábado quanto celebravam o dia seguinte, tido como data da ressurreição de Cristo. A Igreja, ainda em seus primórdios, já proclamava a obrigação de assistir às missas no sétimo dia, embora não contasse com nenhum respaldo legal. A situação se alterou quando o imperador Constantino, em 321, fixou o “dia do Senhor” como feriado no Império Romano. Na prática, porém, a obrigação de comparecer às atividades religiosas se impôs muito mais que o direito ao repouso semanal.

No século XVIII, os filósofos iluministas chegaram a desenvolver toda uma argumentação para enaltecer as vantagens do trabalho aos domingos. De acordo com o artigo que a célebre Enciclopédia dedicou ao dia, determinada comunidade se beneficia quando suas atividades econômicas não são interrompidas no “dia do Senhor”. Anos mais tarde, durante a Revolução Francesa, o tradicional calendário gregoriano foi suprimido e substituído por um novo, que instituiu a semana de dez dias e, seguindo a política de erradicação de qualquer referência religiosa, eliminou o domingo. O antigo calendário foi restabelecido somente em 1806, sob o governo de Napoleão [há quem diga que o povo não suportou a semana de dez dias, pois o ser humano foi projetado para funcionar num ciclo de sete dias].

(História Viva)

Clique aqui para conhecer o verdadeiro dia de descanso segundo a Bíblia.

“Não valeu a pena”, diz Bruna Surfistinha

Por trás da personagem Bruna Surfistinha, a mulher de verdade, Raquel Pacheco, 26, diz que se arrepende da vida de garota de programa. “Não valeu a pena”, admite. Longe das piadinhas disparadas no Twitter, Bruna, ou Raquel, lamenta os estragos em sua vida. “Quase morri. Cheguei até a ter uma overdose”, diz. “Sem falar que não é nada fácil ter seis ou sete caras todos os dias em cima de você.” Da vida dura, porém, ela tirou um blog que logo bombou na rede. Depois veio livro e filme. Mas, apesar da grana, da fama e de um pacote de maluquices, ela conta que, no fundo, só queria amor. “Achava que meus pais não me amavam, mas hoje entendo que me amaram da maneira deles.” Filha adotiva, desde os 17, quando fugiu de casa por brigas familiares, ela nunca mais viu os pais. Mas deixa claro que gostaria de revê-los. Por fim, com os olhos marejados, conclui: “Fui muito rebelde. Hoje não faria o que fiz. Família é muito importante.”

(Folha de S. Paulo, 14/3/11)

Nota: Nunca é tarde para reconhecer os erros do passado e desejar um futuro melhor. Geralmente, quando amadurecem um pouco, as pessoas acabam reconhecendo o que realmente é importante na vida (alguns se dão conta disso apenas no leito de morte, outros, de coração mais duro, nem ali). Pena que a literatura e o cinema tenham ajudado a glamourizar a vida que Raquel agora repudia e da qual se arrepende. Influenciados por essa mídia permissiva e depravada, quantos jovens terão que quebrar a cara e o coração antes de reconhecer que os planos de Deus para o ser humano são sempre os melhores? Deus nos criou e sabe o que nos faz felizes. Ele criou um homem para uma mulher a fim de viverem a intimidade no contexto matrimonial. Assim há felicidade, e pesquisas recentes mostram exatamente isso (confira aqui e aqui). Mesmo entre os jovens tem havido uma reavaliação de valores e comportamentos (confira). Libertinagem, intemperança, descrença, etc. mais cedo ou mais tarde trazem infelicidade justamente porque vão de encontro ao projeto de Deus para o ser humano. Heinrich Heine que o diga. Se você procura viver uma vida de princípios, não dê o primeiro passo rumo à desobediência e ao engano. Se errou, como Raquel, reconheça isso, peça perdão a Deus e forças para mudar. Aos que confiam no poder da oração, convido-os a orar por Raquel, para que ela finalmente encontre o verdadeiro amor (1 João 4:8).[Michelson Borges]

domingo, 13 de março de 2011

Os três últimos desejos de ALEXANDRE o grande

Quando à beira da morte, Alexandre convocou os seus generais e relatou seus três últimos desejos:

1°. Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época.

2°. Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistado como prata , ouro, e pedras preciosas.

3°. Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos.

Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, perguntou a ALEXANDRE quais as razões desses pedidos e ele explicou:

1°. Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte;

2°. Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;

3°. Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.

Fonte: E-mails recebidos de vários amigos no dia de hoje, (13).

sexta-feira, 11 de março de 2011

“Microevolução” é um termo desnecessário

“Macroevolução” é o termo usado pelos evolucionistas para as variações biológicas em larga escala. “Microevolução” é o termo empregado para variações biológicas que se podem demonstrar empiricamente. Os evolucionistas precisam desses termos por causa de um debate interno que ocorre entre eles. Os evolucionistas gradualistas (ex.: Dawkins) alegam que a macroevolução é apenas consequência de um acumular de microevoluções. Seus adversários, os evolucionistas pontualistas, refutam essa crença e ressalvam que as variações em pequena escala visíveis empiricamente e visíveis nos fósseis não podem explicar a evolução no geral. Os pontualistas usam um potente argumento antievolutivo, e como tal os termos tiveram que ser inventados para esconder o teor da discussão. Segundo os evolucionistas, eles não discutem o “fato” da evolução, mas sim “detalhes menores”. As palavras macro e microevolução servem exatamente a esse propósito. Enquanto o debate for escondido por trás desses termos, o público nunca vai se aperceber de que se está discutindo exatamente o “fato” da evolução.

A terminologia serve para obscurecer as dificuldades que a ciência tem gerado contra a teoria da evolução, e também para criar mais uma ilusão na mente do público.

Os evolucionistas geralmente usam esses dois termos como armas nos seus debates. De acordo com seu argumento, se nós acreditamos na “microevolução”, então somos todos evolucionistas. (Faz-me lembrar da declaração dos militantes ateus de que “somos todos ateus”.) Esse tipo de argumento não possui bases lógicas.

Alguns criacionistas tentam esclarecer o debate afirmando que “a microevolução não é verdadeira evolução”. Embora o argumento seja legítimo, ele soa sem sentido e isso coloca os críticos da teoria da evolução numa posição desconfortável.

O termo “macroevolução” é redundante e desnecessário. Macroevolução é a evolução que todos temos em mente quando falamos das nossas origens. A palavra é desnecessariamente repetitiva. “Microevolução” é um termo paradoxal e autocontraditório. Não há “micro” evolução. A evolução ou é em grande escala ou então estamos falando de algo que está de acordo com o criacionismo. Devido a isso, o termo “microevolução”, por levar a declarações enganadoras, deveria ser abandonado.

Como se isso não fosse suficiente, já existem palavras que passam a informação necessária sem confusão nem ilusões evolutivas: “variações biológicas”, “mudanças genéticas” ou simplesmente “variação”. Não há necessidade de se usar a palavra “microevolução” quando já existem termos que se aplicam ao tipo de fenômeno que o termo visa a classificar.

Conclusão: os evolucionistas fazem mau uso da palavra “evolução” como forma de gerar uma ilusão que lhes serve ao propósito. O debate em torno das nossas origens tem que ser o mais claro possível para não levar os ouvintes a más conclusões. Evolução se refere SEMPRE à transformação em larga escala de moléculas a seres humanos. Qualquer coisa menor que isso está de acordo com o criacionismo bíblico.

(Darwinismo)

Nota: Por isso gosto da expressão “diversificação de baixo nível”, usada pelo biólogo James Gibson (confira aqui).[Michelson Borges]

Novo devaneio darwinista: pênis humano tinha espinhos

O cérebro do homem é maior e seu pênis não tem mais as protuberâncias presentes entre os chimpanzés e outros mamíferos. Isso ocorreu devido à perda de sequências do DNA durante a evolução, segundo estudo publicado [na] quarta-feira (9/3). Tais mudanças poderiam, segundo os cientistas, ter favorecido a formação de casais monogâmicos e a emergência de estruturas sociais complexas permitindo criar os frágeis bebês humanos. Como aconteceu isso? É o que procura descrever Gill Bejerano (Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, Estados Unidos) e sua equipe. “A morfologia simplificada do pênis” no homem teria favorecido “estratégias monogâmicas de reprodução entre os primatas”, revelam os pesquisadores na revista científica britânica Nature. A ausência na glande de protuberâncias de queratina, presentes entre muitos outros mamíferos, reduziu a sensibilidade tátil do pênis, e poderia aumentar a duração da cópula no homem, em relação a outras espécies, explicam.

A sequência de DNA perdida pelo homem desempenhava igualmente um papel no desenvolvimento de pelos. Uma outra região do DNA desaparecida no homem estaria próxima a um gene (dito supressor de tumor) que impede o crescimento de neurônios numa região particular do cérebro. Sem poder mais se expressar (produzir a molécula prevista), esse gene pôde contribuir para o desenvolvimento de um cérebro maior nos humanos. [Mas o cérebro humano não está diminuindo?]

A equipe de Gill Bejerano identificou 510 sequências de DNA ausentes no homem, mas amplamente conservadas entre os chimpanzés e outras espécies. Trata-se, essencialmente, de DNA que não fornece o programa de síntese de uma proteína. Esse DNA perdido servia para controlar a expressão de genes próximos envolvidos nos sinais hormonais e nas funções do cérebro.

A perda de pequenas sequências regulatórias, mais do que os genes que elas controlam, pode acarretar mudanças muito sutis. “A maior parte, não a totalidade, dessas regiões está igualmente ausente no genoma do Neandertal, o que indica que essas supressões de DNA aconteceram há mais de 500 mil anos” [segundo a cronologia evolucionista], precisa David Kingsley, um dos autores do estudo.

(UOL)

Nota: A pesquisa parte do pressuposto darwinista de que seres humanos e chimpanzés seriam parentes. Depois os pesquisadores perceberam que no homem falta um bloco não codificante do DNA presente no chimpanzé e interpretam, fazendo uso de pressupostos evolucionistas, que o ser humano perdeu esse gene. E se a interpretação dos fatos fosse outra? O ser humano pode ter sido criado qualitativamente superior/diferente dos demais animais. No ser humano, o sexo não depende de cio e não existe simplesmente para disseminar o “gene egoísta” por aí. Diferentemente da concepção darwinista minimalista e animalesca do sexo, segundo a Revelação Bíblica, o ato sexual é a união sublime entre homem e mulher (que se tornam “uma só carne”, nesse momento), não necessariamente apenas para procriar. Talvez resida aí o motivo para o fato de o sexo entre humanos ser mais prolongado e prazeroso para ambos os gêneros. Além disso, o volume de informações resultantes do sequenciamento genético de diferentes espécies tem revelado aos cientistas que muito pouco se sabe sobre a relação genótipo-fenótipo. Isso implica que ainda que seres humanos tivessem tal gene em seu DNA, não significa que expressariam o mesmo fenótipo, ou seja, não significa que teriam o pênis com protuberâncias como no chimpanzé! Mais um detalhe: ao que tudo indica, nova informação genética não surge do nada (sendo esse um dos grandes problemas para a origem da vida segundo a visão naturalista). O contrário disso ocorre, ou seja, perda de informação. Se ao longo dos supostos milhões de anos de existência a vida vem perdendo sequências do DNA (como essa que supostamente teria dado origem ao pênis liso humano), como explicar que ainda estejamos aqui com tantas perdas sucessivas?[Michelson Borges]

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails