segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Big Brother Brasil

Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço...A décima primeira (está indo longe!) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil,... encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência.

Dizem que em Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir, ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, heteros... todos, na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, acho que cada um faz da vida o que quer, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterosexuais. O BBB é a realidade em busca do IBOPE...

Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB. Ele prometeu um “zoológico humano divertido” . Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas.

Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo.

Eu gostaria de perguntar, se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade.

Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis?

São esses nossos exemplos de heróis?

Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros: profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor, quase sempre mal remunerados..

Heróis, são milhares de brasileiros que sequer têm um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir e conseguem sobreviver a isso, todo santo dia.

Heróis, são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna.

Heróis, são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada, meses atrás pela própria Rede Globo.

O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral.

E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!!

Veja o que está por de tra$$$$$$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão.

Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social: moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros?

(Poderiam ser feitas mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores!)

Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores.

Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ir ao cinema..., estudar... , ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins... , telefonar para um amigo... , visitar os avós... , pescar..., brincar com as crianças... , namorar... ou simplesmente dormir.

Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o que ainda resta dos valores sobre os quais foi construída nossa sociedade.Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço...A décima primeira (está indo longe!) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil,... encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência.

Dizem que em Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir, ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, heteros... todos, na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, acho que cada um faz da vida o que quer, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterosexuais. O BBB é a realidade em busca do IBOPE...

Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB. Ele prometeu um “zoológico humano divertido” . Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas.

Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo.

Eu gostaria de perguntar, se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade.

Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis?

São esses nossos exemplos de heróis?

Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros: profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor, quase sempre mal remunerados..

Heróis, são milhares de brasileiros que sequer têm um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir e conseguem sobreviver a isso, todo santo dia.

Heróis, são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna.

Heróis, são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada, meses atrás pela própria Rede Globo.

O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral.

E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!!

Veja o que está por de tra$$$$$$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão.

Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social: moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros?

(Poderiam ser feitas mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores!)

Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores.

Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ir ao cinema..., estudar... , ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins... , telefonar para um amigo... , visitar os avós... , pescar..., brincar com as crianças... , namorar... ou simplesmente dormir.

Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o que ainda resta dos valores sobre os quais foi construída nossa sociedade.

(Luiz Fernando Veríssimo)

Galileu, a Bíblia e a Natureza

"Para Galileu, tanto a Natureza como a Escritura são obras de Deus; portanto, são como dois livros desprovidos de erros: “Não pode a Sagrada Escritura jamais mentir ou errar, e possuem os seus decretos absoluta e inviolável verdade.” O erro estaria na interpretação da Escritura, por parte daqueles que não entenderiam o seu real sentido, ou naqueles que estudariam a Natureza e não teriam entendido seus modos de operar e recônditas razões. Com relação à interpretação da Bíblia, Galileu escreve: [Leia aqui]

Macacos, sexo e Michelangelo

O pênis ereto de um gorila mede quatro centímetros. Foi por isso que nós fizemos a Capela Sistina, enquanto os gorilas só aprenderam a comer larvas de cupim. A teoria é do americano Jared Diamond, autor de O Terceiro Chimpanzé, que chegará no próximo dia 18 às livrarias brasileiras, publicado pela Editora Record. Jared Diamond é um misto de Charles Darwin com Carrie Bradshaw, a protagonista de Sex and the City. Se Carrie Bradshaw fosse uma gorila, ela poderia anotar em seu computador, como anotou Jared Diamond: “Por que os humanos copulam privadamente, se todos os outros animais sociais copulam em público?”

Segundo Jared Diamond, a espécie humana evoluiu a partir de seu comportamento sexual. Mais importante do que o tamanho de nosso cérebro – que é 10% menor do que o do homem de Neandertal – é o tamanho de nosso apetite e, principalmente, de nosso aparato sexual. De fato, se Carrie Bradshaw fosse uma gorila, ela jamais encontraria um Mr. Big.

Em O Terceiro Chimpanzé, Jared Diamond trata de outros temas, além da Teoria do Tamanho do Pênis. Ele trata também da Teoria do Tamanho dos Testículos, da Teoria do Tamanho dos Mamilos e, por fim, da Teoria da Ruiva Peituda.

Nas últimas décadas, a biologia se transformou numa Galápagos intelectual, em que darwinistas das mais variadas espécies competem entre si, apresentando teorias extravagantes para se adaptar ao ambiente editorial e televisivo. Os mais bem-sucedidos divulgadores do darwinismo vendem livros como se fossem larvas de cupim e ganham documentários produzidos pela National Geographic Society. Foi exatamente o que ocorreu com Jared Diamond. Se Stephen Jay Gould e Richard Dawkins podem ser considerados o albatroz e a tartaruga-gigante da Galápagos darwinista, Jared Diamond posiciona-se imediatamente abaixo deles, como uma iguana do evolucionismo.

Jared Diamond estudou medicina. Depois de uma viagem a Papua-Nova Guiné, em que conheceu os membros de uma tribo de homens da Idade da Pedra, ele converteu-se em ecologista, em pacifista e em autor de ensaios sobre a origem da humanidade.

O Terceiro Chimpanzé foi publicado nos Estados Unidos em 1991. Foi o primeiro livro de Jared Diamond. Nele se encontram praticamente todas as ideias que seriam desenvolvidas em seus trabalhos seguintes. Em Why Is Sex Fun?, de 1997, Jared Diamond ampliou sua Teoria do Tamanho do Pênis, constrangendo novamente os gorilas. Em Armas, Germes e Aço, também de 1997, ele tentou explicar por que, em nossa história, um povo sempre procurou exterminar o outro – tema da parte final de O Terceiro Chimpanzé.

Nosso DNA é 98,8% igual ao de um chimpanzé. Geneticamente, um chimpanzé é mais próximo de um homem do que de um gorila. Há o chimpanzé comum. Há o chimpanzé pigmeu. Para Jared Diamond, o homem é uma terceira espécie de chimpanzé. Somos ligados como Tarzan e Chita. Como foi que Chita conseguiu fazer a Capela Sistina? Qual foi o elemento que, em apenas 40.000 anos, possibilitou que a humanidade abandonasse as cavernas e desse seu “Grande Salto para a Frente”?

A resposta, segundo Jared Diamond, é a linguagem falada. O aparelho vocal humano, em algum momento de nosso caminho evolutivo, transformou-se, diferenciando-se do de outros primatas e permitindo que nossos antepassados pronunciassem e articulassem uma série de novos sons. Esses novos sons deram origem a uma língua comum, extremamente rudimentar, cuja raiz sobrevive até hoje, em particular na fala de Dilma Rousseff. Através dessa língua comum, passamos a transmitir uns aos outros conhecimentos que possibilitaram o desenvolvimento da agricultura, do pastoreio, da roda e do adestramento de cavalos.

Nada disso teria ocorrido, porém, se nossas necessidades sexuais fossem iguais às de um chimpanzé ou às de um gorila. Contrariamente ao que acontece com os outros primatas, “os pais humanos oferecem às suas parceiras muito mais do que o esperma”. De fato, eles cuidam de seus filhos e se responsabilizam por eles, a fim de garantir a disponibilidade sexual de suas mulheres. A linguagem falada, de acordo com Jared Diamond, desenvolveu-se no ambiente familiar. Em primeiro lugar, para determinar o papel de cada um de seus membros. Em segundo, para estabelecer normas e leis que assegurassem aos homens que seus filhos eram seus, e que eles herdariam seus bens.

Os evolucionistas debocham dos criacionistas, mas o Velho Testamento, ilustrado na Capela Sistina, já contou essa história. Veja o Pecado Original. Veja nossos antepassados sendo expulsos do Jardim do Éden e dando origem à sociedade humana. Veja Noé nu e embriagado. No fim de O Terceiro Chimpanzé, Jared Diamond vislumbra o apocalipse ecológico e nuclear. Isso também está no Velho Testamento, ilustrado na Capela Sistina, no Juízo Final. Sim: em 40.000 anos, nós, chimpanzés superdotados, conseguimos fazer a Capela Sistina. Mas chegará o dia em que voltaremos a comer larvas de cupim.

(Diogo Mainardi, Veja)

Nota do Blog Criacionismo.com: Cuidado, Mainardi! Ironizando o darwinismo desse jeito você comprará briga com a galera dos “meninos e meninas de Darwin” (como diria o Enézio), assim como atraiu a ira de grandes segmentos petistas. Você verá que os ultradarwinistas não empunham bandeiras vermelhas, mas podem ficar roxos de raiva quando é questionada a “maior ideia científica que a humanidade já teve”.[Michelson Borges]

Nota do Blog Desafiando a Nomenklatura Científica: Não é somente de criacionistas que os evolucionistas debocham, eles debocham também da turma do Design Inteligente e suas evidências encontradas na natureza -- sistemas biológicos de complexidade irredutível e informação complexa especificada que Darwin, o homem que teve a maior ideia que toda a humanidade já teve, não consegue explicar. E ainda têm a cara de pau de dizer que a teoria geral da evolução através da seleção natural e/ou n mecanismos evolucionários é a teoria científica mais corroborada assim como a Terra gira em torno do Sol, tão certa como a lei da gravidade. Nada mais falso! E Mainardi precisa se informar mais a respeito e informar os leitores de VEJA de que a teoria da evolução de Darwin sobre a origem das espécies é um smorgasbord epistêmico, um amontoado de especulações transformistas onde um Australopithecus afarensis se transmuta em Antropólogo amazonense. Diogo Mainardi, seus comentários mezzo contra Darwin vão lhe atrair a ira da Nomenklatura científica e da Galera dos meninos e meninas de Darwin. Vão pedir à revista VEJA a cabeça do Mainardi numa bandeja??? [Enézio E. de Almeida Filho]

sábado, 29 de janeiro de 2011

GRANDES NOMES CRISTÃOS - VII

Friedrich Rückert (1788-1866), filólogo, pioneiro da orientalística na Alemanha

"Fé é uma necessidade do coração. Ausência de fé não preenche lacunas. Onde se lançou fora a fé proliferará a superstição."

A escolha do coração

O dono de uma loja estava colocando um anúncio na porta: “Cachorrinhos à venda”. Esse tipo de anúncio sempre atrai as crianças e logo um menininho apareceu na loja perguntando:

- Qual é o preço dos cachorrinhos? O dono respondeu:

- Entre R$ 30,00 e R$ 50,00.

O menininho colocou a mão em seu bolso e tirou umas moedas:

- Só tenho R$ 2,50... Posso vê-lo?

O homem sorriu e assobiou. De trás da loja saiu sua cadela correndo, seguida por cinco lindos cachorrinhos. Um dos cachorrinhos estava ficando para trás em relação aos demais. O menininho imediatamente apontou o cachorrinho que estava mancando.

- O que aconteceu com esse cachorrinho? – Perguntou.

O homem lhe explicou que quando o cachorrinho nasceu o veterinário lhe disse que tinha uma perna defeituosa e que andaria mancando pelo resto de sua vida. O menininho se emocionou muito e exclamou:

- Esse é o cachorrinho que eu quero comprar! E o homem respondeu:

- Não, você não vai comprar esse cachorro. Se você realmente o quer, eu te dou de presente! O menino não gostou, e olhando direto nos olhos do homem, lhe disse:

- Eu não quero que você me dê de presente. Ele vale tanto quanto os outros cachorrinhos e eu pagarei o preço completo. Agora vou lhe dar meus R$ 2,50 e a cada mês darei mais R$ 2,50 até que o tenha pago por completo. O homem respondeu:

- Você não quer de verdade comprar esse cachorrinho, filho. Ele nunca será capaz de correr, saltar e brincar como os outros cachorrinhos.

O menininho se agachou e levantou a perna de sua calça para mostrar sua perna esquerda, cruelmente defeituosa suportada por um aparato de metal. Olhou de novo ao homem e lhe disse:

- Bom, eu também não posso correr muito bem, e o cachorrinho vai precisar de alguém que o entenda. O homem estava agora envergonhado e seus olhos se encheram de lágrimas... sorriu e disse:

- Filho, só espero e oro para que cada um destes cachorrinhos tenham um dono como você.

Na vida não importa como és, mas importa que alguém te aprecie pelo que és, te aceite e te ame incondicionalmente.
(Autor desconhecido)

Darwin no Banco dos Réus: o desafio completa 20 anos

O polêmico livro que mexeu com os fundamentos científicos. Por quê? Ele demonstra que a teoria da evolução não tem sua base em fatos, mas na fé – fé no naturalismo filosófico. Phillip Johnson argumenta corajosamente que simplesmente não há um vasto corpo de dados que deem suporte à teoria. Com o clima intrigante de um mistério e detalhes que nos prendem como ao assistirmos a um julgamento, Johnson conduz o leitor através das evidências com a perícia de um advogado, a qual ele adquiriu como professor de Direito em Berkeley, especializando-se na lógica dos argumentos. “Qual a razão pela qual uma editora cristã [brasileira] lança no mercado a tradução de uma obra contra o evolucionismo escrita em 1993, portanto com 15 anos de atraso? A principal razão é a sua pujança e relevância. Apesar dos 15 anos de idade, o livro de Phillip Johnson continua atualíssimo. Pouca coisa surgiu nesse período que inovou a apologética antievolucionista além do que Johnson tem feito” (Augustus Nicodemus Lopes, na apresentação).

Phillip E. Johnson é graduado em Harvard e na Universidade de Chicago. Ele foi oficial de direito do presidente do Superior Tribunal Earl Warren e ensinou por mais de trinta anos na Universidade da Califórnia, Berkeley, onde é professor emérito de Direito.

Adquira o livro aqui.

Nota do blog Desafiando a Nomenklatura Científica: “Sou suspeito para recomendar esse livro. Primeiro porque já fui evolucionista de carteirinha. Segundo porque defendo uma teoria científica que vai de encontro à teoria da evolução através da seleção natural de Darwin: a teoria do Design Inteligente. Há exatamente 20 anos, Johnson expunha o Darwinismo como sempre foi desde 1859 - uma fé no naturalismo filosófico que não é corroborada pelas evidências, se submetidas ao contexto de justificação teórica. Se você crítico de Darwin ainda não leu esse livro, leia e conheça as muitas dificuldades fundamentais que essa teoria sofre. Se você evolucionista ainda não leu, leia e mostre que você se sujeita às evidências aonde elas forem dar por ser uma pessoa objetiva que se convence pelos dados e não pela retórica darwiniana. O livro de Johnson continua, apesar de publicado há 20 anos, sendo um desafio devastador à Nomenklatura científica.”

O benefício da dúvida

Karl Popper, um dos filósofos mais influentes do século passado, apontou para o fato de que, para ser validada, uma teoria científica deve necessariamente ser confrontada, desafiada, falseada. Dizia que, do contrário, a teoria poderia se tornar dogma – e qualquer dogma, para Popper, seria terrível para a ciência. É curioso notar como o raciocínio de Popper vai ao encontro de um texto publicado pelo jornal britânico Guardian sábado passado. A matéria repercute uma pesquisa realizada pela revista eletrônica Edge, que faz, todo ano, uma pergunta para centenas de especialistas de áreas distintas com o objetivo de colher tendências. A pergunta de 2011 é: “Qual conceito científico poderia aprimorar a ferramenta cognitiva de uma pessoa?” Artistas, cientistas e filósofos responderam a questão. Surpreendentemente, muitos deles destacaram a relevância dos erros, incertezas e dúvidas para a ciência e ressaltaram a importância de esses aspectos inerentes ao empreendimento científico serem melhor divulgados ao público não especializado.

A CH On-line procurou cientistas brasileiros para saber o que eles pensam sobre a questão levantada pela Edge e sobre as respostas apuradas pela revista até o momento.

“É realmente fundamental desmistificar o trabalho do cientista. A questão principal é que, ao pesquisar, você lida necessariamente com o desconhecido, então, é claro que há erros e dúvidas, é isso que nos impulsiona”, diz o físico Caio Lewenkopf, da Universidade Federal Fluminense (UFF).

“Existem matérias que são intrinsecamente complexas, como, por exemplo, os modelos utilizados para mensurar as mudanças climáticas. Temos inúmeros indicadores de várias décadas e alguns cientistas divergem sobre essa questão”, completa Lewenkopf.

O físico cita justamente um dos pontos colocados no texto do Guardian: assuntos controversos como mudança climática seriam menos polêmicos na esfera social caso fosse divulgado, com mais clareza, que a natureza da ciência comporta a dúvida.

Osvaldo Frota Jr., físico e doutor em história e filosofia da ciência e membro do Departamento de Letras da Universidade de São Paulo (USP), faz coro. Para ele, mesmo os objetivistas, aqueles que tendem a não relativizar muito a ciência e a enxergam de modo positivista, sabem que a matéria que estudam é feita de dúvida. “Mesmo quem não é um relativista ou, na antropologia e sociologia, pós-moderno, sabe reconhecer que a ciência é calcada em incertezas”, comenta Frota Jr. “

A conversa com um cientista social toca na mesma tecla, embora haja um estranhamento do teor da matéria do Guardian. “Dizer que a ciência é falível, no ponto de vista da filosofia da ciência, é uma trivialidade. Mas não tenho certeza se, de fato, a sociedade acredita que ela é infalível”, afirma Renan Springer de Freitas, sociólogo que estuda temas relacionados à ciência na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Freitas afirma que sua visão de ciência é objetivista. Ou seja, ele acredita que a ciência traz consigo uma verdade. Uma verdade, no entanto, que pode e deve ser questionada. “A ciência tem o privilégio do debate, da possibilidade de discordância. Isso, no entanto, não a coloca em xeque. Muito pelo contrário”, defende o sociólogo.

(Ciência Hoje)

Nota: Mas é preciso admitir que existem dogmas científicos blindados. Tente confrontar e desafiar a teoria da macroevolução em sala de aula, por exemplo. Você corre o risco de ser massacrado, mesmo usando bons argumentos científicos. Parafraseando a matéria acima, “assuntos controversos como a teoria da evolução seriam menos polêmicos na esfera social caso fosse divulgado, com mais clareza, que a natureza da ciência comporta a dúvida”. Aliás, como as teorias da macroevolução e da “evolução” da informação genética complexa e específica podem ser falseadas a la Popper? Não podem. Assim como a criação também não pode. Quando o assunto é a mudança climática, acham que faz bem ressaltar a falibilidade dos métodos de aferição (talvez para justificar as “falhas” e poder reafirmar a tese). Deveriam assumir a mesma postura humilde quanto aos aspectos nebulosos da teoria da evolução e permitir a discussão ampla de suas insuficiências. Todos ganhariam com isso, inclusive os cientistas que poderiam ampliar o horizonte de suas pesquisas para além dos limites do naturalismo filosófico engessante.[Michelson Borges]

Os Livros Mais Lidos em 2010

Infelizmente, nossos cadernos literários só publicam os livros mais Vendidos em 2010, e não os livros mais Lidos em 2010.

Excluem assim os livros comprados em 2009, 2008 até em 1950, que foram lidos ou relidos em 2010, os livros que mais influenciaram os seus leitores durante o ano.

Livros que amigos emprestam para outros ou que passam de pai para filho.

Bem diferente dos modismos do momento.

Nem seria muito caro contratar o Ibope e a Datafolha, e colocar uma pergunta extra nas suas "N" pesquisas eleitorais "Que livro você está lendo atualmente?"

Mas infelizmente, os cadernos literários usam o critério eminentemente capitalista de "livros mais vendidos", "livros que deram as maiores receitas para as editoras".

Não é o que se aprende nas escolas de jornalismo, que é agradar os leitores que lêem e não as editoras que mais anunciam. Vá entender.

Bastou 30 dias para fazer a pesquisa, e os 10 livros mais lidos em 2010, foram estes:

1. Livro de Gênesis

2. Livro do Êxodo

3. Levítico

4. Números

5. Deuterônimo

6. Livro de Josué

7. Livro de São Marcos

8. Livro de Isaías

9. Livro dos Salmos

10. Livro de São Matheos

Para quem não sabe, Bíblia significa Biblioteca de Livros. São vários livros e não um só. Por isto, temos 10 nos primeiros lugares.

Surpresa que sejam os Livros mais lidos em 2010?

Óbvio que não.

Mas depois dessa constatação, não demorou muito para descobrir que a Bíblia foi o livro mais vendido em 2010, algo que vem ocorrendo desde 1950, ou até antes.

E de longe!

Estima-se entre 10.000.000 a 14.000.000 de cópias vendidas só em 2010, no Brasil.

O segundo número inclui Bíblias mais curtas para crianças, resumos etc.

No mundo é exatamente a mesma coisa.

Ou seja, a Bíblia tem sido o livro mais "censurado" há mais de 50 anos.

Igrejas deveriam publicar na capa: "Bíblia, 18.000 dias sob censura no mundo inteiro".

Se a Bíblia vendeu 5 bilhões de cópias sob censura total, imagine se a imprensa o publicasse como o livro mais vendido do ano.

Ou se os críticos analisassem semanalmente os vários livros da Bíblia. Ou se os jornalistas de esquerda fizessem uma análise mais marxista da Bíblia em vez de fazer de conta que ela simplesmente não existe.

Não sou carola, mas não posso aceitar que por motivos ideológicos censurem em nome da liberdade de imprensa, usando "maximização do lucro" como critério de seleção.

Pode não ser jornalístico, para alguns, repetir toda semana a mesma constatação, mas muitos outros não consideram jornalístico esconder a verdade por mais de 60 anos.

FONTE: (Stephen Kanitz)

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Expanda seus horizontes

Ou encolha, dependendo da perspectiva.

[Clique aqui para conferir um infográfico SENSACIONAL sobre as escalas do muito pequeno e do muito grande no Cosmos.]

Só pra manter na cabeça o quanto somos minúsculos.

(Laboratório)

ADRA recebe US$100 mil dos EUA para ajudar vítimas das enchentes

A Embaixada dos Estados Unidos confirmou nesta sexta-feira, dia 14 de janeiro, que o governo norte-americano irá doar 100 mil dólares para assistência às vítimas das enchentes nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. O recurso será repassado à Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA).

“Nossos pensamentos e orações estão com as famílias afetadas por este desastre natural. Esta é uma contribuição do povo dos Estados Unidos para o povo do Brasil, para apoiar a superação desta tragédia”, diz em nota o embaixador dos EUA no Brasil, Thomas Shannon.

Segundo a nota da embaixada americana, o dinheiro deve ser destinado à aquisição de produtos de higiene pessoal e limpeza e roupas.

A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e o Escritório de Assistência a Desastres no Exterior da USAID (OFDA) são os responsáveis pela doação dos recursos e coordenação das ações.

A ADRA (www.adra.org) está presente em 125 países mundiais e trabalha em cinco frentes: segurança alimentar, desenvolvimento econômico, educação básica, saúde primária e preparo e resposta a situações de emergência. Em todo o planeta, seus projetos beneficiam mais de 25 milhões de pessoas a cada ano. No Brasil, em 2009, a ADRA executou mais de 120 projetos que beneficiaram mais de 350 mil pessoas com investimento de mais de US$ 11 milhões.

Postos de coleta da ADRA Rio de Janeiro (24 horas)

Rua do Matoso, 97 – Praça da Bandeira – Rio de Janeiro – RJ

Rua Desembargador Ferreira Pinto, 721, Centro – Itaboraí – RJ

Avenida 7 de Setembro, 69 Bairro Icaraí – Niterói- RJ

Conta corrente da ADRA Rio
Banco: Bradesco
Agência: 1125-8
Conta corrente: 43493-0 em nome de Instituição Adventista Este Brasileira de Educação e Assistência Social
CNPJ: 73.686.370/0002-89

Por Felipe Lemos, com informações da Embaixada dos EUA no Brasil

Fonte: Equipe ASN / Portal Adventista

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Prazer ou Sacrifício? - por que muitas pessoas desistem de mudar a alimentação

Refletindo esses dias fiquei tentando imaginar porque muitas pessoas não gostam de mudar o estilo de vida ou acham que isso é tão inalcançável. Os vegetarianos, na maioria das vezes são considerados seres estranhos, uma minoria na multidão, pessoas “alternativas” numa sociedade movida pelo consumo de carne e produtos de origem animal.

Já ouvi pessoas categóricas ao afirmar que não viveriam sem o consumo de carne, que preferiam morrer a ter que deixar de consumir certo tipo de alimento. Que sentimentos estão envolvidos por de trás de um prato de comida? O que será que o simples ato de comer causa ao nosso cérebro?
Estudando e ouvindo algumas palestras cheguei a algumas conclusões, que compartilho com vocês. [Leia a matéria completa aqui.]

domingo, 16 de janeiro de 2011

 O professor está sempre errado

Recebi este e-mail de Erivelton, meu colega da faculdade de Licenciatura Plena em Química. Achei muito legal, leiam e se divirtam com este 'humor negro'. (srsrsr)



O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!
É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia'.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um 'caxias'.
Precisa faltar, é um 'turista'.
Conversa com os outros professores, está 'malhando' os alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não sabe se impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as chances do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala corretamente, ninguém entende.
Fala a 'língua' do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é reprovado, é perseguição.
O aluno é aprovado, deu 'mole'.

É, o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele!

Autor: Jô Soares
Fonte: Revista do Professor de Matemática, no. 36,1998.)

"Eita, vida difícil!" (hehehehe...)

sábado, 15 de janeiro de 2011

GRANDES NOMES CRISTÃOS - VI

Karl Friedrich Gauss (1777-1855), matemático e físico

"Existem questões a cuja resposta eu daria um valor infinitamente maior do que às matemáticas, por exemplo: questões sobre ética, sobre nosso relacionamento com Deus, sobre nosso destino e nosso futuro. Para a alma existe uma satisfação de espécie superior, para a qual dispenso o que é material"

Dentes podem “detonar” teoria da evolução humana

Uma equipe de cientistas da Universidade de Telavive descobriu numa gruta em Israel fósseis que parecem ser do homem moderno, mas que estão em camadas de terra com idades entre os 400 e 200 mil anos [sic] – mais antigas do que o nascimento dos [ditos] antepassados diretos do homem. A descoberta deixou a comunidade científica em alvoroço. A história da evolução humana é resumida assim: pensa-se que o homem moderno evoluiu há 200 mil anos, na África [o que também vem sendo contestado], tendo depois migrado para o resto do mundo, substituindo os humanos que existiam em cada local. O autor do artigo diz que os dentes possuem tanto características de neandertais como de Homo sapiens. Mas se esses dentes forem do Homo sapiens, isso significa que toda a história da evolução humana como nos tem sido contada nos últimos anos, todos os dados e descobertas feitas para alimentar essa visão, não passam de [conversa fiada].

O líder do grupo, Avi Gopher, parece o mais apreensivo com a descoberta: “É preciso sermos cuidadosos; não podemos atirar para o lixo um paradigma só por causa de alguns dentes.” Essa afirmação não deixa de ser curiosa, já que outros elos perdidos foram inventados apenas e só a partir de dentes (o caso mais insólito é o famoso Homem de Nebraska).

Os dados foram publicados no The American Journal of Physical Anthropology.

A Nature perguntou ao investigador se esses dentes realmente ofereciam evidência de que o Homo sapiens não evoluiu na África. Ele respondeu: “O que posso dizer é que eles deixam todas as hipóteses em aberto. Há uma tendência das pessoas a se acostumarem à hipótese ‘Fora da África’, utilizando-a exclusivamente e explicando todas as descobertas que não se encaixam nela como novas ondas de migração para fora da África.”

O que ele está dizendo é que os evolucionistas são pródigos em descartar os dados que não se encaixam em seus paradigmas pré-estabelecidos. Nada que nós já não soubéssemos.

Se eu tivesse de apostar, diria que tudo vai ser feito para que essa descoberta seja minimizada e descartada. É mais fácil dizer que os dentes, que têm tudo para terem pertencido ao Homo sapiens, tenham pertencido a uma espécie diferente, de modo a não atrapalhar a linha de tempo evolucionista. Já imaginou o que significa ter de reconstruir toda a narrativa, toda a linha de tempo evolutiva? E como se explicariam os milhares de “estudos” que há anos têm sido usados para alimentar a visão do “Fora da África”? Vai-se admitir que foram tempo e dinheiro perdido? É mais fácil e barato descartar novamente uma evidência contra (sim, novamente! Já aconteceu).

Os evolucionistas estão com muito medo e profetizo pressões vindas de todo o lado em direção à equipe de paleoantropólogos liderada por Avi Gopher. É por isso que a teoria da evolução não merece credibilidade. Uns simples dentes facilmente mostram que todas as histórias inventadas e que subsistiram por longos anos ou décadas não passam de pura fantasia e propaganda naturalista. Por sua vez, os criacionistas bíblicos não precisam todos os anos alterar suas convicções a respeito da verdadeira origem das espécies.

(A Lógica do Sabino) (criacionismo)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Concurso Público aborda o refutado experimento de Miller

Domingo passado (09/01), houve um concurso para provimento de professores no estado da Bahia. Fiquei um pouco surpreso quando li quatro questões (de números 21, 22, 23 e 24) da prova de conhecimentos interdisciplinares (responderam a estas questões somente aqueles que concorreram às vagas para professores das disciplinas de biologia, química e física) que retratava do famoso experimento de Miller-Urey - como pode ser vista na figura ilustrativa a cima. Experimento este, que ainda consta registrado em praticamente todos os livros didáticos do ensino médio e também de nível superior.

Quem nunca leu a respeito, o referido experimento tinha a finalidade de testar a hipótese de Oparin e Haldane sobre a origem da vida. O experimento de Miller na época (sua foto ao lado) produziu o tipo de resultados que os naturalistas desejavam para comprovar que a vida poderia ter uma origem inorgânica sob condições redutoras na suposta atmosfera primitiva.

No entanto, o que muitos ainda não sabem é que o experimento foi repetido muitas vezes por outros investigadores utilizando pequenas variações na composição, e obtendo resultados similares. Não obstante, apenas uma década após este experimento, os cientistas já questionavam a postulada composição da atmosfera da terra primitiva que baseou essas descobertas.

[Leia aqui o estudo completo dos problemas com os experimentos de Miller- Urey e os verdadeiros resultados químicos dos experimentos.]

Contudo, é bom ter em mente que para nos beneficiarmos com um resultado positivo nas provas de concursos públicos, vestibulares e até mesmo em algumas disciplinas dentro da faculdade - infelizmente - somos obrigados a pontuar nessas avaliações estas teorias como supostamente verdadeiras, mesmo sabendo que elas são contraditórias até mesmo pela própria ciência. [Firmo Neto]

Veja também esse vídeo: É uma sátira à Teoria da Abiogênese. Uma vovó atéia e evolucionista chama a sua netinha criacionista para contar como a vida surgiu no mundo utilizando-se da Teoria da Abiogênese. Mas a vovó subestimou sua netinha!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Sansão e Dalila: Impressões e algumas Reflexões

Uma águia altaneira a cortar o céu, vislumbrando uma marcha de campesinos sedentos. O seu voo é enfocado de vários ângulos, lembrando o efeito time bullet inaugurado pelo filme Matrix. Assim se inicia o primeiro capítulo da minissérie Sansão e Dalila, produção da Rede Record, baseada em uma popular história bíblica. A minissérie terá dezoito capítulos. Trata-se da primeira teledramaturgia totalmente produzida em alta definição pela emissora.

Quem esperava um show de tecnologia de ponta a ponta, satisfez-se apenas parcialmente. A abertura, bastante simples, trouxe cenas em pergaminho sobre a vida de Sansão, lembrando outras produções da emissora. A novidade em relação às novelas da Record, geralmente semelhantes em temática às da Rede Globo [1], consagrada concorrente, é o fulcro religioso. Novidade porque, para uma emissora mantida pela Igreja Universal do Reino de Deus, denominação neo-pentecostal das mais influente, a Record é contrassensualmente laica! Recentemente, a partir da minissérie A história de Ester, é que a emissora de Edir Macedo vem investindo em adaptações de temas bíblicos. [Leia o artigo completo aqui]

Concurso sul-americano sobre a Bíblia só para universitários em 2011

Há quatro anos, os adventistas sul-americanos voltaram a um velho hábito: promover um grande concurso sobre conhecimentos bíblicos. O chamado Bom de Bíblia é realizado pelo Ministério Jovem da Igreja Adventista para oito países e, em 2011, tem um diferencial: será voltado exclusivamente aos universitários. [Saiba como participar do concurso aqui.]

Fonte: ASN

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Dinheiro, os segredos de quem tem

Não estava na lista de livros para serem lidos nas minhas férias, mas acabei colocando ele na frente dos outros. A recente indicação foi do meu irmão gêmeo, Orlando Filho – que por sinal, era um consumidor descontrolado. O livro Dinheiro, os segredos de quem tem de Gustavo Petrasunas Cerbasi, nos apresenta uma metodologia para construir nossa independência financeira, como também, garantir uma renda que pague as despesas sem precisarmos mexer em sua fonte geradora. É sem dúvida uma leitura obrigatória para todos aqueles que desejam promover uma mudança para melhor na sua vida financeira. De forma simples e clara, o autor mostra como é possível sair do vermelho e fazer seu dinheiro multiplicar. Um excelente livro para quem quer começar o ano com o pé direito. Boa leitura!

Verão 96 FM e Programa 96 Gospel




Pelo louvor e honra de nosso Deus, tenho a benção, a oportunidade e o orgulho de apresentar um programa gospel em uma das maiores emissoras de rádio do sudoeste baiano. O programa 96 Gospel é feito com muito carinho para todos os ouvintes das 21 cidades alcançadas pelas ondas sonoras da 96,3 Fm, no qual, tem conquistado - em menos de um ano - a audiência de vários públicos como: evangélicos, católicos, espíritas, e até mesmo dos ateus ou agnósticos.

Acredito que, a razão pelo sucesso deste programa é pela sua diversidade de músicas gospel, pelas mensagens inspiradoras veiculadas, pelo momento da oração proporcionado, pelos sorteios de brindes oferecidos, pelos pedidos musicais aceitos e até mesmo das brincadeiras interativas realizadas ao vivo e, é claro, o sucesso e a credibilidade da própria emissora que está no ar há mais de 24 anos em nossa região.

Então, vai aqui o nosso muito obrigado a todos e que neste ano de 2011 possamos continuar a louvar e engrandecer o nome do nosso Senhor Jesus Cristo em grandes frequências! Não deixem de ouvir o programa 96 Gospel, aos domingos de 8 às 9 horas na Rádio Guanambi FM na frequência modulada 96,3 Fm ou pela internet, www.guanambifm.com.br.

Firmo Neto

NOTA: "Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo". (Apocalipse 3:20)

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

GRANDES NOMES CRISTÃOS - V

Wilhelm von Humboldt (1767-1835), lingüista, co-fundador da primeira universidade de Berlim

"Os mistérios de Deus não são compreendidos; são adorados."

Papa afirma que Deus é responsável pelo Big Bang

A mente de Deus esteve por trás de teorias científicas complexas como a do Big Bang, e os cristãos devem rejeitar a ideia de que o universo tenha surgido por acaso, disse o papa Bento 16 nesta quinta-feira. “O Universo não é fruto do acaso, como alguns querem que acreditemos”, disse Bento 16 no dia em que os cristãos celebram a Epifania, o dia em que a Bíblia diz que os três reis magos, seguindo uma estrela, chegaram ao lugar onde Jesus nasceu. “Contemplando (o Universo), somos convidados a enxergar algo profundo nele: a sabedoria do criador, a criatividade inesgotável de Deus”, disse o papa em sermão para 10 mil fiéis na Basílica de São Pedro. Nos casos anteriores em que o papa falou sobre a evolução, ele raramente voltou atrás no tempo para discutir conceitos específicos como o do Big Bang, que cientistas acreditam tenha levado à formação do universo, cerca de 13,7 bilhões de anos atrás.

Pesquisadores do Cern, centro de pesquisas nucleares em Genebra, vêm esmagando prótons juntos em velocidade quase igual à da luz para simular as condições que, acreditam, teriam dado origem ao Universo primordial, do qual terminaram por emergir as estrelas, os planetas e a vida na Terra - e possivelmente em outros lugares também.

Alguns ateus afirmam que a ciência pode provar que Deus não existe, mas Bento disse que algumas teorias científicas são “mentalmente limitadoras” porque “chegam apenas até certo ponto ... e não conseguem explicar a realidade última”.

O papa declarou que as teorias científicas sobre a origem e o desenvolvimento do Universo e dos humanos, embora não entrem em conflito com a fé, deixam muitas perguntas sem resposta. “Na beleza do mundo, em seu mistério, sua grandeza e sua racionalidade [...] só podemos nos deixar ser guiados em direção a Deus, criador do céu e da terra”, disse ele. Bento 16 e seu predecessor, João Paulo 2º, procuram despir a Igreja da imagem de ser contrária à ciência - rótulo que ela ganhou quando condenou Galileu por ensinar que a Terra gira em volta do Sol, contestando as palavras da Bíblia [na verdade, contestando as palavras da Igreja Católica da época, já que a Bíblia nada diz de científico sobre isso].

Galileu foi reabilitado, e hoje a Igreja também aceita a evolução como teoria científica e não vê razão pela qual Deus não possa ter empregado um processo evolutivo natural para formar a espécie humana.

A Igreja Católica deixou de ensinar o criacionismo - a ideia de que Deus teria criado o mundo em seis dias, conforme descrito na Bíblia - e diz que o relato bíblico do livro do Gênesis é uma alegoria para explicar como Deus criou o mundo.

Mas a Igreja é contra o uso da evolução para respaldar uma filosofia ateia que nega a existência de Deus ou qualquer participação divina na criação. Ela também é contra o uso do livro do Gênesis como texto científico. [A Igreja Católica está ajudando a criar uma “cobra” e parece não se dar conta disso...]

(UOL)

Nota: Os cientistas acreditam que o universo tenha surgido de determinada maneira e então realizam experiências meticulosa e inteligentemente calculadas para obter o resultado desejado. Isso me lembra, de algum modo, a experiência desacreditada de Urey-Miller, já que os cientistas projetaram inteligentemente o experimento para obter o resultado desejado e não testaram o que não pode ser observado. A teoria do Big Bang (à semelhança da macroevolução) está longe de ser consenso, por isso acredito que o papa se coloca em posição complicada ao defender esse modelo de origem para o universo. E se um dia um ou mais cientistas provarem que o modelo está equivocado? Como ficará a tal “infalibilidade papal”? Vale a pena abrir mão da revelação divina para abraçar teorias mutáveis, muitas das quais discordam do relato bíblico? Quando o papa João Paulo 2º deu sua bênção ao darwinismo, na década de 1990, isso me pareceu uma tentativa conveniente de conciliação para evitar confrontos filosóficos, o que não é possível para aqueles que creem na historicidade dos primeiros capítulos de Gênesis e não adotam a teologia liberal. O medo de injustiçar cientistas como Galileu está fazendo o papa ir a outro extremo perigoso.[Michelson Borges]

Leia também: “Mistura impossível” e “Big bang e universos paralelos”

Veja este vídeo também:

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Theodore Roszak 'falou e disse': acreditar na evolução através da seleção natural envolve muito mais fé

"Alguns biólogos ainda argumentam que você pode chegar às formas evolucionárias superiores puramente através da seleção natural... Isso envolve mais fé no acaso do que as pessoas religiosas têm fé na Bíblia."

FONTE: Desafiando a Nomeclatura Científica

sábado, 1 de janeiro de 2011

GRANDES NOMES CRISTÃOS - IV

Alessandro Volta (1745-1827), físico

"Submeti as verdades fundamentais da fé a um estudo minucioso. Li as obras dos apologetas e de seus adversários, avaliei as razões a favor e contra e assim obtive argumentos relevantes que tornam a religião (bíblica) tão digna de confiança ao espírito científico que uma alma com pensamentos nobres ainda não pervertida por pecado e paixão não pode senão abraçá-la e afeiçoar-se a ela. Peço a Deus que minha profissão de fé, que me foi solicitada e que eu forneço com alegria, escrita de próprio punho e por mim assinada, possa ser apresentada a todos, pois não me envergonho do Evangelho."

Montanha chinesa tem mais de 20 mil fósseis marinhos

Mais de 20 mil fósseis de répteis, mariscos e outras criaturas marinhas pré-históricas [sic] foram localizadas em uma montanha na China. A descoberta, feita por uma equipe do Centro Geológico Chengdu, pode fornecer pistas de como as espécies são menos ou mais suscetíveis à extinção. A vida quase foi aniquilada há 250 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista] por uma erupção vulcânica na região da Sibéria [segundo a hipótese levantada], seguida de um aquecimento na temperatura em termos globais, e somente uma em cada dez espécies sobreviveu à explosão ocorrida no fim do período Permiano. Os fósseis encontrados representam um ecossistema completo resgatado depois dessa época. A montanha fica em Luoping, a sudoeste da China, e praticamente teve metade de sua superfície escavada. A camada de calcário onde os fósseis foram encontrados é remanescente da época em que a região sul chinesa era ainda um território com clima tropical, cercada provavelmente de coníferas.

Os fósseis são excepcionalmente bem preservados, e mais da metade está intacta. Peles delicadas que sobreviveram à ação do tempo também podem indicar como a dieta e a locomoção desses animais eram feitas.

Um talatossauro é a maior criatura encontrada pelos cientistas, cujo comprimento é de até três metros. Além dele, também havia um ictiossauro, que lembra remotamente um golfinho.

(Folha.com)

Nota: Mais uma vez os pesquisadores arranham a verdade, mas se recusam a admitir (ou reconhecer) os fatos. O que fósseis de animais marinhos fazem no alto de montanhas (não apenas na China, é bom lembrar)? O que seria capaz de preservá-los em tão boas condições (com a pele delicada, inclusive), já que se sabe que, para isso ocorrer, é necessário um sepultamento rápido sob lama e sedimentos? Mais: quanta lama seria necessária para soterrar 20 mil espécimes, alguns dos quais com até três metros de comprimento? Os cientistas deveriam seguir as evidências levassem aonde levassem, mesmo que “esbarrassem” em certo relato bíblico a respeito de uma catástrofe hídrica global.[Michelson Borges]

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails