quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

2010. Somos nós que construímos

Hoje é 31 de dezembro. Último dia de 2009. Vamos aqui evitar os clichês... Deixar de lado argumentos do tipo “este ano passou rápido demais”. Vamos pensar no que significa este momento... Refletir no que pode representar o início de um novo ano.

A primeira coisa que acho interessante pensar é que 2010 será apenas a continuidade de 2009, que foi a sequência de 2008, 2007, 2006... E assim por diante. O fato de encerrarmos um ano e iniciarmos outro só significa mudança se ela acontecer dentro de nós.

Hoje é quinta-feira. Amanhã é sexta. Hoje ainda é 2009. Amanhã será 2010. O que terá mudado? Apenas um dia no calendário. A diferença quem faz somos nós.

A passagem de ano é simbólica. Podemos tornar especiais os próximos dias do ano novo ou simplesmente repetir tudo que fizemos em 2009. A escolha é nossa.

Quando o relógio der meia-noite e os fogos explodirem no ar, poderemos viver mais do mesmo ou escrever uma nova história. O que faremos?

Se nossa atitude em relação a 2010 for positiva, poderemos construir um ano marcante, transformador – para nós e para as pessoas que nos cercam. Não é o ano que nos presenteia com coisas boas. Somos nós os responsáveis por fazer de 2010 um ano espetacular. Esperar que 2010 nos traga vitórias, abrindo mão de lutar por elas, é abdicar da oportunidade que nos é dada de experimentar a vida plenamente.

Então, decida hoje tornar significativa a virada do calendário. Dê a chance desse sentimento simbólico de mudança se concretizar em sua vida. Faça as melhores escolhas. Busque amar, amar intensamente, todos os dias... Sem preconceitos e sem fazer distinção de raça, cor, gênero ou personalidade. Ame, revele em palavras e reafirme em ações esse sentimento. Você vai notar que, quando o amor é verdadeiro, tudo fica mais fácil, o mundo parece mais colorido e nossos dias se tornam únicos.

Feliz Ano Novo!

FONTE: Fato pensado

domingo, 27 de dezembro de 2009

Amalgamação

Meu amigo, Marcelo Magalhães, curioso e muito estudioso das profecias dos livros de Apocalipse, Daniel e dos Escritos de Ellen White, relatou-me ontem sobre um assunto muito interessante: amalgamação (misturas de seres). A profetisa americana Ellen White - considerada pelos adventistas - escreveu em um dos seus escritos proféticos sobre este polêmico assunto, que relata o que tem ocorrido no passado “amálgama de homem e besta" dando origem a raças inferiores tanto de homens quanto de animais. Pesquisando mais, pude obter um resultado bastante coerente e de grande relevância para os estudiosos dos Escritos proféticos e da ciência. Com o resultado em mãos resolvi dividir este assunto com todos amigos blogueiros, para aqueles que ainda não conhecem e para outros que já ouviram e leram sobre amalgamação. Clique aqui para ler o documentário completo. Boa leitura!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Feliz Natal Vegetariano


NOTA: Amei este Cartão de Natal Vegetariano produzido pelo Instituto Nina Rosa, vale à pena clicar no link e assistir!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

O Natal é pagão?


Todo mês de dezembro oferece uma oportunidade a Igrejas Adventistas em todo o mundo de celebrar o Nascimento de Cristo.

Para muitos, porém, esse período é marcado por consumismo e secularismo.

Mas qual deveria ser a posição adventista frente à celebração do Natal? Seria esta uma data pagã?

Um dos argumentos contra a celebração do Natal é mais ou menos assim: a data 25 de dezembro coincide com um festival romano, possivelmente o Sol Invictus, e por isso a celebração do nascimento de Cristo neste dia tem associações com o paganismo e não deve ser celebrada por Cristãos.

Primeiramente, precisamos entender que há divergências entre historiadores cristãos quanto à real razão da escolha da data de 25 de dezembro. Alguns argumentam que a data foi escolhida por marcar 9 meses da concepção de Maria, segundo a Festa da Anunciação. Outros ainda acreditam que a data foi escolhida por marcar o solstício vernal no hemisfério Norte que torna o dia mais longo, sendo assim um símbolo desejável do Advento de Cristo que trouxe “luz ao mundo”.

Por outro lado, há indícios de que o nascimento do Sol transformou-se em um símbolo de Jesus para Cristãos na época em que o Natal foi instituído. Fatos históricos mostram que a simbologia de Cristo como SOL INVENCÍVEL (do festivas romano do Sol Invictus) surgiu no cristianismo já no ano de 250 A.D., como pode ser vista em uma pintura descoberta em um ruínas de um mausoléu sob a Catedral de São Pedro no Vaticano.

Essa prática parece ter-se baseado em Malaquias 4:2:

Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, trazendo curas nas suas asas; e vós saireis e saltareis como bezerros da estrebaria.”

Esse simbolismo de Jesus Cristo como Sol Invictus contrapondo o festival romano de mesmo nome se deve possivelmente ao fato de que os cristãos fiéis na época do surgimento do Natal (3-4 Séculos) viviam em constante conflito com o estabelecimento romano e muitos desses símbolos, em vez de representar um sincretismo religioso, proviam na realidade uma contrafação cristã à simbologia idólatra romana.

Por isso, creio que a rejeição das celebrações de Natal devido a supostas “origens pagãs” carece de respaldo histórico.

Veja também como o argumento acima contra o Natal também está baseado na falácia lógica da culpa por associação, ou seja, se a data da celebração do Natal coincide com um festival pagão, então essa associação com o paganismo desqualifica o Natal. Ou seja, não importa QUAL significado demos ao Natal, suas origens são pagãs e pronto!

Outros argumentos contra o Natal dizem que, porque ele foi instituído pela Igreja Católica, aceitá-lo seria como aceitar a guarda do domingo. Há também outra falácia lógica aí, a “falácia genética” em que a origem de certa afirmação (ou evento) aprova ou desaprova sua validez: se o Natal originou-se no “catolicismo”, devemos repudiar essa festa como pagã e apóstata.

Mas lembre-se que o cânon sagrado, a Bíblia, também foi preservado pela Igreja Católica e finalizado ao redor do mesmo tempo do estabelecimento do Natal. Por que não vemos os críticos do Natal rejeitando a Bíblia por suas associações com o catolicismo?

Símbolos têm o significado que damos a eles.

A Bíblia tem vários exemplos de símbolos pagãos que foram usados para expressar verdades eternas, como a serpente no deserto que era símbolo de um Deus egípcio e símbolo do Dragão (Apo. 12) mas que Deus usou como símbolo de Cristo (João 3:14). A cruz era símbolo de tortura e opressão pelos romanos mas Deus a usou para realizar a expiação. O uso cristão desses símbolos modificou suas conotações.

Invertendo um pouco a analogia, o arco-íris foi usurpado pelo movimento homossexual e tem hoje fortes associações pagãs. Por que não vemos os críticos do Natal rejeitando o arco-íris como um símbolo da promessa divina por causa dessa associação?

É certo que a Bíblia não revela a data do nascimento de Cristo e muitos se apegam a isso também para rejeitar o Natal. Mas não temos na Bíblia tampouco uma condenação de celebrações da Natividade. Saber a data é irrelevante, pois comemoramos o evento e não uma data! Quem sabe Deus velou a data para nos concentrarmos justamente no evento, já pensou nisso?

Aliás, a grande celebração que houve no céu e na terra naquela ocasião nos autoriza cristãos em todo o mundo a repetir o “cântico de Belém”. Veja:

“Glória a Deus nas alturas,

Paz na Terra, boa vontade para com os homens.” Luc. 2:14.

Quem dera que a família humana pudesse hoje reconhecer este cântico! A declaração então feita, a nota vibrada então, avolumar-se-á até ao fim do tempo, e ressoará até aos extremos da Terra. Quando se erguer o Sol da Justiça, trazendo salvação sob Suas asas, esse cântico há de ecoar pela voz de uma grande multidão, como a voz de muitas águas, dizendo: “Aleluia, pois já o Senhor Deus todo-poderoso reina.” Apoc. 19:6.

A história de Belém é inexaurível. Nela se acham ocultas as “profundidades das riquezas, tanto da sabedoria como da ciência de Deus”. Rom. 11:33.” (O Desejado de Todas as Nações, p. 48)

Veja como E. G. White também usa a mesma analogia do nascimento do Sol para falar do nascimento de Cristo!

E também:A nota vibrada então, avolumar-se-á até ao fim do tempo, e ressoará até aos extremos da Terra.

A menos que eu e você cantemos esse hino, ele terá morrido 2.000 atrás! Nós somos as vozes desse anjos para as pessoas hoje!

Como celebrar na Igreja?

Estatísticas demonstram que o Natal é o período do ano em que as pessoas se acham mais abertas a assuntos espirituais. Temos aí uma oportunidade fantástica de testemunhar. O ideal então seria celebrar TODO o mês de dezembro como um período de festa espiritual, não necessariamente só o dia 25 de dezembro.

Não devemos desperdiçar essa oportunidade com discussões fúteis e falaciosas sobre o “paganismo” do Natal. Não vamos permitir que Cristo seja eclipsado pelo paganismo. Façamos do Natal um evento Cristão porque Cristo é o centro!

Muitos dos comentários de adventistas contra o Natal em blogs e fóruns exalam um azedume injustificável contra as celebrações Natalinas. Alguns até chamam o período de “maldito Natal”. No mesmo capítulo do Desejado, E.G. White também revela a atitude de Satanás para com o nascimento de Cristo:

“Satanás aborrecera a Cristo no Céu, por causa de Sua posição nas cortes de Deus. Mais O aborreceu ainda quando se sentiu ele próprio destronado. Odiou Aquele que Se empenhou em redimir uma raça de pecadores. (O Desejado de Todas as Nações, p. 49)

Será que não corremos o risco de cair no mesmo espírito do inimigo ao nos opormos ao Natal com um “engano satânico” apesar de toda a beleza de seu significado cristão? Também não é cristão impor nossos devaneios quanto ao “paganismo” do Natal sobre outros irmãos que estão querendo usar esse período para celebrar a Cristo.

Deveríamos nós adventistas rejeitar o Natal por origens pagãs?

Não, pois não há na celebração da Natividade “origens pagãs”. Apesar de o Natal possivelmente coincidir com outras datas seculares, em si, seu estabelecimento celebra um evento profundamente Cristão, a encarnação de Jesus Cristo. O EVENTO celebrado é que cristianiza a data.

Alguns acham que o Natal deve ser celebrado, mas de maneira diferente: não como uma celebração do nascimento de Cristo mas fazendo obras de caridade, cuidando de enfermos, mendigos, etc.

Sem dúvida, Jesus foi o “servo dos servos” e o Natal deveria levar-nos ao serviço. Portanto, vamos fazer o bem neste período pois as pessoas estão abertas a isso: mutirões de Natal, ministérios pessoais, beneficência cristã.

Mas creio que os Adventistas deveriam ser tornar líderes das grandes celebrações de Natal com musicais, cantatas, programas especiais na Igreja e para a comunidade. Que nossas Igrejas deixem de uma vez de lado as dúvidas sobre o Cristianismo desse período e se encham de hinos de louvor ao bebê de Belém! Que haja enfeites, luzes, árvores de Natal (afinal, a árvore é um símbolo de Jesus também! Veja esse artigo aqui no Advir: Seria Errado Ter Árvore de Natal na Igreja?), encenações de Natal e tudo o que exalte o nome daquele que nasceu em Belém.

Confesso que minhas lembranças do Natal no Brasil não das melhores. As “musiquinhas” de Papai Noel tinham a preeminência. Moro nos EUA há 13 anos e só aqui aprendi a apreciar o lado Cristão do Natal. Não só pela mudança de estação, (a maioria dos meus Natais aqui foi no inverno com neve!) mas porque há uma verdadeira explosão de celebração de Jesus Cristo no mundo Cristão aqui. Criou-se aqui uma tradição quase inesgotável de lindos hinos sobre o nascimento de Jesus, algo que deixa a desejar na cultura evangélica em outros lugares. Seria impensável NÃO celebrar a Cristo neste período.

Voltando à pergunta inicial: o Natal é pagão?

Tudo depende de COMO o celebramos:

Se nos ajoelhamos perante os deuses consumistas desse século, ele será pagão e secular.

Se nos ajoelhamos ao pé da manjedoura e contemplamos o mistério da encarnação, faremos de Cristo o centro!

Espero que seu Natal seja um período de luz, paz e ESPERANÇA!

FONTE: advir

sábado, 12 de dezembro de 2009

www.sabado.org


NOTA: Acesse o mais novo site que retrata exclusivamente do tema: verdadeiro dia de descanso semanal (www.sabado.org).

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Bandidos podem, sabatistas, não


O traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, 42, deve fazer a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em janeiro de 2010 na penitenciária segurança máxima de Campo Grande (MS). Outros 41 detentos da unidade também estão inscritos para o exame. De acordo com a assessoria do Ministério da Justiça, a prova será aplicada entre os dias 5 e 6 de janeiro [terça-feira e quarta-feira], no período da tarde, em cada uma das quatro alas da penitenciária. Em cada uma dessas alas terá um fiscal do MEC (Ministério da Educação) acompanhando a aplicação do exame, além de agentes penitenciários. Segundo o MEC, dados preliminares apontam que cerca de 10 mil detentos vão realizar a prova em todo o país, mas ainda não possuía, até a manhã de hoje, um balanço dos Estados e presídios em que acontecerá a prova.

Beira-Mar foi condenado no mês passado a 15 anos de prisão, em regime inicial fechado, pelo assassinato do também traficante João Morel, ocorrido em 21 de janeiro de 2001 no presídio de segurança máxima de Campo Grande (MS).

Antes disso, ele já cumpria pena de mais de 67 anos de prisão por crimes -relacionados, em sua maioria, ao tráfico de drogas -, passou por diferentes unidades prisionais e, desde 2007, cumpre pena no presídio federal de Campo Grande.

(Folha Online)

Nota: Adventistas e judeus solicitaram a mudança do dia da prova do Enem, que neste ano caiu num sábado e num domingo, e não tiveram o pedido atendido. Tiveram, sim, que ficar confinados ("presos") numa sala para poder prestar o exame após o pôr do sol de sábado. Apesar da desvantagem em relação aos demais estudantes (ter que realizar a prova à noite, após um dia tediante de reclusão), ninguém reclamou. Foi um paliativo razoável. Mas a notícia acima mostra que há dois pesos e duas medidas, e que o prato da balança tende para o lado dos assasinos, estupradores, traficantes, ladrões... e não para o lado de um povo ordeiro, pacífico, que tudo o que pediu foi a manutenção de seu direito de liberdade religiosa e de consciência. Que país é este?![MB]

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Desculpas para a licenciosidade


Deu no Gazeta Online: "Os mais atentos já notaram que adolescentes vêm incrementando o visual com mais um item: uma colorida pulseira de plástico. O objeto parece inocente. Mas, na realidade, é um código para experiências sexuais, onde cada cor significa um grau de intimidade, desde um abraço até o sexo propriamente dito. As pulseirinhas de silicone, agora promovidas 'a pulseiras do sexo', geraram o maior burburinho desde que começaram a aparecer. Alguns nem imaginam do que se trata. A moda, iniciada na Inglaterra, se disseminou pelo mundo, principalmente via internet, e é febre também dentro das escolas.

"Quem usa as pulseiras está automaticamente participando de um tipo de jogo (o Snap), que funciona assim: uns tentam arrebentar a pulseira do outro. Aquele que consegue ganha o direito ao 'ato' ao qual a cor da pulseira corresponde. As 'prendas' vão desde um carinho até uma atividade sexual.

"Há pais que já ligaram o sinal de alerta. E muitos ficam chocados quando descobrem que a pulseira usada pelo filho serve para esse tipo de 'brincadeira'." (...)

Ela estava em busca de Deus


A família da atriz Leila Lopes, encontrada morta no dia 2, tornou pública a carta encontrada com o corpo. Leia aqui alguns trechos da carta reproduzida no site da Veja: "Não chorem, não sofram, eu estou ABSOLUTAMENTE FELIZ!!! Era tudo o que eu queria: ter paz eterna com meu Deus e, se possível, com minha mãe. Eu não me suicidei, eu parti para junto de Deus. Fiquem cientes que não bebo e não uso drogas, eu decidi que já fiz tudo que podia fazer nessa vida. Tive uma vida linda, conheci o mundo, vivi em cidades maravilhosas, tive uma família digna e conceituada em Esteio, brilhei na minha carreira, ganhei muito dinheiro e ajudei muita gente com ele. Realmente não soube administrá-lo e fui iludibriada por pessoas de má fé várias vezes, mas sempre renasci como uma fênix que sou e sempre fiquei bem de novo. Aliás, eu nunca me importei com o ter. Bom, tem muito mais sobre a minha vida, isso é só para verem como não sou covarde não, fui uma guerreira, mas cansei. É preciso coragem para deixar esta vida.

"Saibam todos que tiverem conhecimento desse documento que não estou desistindo da vida, estou em busca de Deus. Não é por falta de dinheiro, pois com o que tenho posso morar aqui, em Floripa ou no Sul. Mas acontece que eu não quero mais morar em lugar nenhum. Eu não quero envelhecer e sofrer. Eu vi minha mãe sofrer até a morte e não quero isso para mim. Eu quero paz!

"Estou cansada, cansada de cabeça! Não aguento mais pensar, pagar contas, resolver problemas... Vocês dirão: Todos vivem!!! Mas eu decidi que posso parar com isso, ser feliz, porque sei que Deus me perdoará e me aceitará como uma filha bondosa e generosa que sempre fui."

Nota: É o tipo de despedida que faz pensar. É difícil imaginar o que Deus leva em conta em situações como essa, como lida com suicidas (se foi esse mesmo o caso de Leila). Mas o que podemos saber com certeza é que nosso Deus é justo e misericordioso, e julga as pessoas pelo resultado de uma vida - olhando para os méritos de Cristo atribuídos ao pecador arrependido -, e não julga pontualmente, por atos cometidos em momentos de insanidade mental. Ao que parece, o vazio de Leila se devia ao fato de ela estar em busca de Deus. Pena que ela pode ter pensado que somente O encontraria na morte, quando a verdade é que o Criador deseja ser buscado e encontrado agora: "Buscar-Me-eis, e Me achareis, quando Me buscardes de todo o vosso coração. Serei achado de vós, diz o Senhor” (Jeremias 29:13, 14). Não teria ela fugido de Deus enquanto viva? Não teria tentado preencher o vazio da alma com outras coisas? Essas respostas, agora, pertencem a Deus. A carta de Leila também (re)coloca diante dos cristãos a responsabilidade de levar a mensagem de esperança às pessoas que andam pela vida sem rumo, carentes de algo que talvez nem saibam o que é. Trabalhemos e oremos para que outras Leilas não venham a morrer sem saber que o Senhor "não é Deus de mortos, mas de vivos" (Marcos 12:27), e que Ele está perto daqueles que O buscam (Salmo 145:18).[MB]

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Vidas secas


Vidas Secas é o título de um dos romances do escritor brasileiro Graciliano Ramos, publicado em 1938, mas bem poderia ser a definição da existência de algumas pessoas. Há vários motivos que levam uma pessoa a tirar a própria vida, mas um deles (talvez o principal) é a perda de um sentido para viver. Ganha-se dinheiro, fama, poder, prazer, mas muitas vezes às custas da própria dignidade. Chama atenção o número de suicídios entre atrizes, principalmente no dito mercado de filmes pornográficos. Em 1994, a jovem atriz Shannon Michelle Wilsey Longoria (cujo nome artístico era Savannah) tirou a vida com um tiro de revólver. Ela tinha apenas 23 anos e havia estrelado alguns filmes pornográficos. Marilyn Monroe e Anna Nicole Smith foram outras famosas que se despediram da vida de maneira trágica. E a lista continua, basta pesquisar.

Desta vez, ao que tudo indica, foi a atriz brasileira Leila Lopes, 40 anos, que teria cometido suicídio. Ela foi encontrada morta em sua casa, no bairro do Morumbi, na zona sul de São Paulo, na madrugada desta quinta-feira (3). Segundo o delegado Maurício José da Silva Pinto, medicamentos não identificados foram encontrados ao lado do corpo da atriz e ela teria deixado cartas para familiares.

Segundo informações do portal Terra, leila Gomes Lopes nasceu em 1969 na cidade de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, e era atriz, jornalista e apresentadora de TV. Leila ficou famosa após interpretar a “professorinha” Lu, na novela global Renascer, de 1993, e também fez sucesso na pele de Suzane, em O Rei do Gado, de 1996. Antes disso, ela já havia atuado na novela Pantanal, em 1990, na extinta Rede Manchete.

Em março de 1997, Leila fez um ensaio para a revista Playboy. A atriz também ganhou destaque em maio de 2008, quando entrou para o elenco da produtora de filmes pornográficos Brasileirinhas, com o filme “Pecados e Tentações”. Em setembro do mesmo ano, Leila posou nua novamente, desta vez para a revista Sexy Premium. Seus últimos trabalhos foram como apresentadora de TV em programas adultos.

Como ouvi alguém dizer certa vez: tudo sem Deus é nada. A vida em desacordo com os princípios divinos, por mais que a consciência cauterizada tente dizer que tudo está bem, acaba cobrando o preço, mais cedo ou mais tarde. Alguns vão administrando o vazio "de bar em bar", de festa em festa, de compra em compra, de parceiro em parceiro. Outros sucumbem ante desilusão. Jesus disse que veio (também) para que tivéssemos uma vida em abundância, um vida de plenitude, uma vida com um propósito último que norteia e dá sentido ao agora. Viver afastado da fonte de Vida é morrer aos poucos.[MB]

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Refrigerante sem açucar diminui funções dos rins


Um estudo norte-americano, conduzido pela organização Nurses Health Study, concluiu que consumir dois ou mais copos dos chamados refrigerantes zero ou diet - sem adição de açúcar - pode oferecer maiores riscos de problemas aos rins. O resultado aponta que as mulheres que beberam tal quantidade tiveram queda de 30% das suas funções renais durante o período do estudo, que foi apresentado em encontro da Sociedade Americana de Nefrologia, em São Diego (EUA). O estudo partiu de questionários alimentares feitos em 1984, 1986 e 1990 com mais de 3.200 mulheres. As participantes avaliadas tiveram bebidas açucaradas retiradas do cardápio. Em seguida, as mulheres responderam sobre a frequência com que ingeriam as bebidas: se menos de uma vez por mês; de uma a quatro vezes por mês; duas a seis vezes por semana; uma vez ao dia e duas vezes ao dia ou com maior frequência.

Após uma comparação entre a função dos rins das mulheres em 1989 e 2000, observou-se que 11,4% das mulheres participantes apresentaram diminuição das funções renais em 30% ou mais, sendo que as que apresentaram mais problemas foram as que beberam dois ou mais copos de refrigerante sem açúcar por dia.


Fonte: Minha Vida

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails