sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Pesquisa mostra dilemas de biólogos evangélicos


[Meus comentários seguem entre colchetes] Uma pesquisa da Universidade Federal Fluminense (UFF) mostra os conflitos vividos por estudantes evangélicos que querem se tornar professores de ciências. A maioria deles duvida da veracidade da teoria da evolução, de Charles Darwin, mas garante que não vai ensinar nas escolas que Deus criou o homem e o mundo. O biólogo com mestrado em Zoologia do Museu Histórico Nacional Luis Fernando Marques Dorvillé achava que ninguém, dentro de uma universidade, seria capaz de contestar sem base científica o que para a ciência é verdade absoluta. Mas o aumento da incidência de alunos evangélicos nos cursos de Biologia instaurou a polêmica.

A questão que aflige Dorvillé é como alguém pode ensinar ciências sem acreditar na teoria de Darwin? [Como se isso fosse impossível...] Seu assombro foi tamanho que ele passou os últimos oito anos entrevistando alunos para sua tese de doutorado na UFF. O trabalho narra esses embates usando a experiência do cientista com seus alunos evangélicos no curso de Biologia de outra instituição do Estado, a Universidade Estadual do Rio (Uerj).

O levantamento mostra que dos 245 matriculados no curso de Biologia da Uerj, em São Gonçalo, 23% são evangélicos. O número é mais alto do que revelou o Censo de 2000 (15,44% dos brasileiros são evangélicos), mas muito próximo das estimativas de crescimento que o próximo Censo deve mostrar em 2010.

Dorvillé distribuiu questionários entre os alunos de todas as religiões. Diante de questões como “Comente a frase: alguns seres vivos têm parentesco maior entre si do que com outros”, descobriu que a desconfiança sobre teoria da evolução chega a 70% entre os protestantes, 30% dos católicos e 20% dos espíritas e umbandistas.

“No início eu queria convencer os alunos a ferro e fogo. O resultado era nulo. Eles ficavam quietos, escreviam tudo certo e depois falavam ‘mas eu não acredito em nada disso’.” Dorvillé mudou a estratégia. Passou a confrontar as ideias religiosas com argumentos, sem tentar demovê-los de suas crenças.

Da indignação para a conciliação demorou um ano. Nesse período o biólogo ouviu de tudo. De um aluno mais enfático, no auge da discussão sobre a teoria da evolução, veio a justificativa considerada absurda para um futuro biólogo: “Minha avó não é macaca. Então foi Deus quem criou o homem.” [Mas é bom lembrar que os verdadeiros argumentos criacionistas não são assim rasteiros.]

A pesquisa também indicou que os alunos evangélicos mudam ao longo do curso. “A maioria faz uma mediação entre o que diz a ciência e a religião.” Acreditam, por exemplo, que há evolução, mas quem guia todo o processo é Deus; ou admitem que a evolução sirva para as outras espécies, menos para o homem; ou que a criação divina do universo durou seis dias, mas a leitura não deve ser literal, já que entre um dia e outro ocorreram as eras geológicas e o processo de evolução. [Pelo visto, os alunos têm saído dos cursos ainda mais confusos, tentando a via da conciliação e sacrificando conceitos que deveriam ser mais aprofundados, tanto na ciência quanto na teologia.]

De uma coisa eles não abrem mão, diz o professor. “Nunca deixam de ser evangélicos e de acreditar no que a igreja ensina. Nunca abandonam a religião por conta da faculdade.” Essa também não é a intenção de Dorvillé. “Quando eu consigo qualquer grau de interferência me sinto satisfeito.”

A área de ciências é uma das que mais sofre com a falta de professores no País. Pela carência de profissionais, a maioria dos formandos consegue emprego assim que deixa a universidade. “Muitos deles estudam biologia justamente porque o acesso é mais fácil. Não tem muita disputa de vagas no vestibular”, diz.

O cientista conta que, em uma das aulas, ouviu de um aluno uma declaração perturbadora: “Eu sei de tudo isso que você está me falando, mas prefiro não pensar muito.” Para Dorvillé, os alunos vivem uma angústia. “Esta visão de mundo ajuda a formar quem eles são. Muitas vezes foi graças à religião que eles, vindo de famílias pobres, conseguiram chegar à universidade.” [Pena que apenas exemplos extremos de superficialismo sejam mostrados nesta matéria.]

Na sua tese de doutorado, Dorvillé descobriu também que os futuros professores evangélicos concordam que em sala de aula vão repetir a seus alunos o que aprenderam na faculdade. Mesmo que não acreditem. A religião, dizem eles, vai ficar fora da sala.

“Eu já acho emblemático haver evangélico ensinando teoria evolutiva com alguma propriedade. E eles podem ser bons professores, principalmente porque vão falar para muitos alunos evangélicos nas escolas públicas.” Dorvillé confia que eles não vão trair o legado de Charles Darwin. [O que esses professores poderiam fazer com propriedade é mostrar as insuficiências epistêmicas do darwinismo, sem se render à “darwinlatria” de nossos tempos. A visão crítica e comparativa em ciências seria muito bem vinda nas salas de aula, mostrando que naturalismo filosófico não é sinônimo de ciência.] (...)

(Estadão)

Um comentário:

  1. Concordo no que diz respeito que muitos destes estudantes, saem das universidades, mais confusos do que quando entraram a respeito deste tema...
    Creio que Deus criou todas as coisas, porém não podemos negar que as teorias evolucionistas em partes acabam fazendo sentido, entretanto é preciso um estundo muito amplo e aprofundado para poder contextar ou apoiar qualquer que seja a crença, e isso requer muito esforço, temmpo e dedicação, o que na maioria das vezes é o principal fatorque leva pessoas a permanecerem em dúvida.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails