domingo, 7 de outubro de 2018

Vencedores do Nobel de química 2018 provaram a evolução?

O trio de pesquisadores Frances H. Arnold, George P. Smith e Sir Gregory P. Winter que trabalharam separadamente mas vão dividir o prêmio de 9 milhões de coroas suecas (equivalente a R$ 4.098.402) por desenvolverem técnicas que permitem a fabricação de combustíveis verdes e de anticorpos mais eficientes. 

É possível enxergar esta importante descoberta, premiada com o Nobel, como uma vitória em favor do design inteligente. Entenda o porquê.

O Prêmio Nobel de Química deste ano ficou com três cientistas: a norte-americana Frances Arnold, o norte-americano George Smith e o britânico Gregory Winter. Jornais por aí dizem que os premiados assumiram o controle da evolução e usaram a mudança genética e a seleção para desenvolver proteínas que resolvem os problemas químicos da humanidade. “Os métodos que os premiados desenvolveram servem para promover uma indústria química mais verde, amiga do ambiente, produzir novos materiais, fabricar biocombustíveis sustentáveis, tratar doenças e, assim, salvar vidas”, disse o comitê do Nobel.

Entre as mais ufanistas está a reportagem da BBC. Ali é dito que “a evolução foi premiada pelo prêmio Nobel de Química de 2018”. Mas, afinal, o que os premiados fizeram? Eles finalmente provaram que a teoria da evolução é um fato?
Segundo as grandes mídias cientistas premiados com o prêmio Nobel foram inspirados pelo poder da evolução. Será?

Obviamente, o que foi realizado por Frances, Smith e Winter não foi pouca coisa. E isso não está em questão. O que quero discutir é o oportunismo dos evolucionistas em promover sua ideologia macroevolutiva com base em fatos que, na realidade, não a provam.

Evolução não comprovada

Frances realizou a primeira “evolução dirigida de enzimas”, proteínas que catalisam reações químicas. Essas enzimas são usadas para fabricar desde biocombustíveis a produtos farmacêuticos. Smith e Winter trabalharam na clonagem de peptídeos, que são os compostos formados pela união de dois ou mais aminoácidos. O cientista americano desenvolveu um método de clonagem em que um vírus pode ser utilizado para desenvolver novas proteínas. O britânico usou a mesma técnica para produzir novos fármacos que podem neutralizar toxinas, combater doenças autoimunes e tratar o câncer metastático.

Certo, mas cadê a evolução darwiniana?

De acordo com um comunicado da academia sueca que confere o prêmio, “o poder da evolução se revela por meio da diversidade da vida. Os ganhadores do Nobel de Química de 2018 conseguiram controlar a evolução e usá-la para fins que geram grandes benefícios para a humanidade”.

A academia sueca destacou, ainda, que, desde o surgimento das “primeiras sementes de vida há 3,7 bilhões de anos”, cada canto da Terra foi povoado por diferentes organismos. “A vida floresceu em fontes termais, em oceanos profundos e desertos secos, graças ao fato de a evolução ter conseguido resolver problemas químicos.” Mas o que isso tem a ver com a pesquisa dos três cientistas premiados?

Na pesquisa deles, as proteínas mudaram e se renovaram incessantemente. Com isso, criaram diversidade. A academia afirma que os três cientistas foram “inspirados pelo poder da evolução”, por isso usaram alterações e seleções genéticas. E, então, criaram em tubos de ensaio proteínas que resolvem problemas químicos da humanidade.

Mas o processo principal consistiu em submeter genes a rodadas sucessivas de mutações, seleção e amplificação, realizadas in vivo ou in vitro, para fazer com que proteínas ou ácidos nucléicos tenham propriedades e cumpram objetivos específicos.

Design inteligente provado

A verdade é que foi usada muita inteligência, engenharia e técnicas apuradas para se alcançar objetivos específicos. Algo muito diferente do que supostamente teria ocorrido na natureza, onde impera a aleatoriedade nas mutações, segundo a ótica evolucionista.

Então, ao contrário do que a academia sueca e boa parte da mídia afirmam, o que os cientistas premiados provaram foi o design inteligente e não a teoria da macroevolução, uma hipótese falseada. Ideia que tenta sobreviver e mascara para os leigos e incautos os processos inteligentes. Eles querem passar o conceito de que se trata de evolução darwiniana e que tudo o que os pesquisadores fizeram foi acelerar o processo.

Segundo a bióloga e mestre em Bioquímica pela UFRGS Graça Lütz, “o desenvolvimento de novas proteínas enzimáticas através de evolução dirigida utiliza enzimas que já têm algo da função desejada. Por meio de mutações induzidas, utilizando um processo iterativo e manipulação de seleção positiva e negativa, essas proteínas estão longe de demonstrar a evolução.

Elas são, antes, produto de design inteligente: as enzimas foram escolhidas, algumas passaram por engenharia, os mecanismos de mutação foram selecionados e aplicados utilizando metodologia específica, a seleção positiva e negativa não é natural, mas utiliza componentes que são produtos de engenharia. A evolução se baseia em mutações ao acaso e seleção natural, e não foi isso que ocorreu nessa seleção dirigida”.

Mais uma vez, os evolucionistas tentam sequestrar pesquisas sérias para tentar validar suas teses filosóficas. E se você tentar argumentar, vão dizer: “Quem é você para discordar de um prêmio Nobel?”

Fonte: Michelson Borges

Nota: Entenda melhor sobre microevolução e macroevolução clicando AQUI!

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Congresso criacionista - Por que Creio

Clique para ampliar!

Cronograma do evento

Sexta-feira - 19/10

19:30 –  Abertura do evento

20:15 – Apresentação dos Palestrantes

19:50 – Apresentação da Escola Adventista

20:20 –  Palestra Michelson Borges Por que creio

21:15 – Mesa Redonda

21:35 - Encerramento

Sábado – 20/10

8:00 – Abertura e Boas Vindas

8:15 – Palestra Dr. Matusalém O Mito de Sumé – parte 1
9:15 – Perguntas

9:25 – Dr. Lutz - Evidências científicas de Deus
10:25 – Perguntas

10:35 – Palestra Dr. Rodrigo Silva - O Gênesis e a Literatura Sumeriana 
11:35 – Perguntas

11:45 – Encerramento

12:00 – Período de Almoço

14:00 – Dr. Matusalém – O Mito de Sumé – parte 2
15:00 – Perguntas

15:10 – Michelson Borges - Criacionismo na mídia
16:10 – Perguntas

16:20 – Palestra Graça Lutz - O modelo evolucionista sob a óptica de pesquisas atuais
17:20 – Perguntas

17:30 – Dr. Lutz e Graça Lutz - Origem do universo e origem da vida 
18:30 – Perguntas

18:40 – Encerramento

Domingo –  21/10

8:00 – Abertura e Boas Vindas

8:15 – Palestra Michelson Borges – As dez maiores fake news evolucionistas
9:45 – Perguntas

10:00 – Palestra Dr. Rodrigo Silva – O sentido grego e hebraico de “no princípio”
11:30 – Perguntas

11:45 – Encerramento e Agradecimentos

As inscrições podem ser feitas no site da Missão Bahia do Sudoeste: http://mbs.adventistas.org/

sábado, 11 de agosto de 2018

A fé dos cientistas

A ciência propriamente dita assume pelo menos 4 coisas:

1. A uniformidade da natureza, que leva os cientistas a assumir que o futuro vai ser como o passado (o que permite fazer previsões cientificas). Dizer que o futuro vai ser como o passado porque “sempre foi assim” é assumir o que tem que se provar.

2. A constância das leis da natureza, que permite assumir que estas leis operam essencialmente da mesma forma em todo o universo. Devido a esta fé, é possível aplicar o conhecimento da ciência atómica aos corpos celestiais visto a análise presencial estar impossibilitada devido às distâncias.

3. A capacidade humana de entender o universo, que permite assumir que todo o fenómeno natural tem uma explicação, e que a mente humana pode entender essa explicação. Se Deus não existe, não há motivo para assumir isto visto que, dentro do paradigma ateísta, a mente humana “evoluiu” para nada mais que caçar e procriar (não para estudar as estrelas ou fazer outro tipo de actividade que não esteja directamente relacionada com a procriação ou nutrição).

4. A fiabilidade da Lógica. A ciência não ‘prova’ as leis da lógica: a ciência assume-as e usa-as para provar tudo o resto. Usar a lógica para provar a lógica é uma falácia.

O ateísmo, ao negar a auto-evidente existência do Deus dos Cristãos, encontra-se em oposição a tudo isto visto que se Deus não existe, não há Fundamento e nem Explicação para a uniformidade da natureza, nem para a fiabilidade da Lógica, e muito menos para a fé de que a mente humana tem a capacidade de entender o universo.
Fonte: Darwinismo

sábado, 7 de julho de 2018

O que é preciso para me tornar ateu?

                                                      Clique na imagem para ampliar!

segunda-feira, 18 de junho de 2018

18 DE JUNHO - dia do profissional da Química

Foto: Firmo Neto
Essa data foi escolhida porque em 18 de junho de 1956, o presidente JK assinou a "Lei Mater dos Químicos"(Lei n°2800/56), regulamentando o exercício da profissão e criou os Conselhos de Química. Desta forma, ficou estabelecido como "Dia Nacional do Químico".

Vale lembrar que, os Químicos são aqueles profissionais que trabalham na área da ciência responsável pela composição, estrutura e propriedades da matéria. Eles também estudam a transformação da matéria das reações químicas e a relação da energia envolvida durante a transformação.

Então, hoje, deixo os meus parabéns aos colegas profissionais da Química pelo seu dia e pelo importantíssimo trabalho que vem sendo desenvolvido em beneficio à humanidade.

sábado, 16 de junho de 2018

Estudo revela que 90% dos animais surgiram ao mesmo tempo

Uma nova pesquisa que envolve a análise de milhões de códigos de barra de DNA desmascarou muito do que sabemos hoje sobre a evolução das espécies. Em um imenso estudo genético, o pesquisador associado sênior Mark Stoeckle do Programa para o Ambiente Humano na Universidade Rockefeller e o geneticista David Thaler da Universidade de Basel descobriram que 90% de todos os animais da Terra surgiram ao mesmo tempo. Mais especificamente, eles descobriram que 9 em cada 10 espécies de animais no planeta surgiram ao mesmo tempo que os humanos, cerca de 100.000 a 200.000 anos atrás (segundo a cronologia evolutiva).

“Essa conclusão é muito surpreendente e eu lutei contra ela o máximo que pude”, afirma Thaler.

Durante a última década, centenas de cientistas coletaram cerca de 5 milhões de códigos de barra de DNA de 100.000 espécies de animais em diferentes partes do globo. Stoeckle e Thaler analisaram essas 5 milhões de impressões genéticas para chegar a uma das descobertas mais surpreendentes sobre evolução até agora.

O que é o Código de barra de DNA?

Existem dois tipos de DNA. A maioria das pessoas conhece o DNA nuclear. Esse é o DNA que contém o esquema genético para cada indivíduo único. É passado dos pais para os filhos. O genoma é feito de tipos de moléculas arranjados em pares. Existem 3 bilhões desses pares, que são usados então para formar milhares de genes.

O outro tipo de DNA, menos familiar, é encontrado na mitocôndria das células. A mitocôndria gera energia para a célula e contém 37 genes. Um desses é o gene COI, que é usado para criar códigos de barra de DNA. Todas as espécies têm um DNA mitocondrial muito similar, mas seu DNA é também suficientemente diferente para distinguir entre as espécies.

Paul Hebert, diretor do Instituto de Biodiversidade de Ontário, desenvolveu uma nova forma de identificar espécies estudando o gene COI.

Nascidos por volta do mesmo momento

Ao analisar o COI de 100.000 espécies, Stoeckle e Thaler chegaram à conclusão de que a maioria dos animais apareceu simultaneamente. Eles descobriram que a mutação neutra entre espécies não era tão variada quanto se esperava. A mutação neutra se refere a pequenas mudanças no DNA que ocorrem ao longo das gerações. Eles podem ser comparados aos anéis das árvores, já que podem informar qual a idade de certa espécie ou indivíduo.

Quanto a como isso deve ter acontecido, é incerto. Uma provável possibilidade é a ocorrência de um evento abrupto. Um trauma ambiental em larga escala pode ter erradicado a maioria das espécies da Terra.

“Vírus, eras glaciais, novos competidores bem-sucedidos, perda de presas – tudo isso pode causar períodos em que a população de um animal reduz bruscamente”, argumenta Jesse Ausubel, diretor do Programa para o Ambiente Humano.

Tais momentos dão origem a mudanças genéticas generalizadas pelo planeta, causando o aparecimento de novas espécies. No entanto, a última vez que tal evento ocorreu foi há 65 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista], quando um asteroide atingiu a Terra e (acredita-se) dizimou os dinossauros e metade de todas as outras espécies no planeta.

O estudo foi publicado no periódico Human Evolution, neste link.

Fonte: Meio Info via criacionismo

Nota de Michelson Borges: Tudo indica que houve um “gargalo” na história da Terra, e que em algum momento dessa história os seres vivos simplesmente apareceram sobre o planeta, quase como num passe de mágica. O que isso lhe sugere? Cuidado! Você pode estar pensando em hipóteses perigosamente criacionistas... [MB]

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Movimento criacionista começa a se expandir pela América do Sul

Grupo que se reuniu recentemente no primeiro encontro de núcleos da SCB, em Brasília, DF. (Foto: Divulgação)
Depois de 46 anos em defesa do Criacionismo no Brasil, a SCB (Sociedade Criacionista Brasileira) dispara na abertura de pequenos núcleos de estudo em vários estados do país. No período de três anos, oito núcleos já foram ou estão sendo organizados. O primeiro foi inaugurado formalmente, em 2015, o Numar-SCB (Núcleo Maringaense) e os demais estão aguardando detalhes finais.

Além do núcleo de Maringá, existem dois outros núcleos em processo de formalização no Paraná, em Londrina e Curitiba, além de outros núcleos no sul do Brasil: em Santa Catarina (Blumenau) e outro no Rio Grande do Sul (Porto Alegre). Os demais núcleos estão em fase de organização: Pernambuco, Rio Grande do Norte, São Paulo, Amazonas, Rondônia e Maranhão.

Fora do Brasil já existe incentivo para a implantação de minicentros criacionistas em Galápagos, Bolívia, Peru e Cabo Verde. De acordo com o diretor executivo da SCB, Rui Corrêa Vieira, vários seminários internacionais estão sendo realizados nessas localidades.

Rui explica que desde o início das atividades, em 1972, a SCB tem mantido contato com o Geoscience Research Institute, instituto norte-americano de pesquisas bíblico-científicas, através do intercâmbio e do desenvolvimento de projetos e, posteriormente, um estreito contato com a Creation Research Society, umas das mais antigas organizações criacionistas do mundo, da qual recebeu autorização para traduzir e publicar artigos do periódico Creation Research Society Quarterly em sua “Folha Criacionista”, atual Revista Criacionista.

Planos para o futuro

O plano, segundo o recém-eleito presidente da entidade, o geólogo Dr. Marcos Natal, é o de ter uma dessas filiais em cada um dos estados brasileiros e em outros países sul-americanos. Os núcleos atuam de forma voluntária, profissionais de diversas áreas, como biólogos, geólogos, químicos, arqueólogos, físicos, paleontólogos, teólogos, professores, cientistas, jornalistas e até mesmo profissionais da saúde como médicos e enfermeiros.

“A ideia é que em cada um desses núcleos, sejam estabelecidos centros criacionistas. Trata-se de espaços reservados para divulgação, pesquisa e aprendizagem a respeito do criacionismo onde os interessados encontram livros, jogos, material audiovisual, amostra de fósseis, entre outros recursos”, afirma o presidente da SCB.

Outro objetivo dos núcleos consiste em firmar parcerias com universidades locais e apresentar a proposta criacionista. Marcos Natal se mostra entusiasmado com as perspectivas futuras de relação com os públicos científicos, a cargo de uma nova geração de pesquisadores criacionistas, por conta da presença de vários jovens cientistas e estudantes motivados a dar maior visibilidade ao criacionismo.

Como criar um núcleo

Interessados em montar um núcleo da Sociedade Criacionista Brasileira devem entrar em contato com a SCB pelo e-mail scb@scb.org.br. Em resposta, a entidade oferecerá orientações e estrutura para formação e manutenção do núcleo. Com informações da SCB e ASN.

Fonte: Gospel Prime

domingo, 10 de junho de 2018

2019 – Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos

Recentemente a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2019 como sendo o Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos (IYPT 2019, em inglês).

Um dos principais motivos para a comemoração é que em 2019 completamos 150 anos desde a primeira tabela de Dmitry Mendeleev, publicada em 1869! Sendo também possível encaixar a marca de 350 anos desde a descoberta do elemento fósforo pelo alquimista alemão Henning Brand no ano de 1669.

Ficamos muito felizes com a notícia e firmamos aqui o compromisso de oferecer muito mais textos, vídeos, fotografias, materiais didáticos auxiliares e conteúdo neste site. Tentaremos o máximo possível – dentro da nossa (atual) falta de recursos financeiros – fazer com que o próximo ano seja realmente especial!

ATENÇÃO: Se você procura uma tabela Periódica atualizada para imprimir (ano de 2018) clique aqui.

Fonte: TabelaPeriodica.org

Nota: Conheça - AQUI - a nossa Tabela Periódica, é a mais atualizada comercialmente no Brasil.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Marcos Eberlin lança livro que explica origem da vida



Nota: Mestre em Química, doutor em Ciências pela Unicamp e pós-doutor pela Universidade de Purdue nos Estados Unidos. O professor Marcos Eberlin fala sobre o seu novo livro "Fomos Planejados: a maior descoberta científica de todos os tempos".

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Cientistas desenvolvem por acaso enzima devoradora de plástico

Mais de 8 milhões de plásticos são descartados todos os anos nos oceanos
Cientistas britânicos e americanos produziram acidentalmente uma enzima devoradora de plástico que poderia, eventualmente, ajudar a resolver o problema crescente da poluição gerada por este material, revelou um estudo publicado na segunda-feira (16), do qual participaram pesquisadores da Unicamp.

Mais de oito milhões de toneladas de plásticos são descartadas nos oceanos do mundo todos os anos e há uma preocupação crescente com as consequências contaminantes deste produto derivado do petróleo para a saúde humana e o meio ambiente.

Apesar dos esforços de reciclagem, a maior parte dos plásticos permanece por centenas de anos no meio ambiente, e por isso cientistas buscam melhores formas de eliminá-lo.

Pesquisadores da Universidade de Portsmouth e do Laboratório de Energias Renováveis do Departamento de Energia dos Estados Unidos decidiram se concentrar em uma bactéria encontrada na natureza, descoberta no Japão há alguns anos.

Cientistas japoneses acreditam que a bactéria tenha evoluído recentemente em um centro de reciclagem de rejeitos, uma vez que o plástico não existia até os anos 1940.

Conhecida como Ideonella sakaiensis, ela parece se alimentar exclusivamente de um tipo de plástico conhecido como polietileno tereftalato (PET), usado amplamente em garrafas plásticas.

Uma mutação útil

O objetivo dos cientistas era compreender o funcionamento de uma destas enzimas - denominada PETase ao compreender sua estrutura.

"Mas eles acabaram dando um passo à frente e desenvolveram acidentalmente uma enzima ainda mais eficiente em decompor plásticos PET", destacou o estudo, publicado no periódico científico americano Proceedings of the National Academy of Sciences.

Usando um raio-X superpotente, eles conseguiram produzir um modelo tridimensional em altíssima resolução da enzima.

Empregando a modelagem de computador, cientistas da Unicamp e da Universidade da Flórida descobriram que a PETase era similar a outra enzima, a cutinase, encontrada em fungos e bactérias.

Uma parte da PETase, no entanto, era um pouco diferente e cientistas supuseram que esta era a parte que permitia a degradação do plástico.

Eles, então, submeteram à mutação o local ativo da PETase para fazê-la se parecer mais com a cutinase e descobriram de forma inesperada que a enzima mutante era mais eficiente do que a PETase natural em decompor o PET.

Os pesquisadores afirmam estar trabalhando agora em melhorias desta enzima, na esperança de eventualmente permitir seu uso industrial na decomposição de plásticos.

"A sorte frequentemente desempenha um papel significativo na pesquisa científica de base, e nossa descoberta não é uma exceção", afirmou um dos autores do estudo, John McGeehan, professor da escola de Ciências Biológicas de Portsmouth.

"Embora o aperfeiçoamento seja modesto, esta descoberta inesperada sugere que há espaço para mais melhorias destas enzimas, aproximando-nos de uma solução de reciclagem para a crescente montanha de plásticos descartados", acrescentou.

Fonte: G1

terça-feira, 27 de março de 2018

Curso - A Teoria do Design Inteligente

Este curso traz a discussão diversos aspectos da ciência, tais como filosofia da ciência, a definição de ciência, os pressupostos científicos, os atributos de teorias científicas, falseabilidade e capacidade de fazer previsões da teoria da evolução e do design inteligente, o naturalismo filosófico, a evolução do cosmo, a evolução química, a evolução bioquímica, os mecanismos evolutivos e suas viabilidades frente a química e bioquímica modernas, permitindo assim um confronto da fé cristã com a razão baseada em argumentação científica moderna.

Discutirá também a teoria do design inteligente (TDI): seus princípios e pressupostos, a teoria da evolução: seus princípios e pressupostos e mecanismos, as evidências de design inteligente na vida e no universo, o ajuste fino do universo, os pilares da teoria do design inteligente: informação especificada, complexidade irredutível, antevidência genial, as semelhanças e diferenças entre homens e chimpanzés, ancestralidade símia comum, o DNA lixo, os “bad Designs”, órgãos vestigiais, as evidências de design no código genético e nas estruturas de proteínas, fazendo no final um embate racional entre  a evolução de Darwin e o design inteligente de Michael Behe.

Aula 01: A Ciência e o Embate Evolução x Design Inteligente – Marcos N. Eberlin
Aula 02: A Teoria do Design Inteligente (TDI) – Marcos N. Eberlin
Aula 03: Evidências de Design Inteligente no Universo – Marcos N. Eberlin
Aula 04: Evidências de Design Inteligente na Vida – Marcos N. Eberlin
Aula 05: Humanos e Chimpanzés: Parentes Evolutivos? – Marcos N. Eberlin
Aula 06: Entendendo e Avaliando a Evolução Bioquímica – Marcos N. Eberlin
Aula 07: A Informação Bioquímica: Acidente Congelado ou Design Inteligente? – Marcos N. Eberlin
Aula 08: Quem Veio Primeiro, o Ovo ou a Galinha? – Marcos N. Eberlin
Aula 09: O Embate do Século – Marcos N. Eberlin

Saiba mais sobre o curso no site Fiel - Curso de Liderança

Fonte: Fiel - Curso de Liderança

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Quem criou o Criador?



Nota: John Lennox é um matemático da Universidade de Oxford na Inglaterra, um forte crítico do biólogo Richard Dawkins, seu "colega" de Oxford. Para ele, "Deus é eterno; ele não foi criado, sempre existiu". Leia aqui mais argumentos de sua explicação sobre "a origem de Deus".

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Refletir: Uma incoerência naturalista

Nota: Isso faz sentido? É obvio que não, mas para os evolucionistas, sim! Eles creem que a mão mecânica foi projetada por várias mentes inteligentes, porém a mão biológica, muito mais complexa, surgiu por processos naturais não orientados por longas eras. Enfim, é muito difícil ter fé para acreditar na teoria evolutiva.[FN]

Se quiser rejeitar a teoria da evolução, faça-o pelo motivo correto

“Ninguém nunca viu um macaco virar homem.” Essa foi a lógica apresentada pelo Ministro da Educação da Índia [foto ao lado], em uma tentativa de “desmascarar” a teoria da evolução de Darwin. A declaração gerou piadas e um pedido de retratação feito pela comunidade indiana. “Ninguém, incluindo nossos antepassados, por escrito ou oral, disse que viu um macaco se transformar em um homem”, disse Satyapal Singh enquanto presidia uma conferência em Aurangabad, cidade no estado de Maharashtra, na sexta-feira. Ele defendeu a retirada da teoria evolucionista – aceita por unanimidade [sic] pela comunidade científica – dos livros didáticos do país. O comediante Vir Das foi um dos primeiros a brincar com o assunto.

O diretor Farhan Akhtar respondeu de forma satírica à declaração do ministro. “Macacos protestam contra a Origem das Espécies de Darwin. Eles negam envolvimento com a existência de certo homo sapiens.” No entanto, apesar da reação severa de todos os lugares, o ministro manteve o posicionamento. “Estou absolutamente de acordo com o meu comentário de que a teoria da evolução de Charles Darwin não é científica. Há poucas evidências para fundamentar a teoria. Grandes cientistas do mundo vieram dizer que não há evidências disponíveis no mundo que possam provar que a teoria da evolução está correta”, disse o ministro em outra conferência, segunda-feira, no IIT-Guwahati, uma das principais instituições técnicas da Índia.

Ele mesmo pediu uma conferência internacional para verificar a veracidade da teoria de Darwin. “Proponho, se o Ministério do Desenvolvimento e Recursos Humanos estiver pronto, patrocinar uma conferência internacional de nível mundial para decidir o que é verdadeiro e factual e que deve ser ensinado em escolas e faculdades”, disse Satyapal Singh.

Enquanto isso, cientistas de toda a Índia começaram a coletar assinaturas contra o ministro Singh e suas observações, vistas como um insulto ao verdadeiro trabalho de pesquisa. A comunidade científica pretende entregar a petição assinada ao Governo para pedir ao ministro que se retrate de sua declaração. Já são mais de 4.000 assinaturas e o texto continua recebendo apoio de cientistas e acadêmicos de mais de 25 das principais instituições educacionais do país.

A teoria evolucionista darwiniana consiste em três suposições:

(1) todos os seres vivos descendem de um antepassado comum;
(2) os principais mecanismos para as mudanças que dão origem a novas espécies resultam de mutação e seleção natural ou “sobrevivência do mais apto”;
(3) estes são processos naturais não orientados.

Embora a pesquisa genética moderna fundamente em grande parte as ideias de Darwin, elas continuam sendo uma fonte de controvérsia, especialmente entre os devotos religiosos. A Turquia removeu todas as menções ao naturalista inglês de seus currículos didáticos em 2017, em grande parte devido à alegada incompatibilidade da teoria com a educação islâmica “baseada em valores” do país.

Fonte: Sputnik via criacionismo

Nota do blog criacionismo: O Ministro da Educação da Índia falou bobagem e a mídia e os evolucionistas não perderam tempo: detonaram o homem. Evolucionistas não creem que o ser humano “veio do macaco”, e criacionistas nunca deveriam dizer que eles creem nisso. Eles pensam que humanos e macacos tiveram um ancestral comum (mas que animal seria esse, um sapo? Bem, deixemos isso pra lá...). Para ser mais preciso, o ministro poderia ter dito que não aceita a macroevolução porque informação genética não pode surgir do nada. Porque elementos inorgânicos não poderiam se agrupar em moléculas, aminoácidos, proteínas, DNA, células... tudo na ordem certa, unido à informação complexa, para então dar origem à vida – nem um cem bilhões de anos! Poderia também ter dito que não aceita a teoria da evolução porque a vida revela muitos mecanismos de complexidade irredutível sem os quais ela nem sequer teria começado a existir. Enfim, poderia dizer que a macroevolução está mais nos domínios da fé que nos da ciência empírica, e que vida só provém de vida, como Pasteur provou há muito tempo. A matéria acima tentou resumir os postulados básicos da teoria da evolução, como o de que todos os seres vivos descendem de um antepassado comum (macroevolução). Isso não está provado. É mera especulação baseada em evidências que apontam meramente para adaptações e diversificação de baixo nível (“microevolução”). O registro fóssil está aí para provar isso, com seres distintos (peixes, anfíbios, répteis, mamíferos, aves) e sem evidência de intermediários entre eles. Quando o assunto são fatos, os evolucionistas apelam para as mutações e a seleção natural, mecanismos aceitos pelos criacionistas, evidentemente. Mas o que esses mecanismos promovem? No caso das mutações, via de regra, perda de informação genética ou modificações limitadas (duvida? Pesquise aqui no blog sobre as drosophilas). No caso da seleção natural, adaptabilidade a determinadas circunstâncias ambientais, permitindo a sobrevivência do mais bem adaptado a essas circunstâncias. Mas tanto as mutações quanto a seleção natural agem sobre organismos já existentes. A seleção pode explicar como o mais “apto” sobrevive, mas nem um nem outro mecanismo é capaz de explicar como esses indivíduos mais “aptos” vieram à existência. Assim, o livro A Origem das Espécies promete, mas não entrega, pois tem a palavra “origem” no título, mas somente explica por que há diversidade na natureza. Pena que o Ministro da Educação da Índia não mencionou fatos como esses, expondo-se ao ridículo com aquele “argumento batido”. Que os criacionistas não sigam seu exemplo. Se for para rejeitar a teoria da evolução, que seja pelos motivos corretos. [MB]

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Tabela periódica pode ganhar nova linha pela primeira vez na história

Instalações do laboratório Nishina, local das pesquisas com o elemento 119.
Uma equipe de cientistas no Japão acaba de iniciar um dos projetos mais apaixonantes da física nos últimos tempos: a busca do elemento 119 da tabela periódica, "nunca visto e nunca criado na história do universo", disse o físico Hideto Enyo, líder da iniciativa.

O novo elemento, batizado temporariamente de ununennio (um, um, nove, em latim), inauguraria uma nova linha – seria a oitava – na tabela periódica proposta em 1869 pelo químico russo Dmitri Mendeleev. A ordem da primeira coluna, recitada de cor por qualquer estudante, ficaria assim: hidrogênio, lítio, sódio, potássio, rubídio, césio, frâncio e ununennio.

Enyo comanda o laboratório Nishina, do centro de pesquisa Riken, um acelerador de partículas localizado nas proximidades de Tóquio. No laboratório, os cientistas planejam disparar feixes de vanádio, um metal, contra um alvo de cúrio, um elemento mais pesado que não existe naturalmente no ambiente terrestre. A teoria é simples: o núcleo do átomo de vanádio possui 23 prótons. O do cúrio tem 96. Unidos, criariam um elemento superpesado com 119 prótons. Mas não é tão fácil.

"Todos somos poeira das estrelas", lembra o físico nuclear José Luis Taín, parafraseando o famoso astrônomo norte-americano Carl Sagan. A equipe de Taín, que não tem participação na busca do elemento 119, lidera outro experimento no Riken para investigar como são formados os elementos pesados no universo. Os mais leves, como o hidrogênio (um próton) e o hélio (dois prótons), foram formados imediatamente após o Big Bang, há cerca de 13,7 bilhões de anos. Os outros, mesmo o ferro, surgiram de uma fusão nuclear no interior das estrelas. Mas, depois do ferro, com 26 prótons, a origem é mais confusa.

"Acreditamos que, para formar elementos mais pesados do que o ferro, são necessários eventos explosivos, como supernovas [explosões de estrelas muito maciças] ou fusões de estrelas de nêutrons", afirma Taín, pesquisador do Instituto de Física Corpuscular, em Paterna (Valência). Nesses cataclismos cósmicos, ocorre um rápido processo de captura de nêutrons, que, quando desintegrados, formam prótons. Isso criaria, em alguns segundos, elementos cada vez mais pesados, como o ouro (79), chumbo (82) e urânio (92). O experimento de Taín, chamado Briken, tenta imitar esses emaranhados estelares no laboratório do Japão.

Esse rápido processo de captura de nêutrons, no entanto, seria suspenso em torno do elemento 110, segundo Taín, citando as previsões teóricas atuais. Se forem corretas, o elemento 119, como afirma o cientista Enyo, jamais foi criado no universo. Nunca.

O elemento mais pesado encontrado naturalmente na Terra é o plutônio, com 94 prótons. A partir desse ponto, os núcleos não são estáveis o suficiente. Os últimos elementos sintetizados – nihônio (113), moscóvio (115), tennessino (117) e oganessono (118) – são muito radioativos e existiram por alguns milésimos de segundo em um laboratório.

"Esperamos encontrar o elemento 119 em alguns anos", afirma Enyo com entusiasmo. "Já começamos a caçada, embora ainda estejamos numa fase muito preliminar", reconhece. O físico japonês sabe que outras equipes científicas de prestígio já falharam na busca do elemento 119. O centro GSI Helmholtz, em Darmstadt (Alemanha), realizou a tentativa em 2012, disparando um feixe de titânio (22) contra um alvo de berkélio (97) , sem sucesso. "Ainda não sabemos que tipo de combinação de feixes e alvos será melhor", admite Enyo.

Por que gastar tanto tempo em experimentos caríssimos para sintetizar um elemento por alguns milésimos de segundo? "Porque é muito emocionante descobrir um novo elemento, especialmente o 119, que será o primeiro da oitava linha da tabela periódica", arremata o físico japonês, resumindo o espírito curioso da ciência básica.

O químico alemão Martin Heinrich Klaproth descobriu o urânio em 1789. O nome foi inspirado no planeta Urano, que havia sido observado pela primeira vez alguns anos antes. O urânio é o elemento mais antigo na sétima linha da tabela periódica. Se, em 1789, Klaproth tivesse sido questionado com um "para que queremos isso?", não poderia ter imaginado que as usinas nucleares produziriam 17% da eletricidade mundial com o elemento mais antigo na sétima linha.

Fonte: Brasil El País

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails